Artigos com o tema:

Desenvolvimento Humano

A partir de reflexões tomando como base os textos de Araujo e Lopes (2010); Bosi(2007) e Graeff (2007), tem-se como objetivo analisar a velhice e as suas repercussões nas relações familiares e asilares na sociedade capitalista.

Segundo Araujo e Lopes (2010) o envelhecer ou a velhice se inicia ao nascer e se finda com a morte. Porem a decadência biológica não é suficiente para definir a velhice pelo fato de nem sempre comprometer o processo vital, não ocorrer para todo o organismo e acontecer em ritmos distintos. Além disso para muitos o envelhecer é também uma aquisição pois permite que a mente amadureça para raciocínios abstratos tendo em vista as idades anteriores.

Leia mais: A Velhice: suas Relações Familiares e Asilares numa Sociedade Capitalista

Resumo: Este artigo sugere uma reflexão teórica acerca da importância do afeto materno inserido na linguagem do maternalês, para o desenvolvimento infantil; conforme os teóricos Elliot (1982), Bee (1996) e Ribeiro e Garcez (1988), a linguagem é o núcleo do sentido da ação recíproca que dá o significado da comunicação. Conforme Sim-Sim (1998), Hoff (2006) e Hudson (2006), através da manutenção da atenção do espaço de interação com a criança, agindo diretamente relacionado com o fenômeno observado no corpo da criança pequena, há uma progressiva interação da comunicação infantil que envolve pela situação materna de motivar a criança, cuja modificação do padrão da fala interage, numa construção do espaço de valorização dessa troca afetiva. Conforme Perroni (1992), Peterson (1994) e  Mccabe (2004) e Bates (1976) se estabelece na relação entre fala e afeto, que vai crescendo e formando uma teia externa de relacionamentos, iniciando-se por gestos e sinais. Conforme Ornstein, Haden & Hedrick (2001/2003) e Rigolet (2000), a comunicação baseada na linguagem mãe-criança (maternalês) provê mecanismos para que crianças pequenas adquiram habilidades de memória generalizadas.

Palavras-chave: voz, desenvolvimento, infantil

Leia mais: A Importância do Afeto Materno Inserido na Linguagem do Maternalês para o Desenvolvimento Infantil



Resumo: O envelhecimento ou o termo envelhecer populacional é uma realidade, sendo universal, evolutivo e gradual, que está relacionado ao tempo de vida, fazendo parte de um processo biológico, psicológico, social e cultural, entretanto, associando – se a fatores que podem vir acarretar ou não algumas perturbações mentais no idoso, e atribuindo, na maioria de certos casos debilitações ou delimitações em outros aspectos relevantes no decorrer da vida do mesmo. Portanto, o presente artigo tem como objetivo focar na Terceira Idade (envelhecimento), nas dificuldades e problemas ligados a expressão da afetividade e da sexualidade. Assim, tendo como consequência e comprometendo a saúde sexual do idoso, as características e proporção do uso do álcool nesta fase da vida, que vem crescendo por dificuldades de ordem econômicas e em muitas das vezes por abandonos familiares. Neste estudo utilizou-se uma revisão literária, revistas acadêmicas, livros e artigos científicos, referente às seguintes temáticas - envelhecimento, alcoolismo e a sexualidade na velhice.  É de suma importância entender a respeito das atuais implicações psicossociais nas questões da sexualidade e o uso do álcool do segmento idoso, sem a diferenciação de gênero.

Palavras-chave: Sexualidade, Alcoolismo, Terceira, Idade.

Leia mais: A Sexualidade e o Alcoolismo na Terceira Idade

Resumo: A questão que subjaz este trabalho pode ser expressa pela seguinte interrogação: se a morte é um acontecimento natural, então por que na modernidade e na pós-modernidade ela se tornou um acontecimento temido e negado? A partir desse questionamento subjacente, o presente trabalho tem por objetivo discutir a questão da interdição da morte no contexto da sociedade ocidental moderna, sobretudo com o advento do capitalismo, bem como a sua continuação na pós-modernidade. Para alcançar o objetivo proposto, utilizou-se o delineamento de pesquisa do tipo qualitativo, de cunho bibliográfico, através do qual se fez necessária uma abordagem interdisciplinar, visto que, em se tratando das ciências humanas, além de sujeito e objeto de estudo se coincidirem, ambos se fazem presentes em suas diversas áreas, qual seja, o homem. Todavia, vale sublinhar que não se perdeu de vista o enfoque psicológico a que o tema evoca, sobretudo na discussão apresentada no segundo e terceiro capítulos. Nesse sentido, foi de suma importância analisar a questão da finitude, considerando as diversas fases do desenvolvimento humano, bem como, apresentar algumas consequências psicológicas decorrentes do processo de interdição da morte cuja maior expressão pode ser a morte em vida. Por isso, observou-se ao longo dessa pesquisa a necessidade de resgatar a dimensão natural da morte, seja pela autêntica tomada de consciência por cada sujeito da sua dimensão finita ou através de uma discussão aberta sobre o tema, sempre permeada pela questão do sentimento.

Palavras-chave: Morte, Interdição, Modernidade, Pós-modernidade, Vida.

Leia mais: Interdição da Morte e Morte na Interdição

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar através de dados qualitativos, indicadores de bem estar, prazer e independência em amostra de idosos integrantes do Projeto do Idoso da Universidade Estácio de Sá – Campus R9. O trabalho também propõe uma discussão sobre os aspectos relacionados à promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida do idoso e a importância da participação do idoso na sociedade. O método utilizado foi o de aplicação de entrevistas abertas e observação no momento do desenvolvimento das atividades. Os resultados apontam que trabalhos que promovem melhoria da qualidade de vida do idoso auxiliam a integração psicossocial, autonomia e bem estar na vida do idoso.

Palavras-chave: Psicologia, Envelhecimento, Qualidade de vida, Autoestima.

Leia mais: Os Benefícios do Viver Coletivo para o Idoso: Reflexão sobre a Importância da Integração...

Resumo: O envelhecimento é um processo natural de deterioração das funções orgânicas decorrente da passagem do tempo. Apesar do avanço da Medicina e da Ciência possibilitarem o aumento da expectativa de vida verifica-se que nem sempre ela é acompanhada de qualidade, devido aos efeitos do envelhecimento. Entre as causas prejudiciais ressalta-se o estresse e os estados mentais permeados por crenças limitantes. A prevenção pode ser feita durante todo o ciclo de vida do ser humano, mas por interesses naturais desta etapa da vida, pessoas mais jovens direcionam o foco de sua atenção para o mundo exterior e para as aquisições, por esse motivo o período propício para iniciar a prevenção pode ser a segunda metade da vida, quando o interesse do indivíduo se volta para os aspectos internos. As metáforas estão entre os recursos da Programação Neurolinguística que podem contribuir para a modificação de estados mentais inadequados, a desconstrução de crenças limitadoras e o fortalecimento de crenças positivas em relação ao processo de envelhecimento favorecendo que sua ocorrência seja acompanhada de qualidade de vida. Através da identificação do indivíduo com personagens de histórias, as crenças pessoais podem ser resignificadas e os recursos utilizados pelos personagens das histórias podem ser novas referências, para que novos objetivos sejam traçados e novas atitudes sejam construídas. A aplicação deste recurso foi realizada com um grupo de quatro mulheres de meia idade e no final observou-se que a partir de algumas mudanças na compreensão do assunto, novos objetivos foram traçados em busca de qualidade de vida.

Palavras-chave: envelhecimento, crenças, metáforas, desenvolvimento humano.

Leia mais: Envelhecimento e Qualidade de Vida: Possibilidade de Construção Através de Metáforas

Resumo: O objetivo do estudo é identificar a visão de adolescentes grávidas e responsáveis sobre a gravidez na adolescência, considerada como um fenômeno social complexo. Com base na abordagem sócio-histórica, desenvolveu-se uma pesquisa descritiva, exploratória e qualitativa junto a cinco adolescentes grávidas e responsáveis. Os colaboradores foram selecionados em uma Unidade Básica de Saúde, na cidade de Lins, SP. A pesquisa foi desenvolvida entre agosto e setembro/2011, utilizando como referencial metodológico a história oral e entrevista semi-estruturada; sendo estas gravadas. Os dados são apresentados na forma de narrativas, os pontos comuns são explorados por meio do referencial da Análise de Conteúdo de Bardin. Os colaboradores atribuem diferentes significados à gravidez na adolescência, revelam expectativas, dificuldades e a existência de sentimentos ambíguos com relação à ocorrência deste fenômeno. Constata-se que há necessidade de oferecer aos usuários orientação psicológica, pois o atendimento médico somente não responde com resolutividade adequada às necessidades desta população.

Palavras-chave: Adolescência, Gravidez, Psicologia.

Leia mais: Gravidez na Adolescência: com a Palavra Pais e Adolescentes

Resumo: O presente trabalho busca refletir sobre a pena de morte, cujo caráter é psicossocial e político. Teve-se como objetivo busca-se analisar a trajetória histórica percorrida na construção do pensamento de extermínio como solução para o fim da criminalidade, em que a vingança torna-se sinônimo de justiça e a importância da psicologia na construção dessa subjetividade humana. Trata-se de pesquisa qualitativa, que busca uma revisão na literatura sobre o tema pena de morte e psicologia. Pretendeu-se analisar como tem sido construída a subjetividade humana em relação à pena de morte e como a psicologia pode contribuir com uma reflexão para uma melhor visão sobre os valores punitivos em seus aspectos jurídicos, morais, sociais, psicológicos e políticos e problematizar as práticas que levam a um imaginário da população que confunde a concepção de justiça com vingança, indo além da exclusão, partindo para a exterminação de indivíduos.

Palavras-chave: Psicologia, violência e pena de morte, imaginário social, subjetividade humana, exclusão social, extermínio.

Leia mais: A Importância da Psicologia na Construção da Subjetividade Humana sobre a Pena de Morte