Artigos com o tema:

Desenvolvimento Humano

Resumo: O presente artigo busca trazer, dentro de seus múltiplos assuntos, como a mímica pode ser uma ferramenta de releitura existencial, relacionada na busca da corporeidade. Para isso, foi realizada uma revisão da literatura, buscando articular os mais diversos assuntos como: avaliação histórica do corpo, de seu período relacionado a Grécia Antiga, ao período contemporâneo; o gesto como elemento intrínseco na construção da comunicação; história da mímica e do Teatro, dando destaque a alguns precursores da Mímica Contemporânea, em especial a Etienne Decroux, trazendo ainda esclarecimentos específicos a respeito do que ela é e algumas de suas características particulares, como a Mímica Objetiva e a Mímica Subjetiva; a relação da mímica e da expressividade corporal como elemento lúdico, criativo, relacionado ainda com as  inteligências corporal-cinestésica, interpessoal, intrapessoal e emocional; o que é corporeidade e como corpo e mímica dialogam nesta busca. Através das pesquisas, foi então possível observar que, corpo e mímica tem entre si uma relação que favorece o entendimento da própria realidade, o funcionamento corporal, sensações, emoções, cultura e elementos simbólicos, o que favorece não só a corporeidade, mas, a depender de com a mímica é usada, também uma ressignificação existencial. Assim, a mímica por sua vez quando bem empregada pode, a sua maneira, favorecer uma multiplicidade de fatores significativos aos indivíduos participantes, levando muitas vezes, estes, a se surpreenderem com aquilo que o seu corpo pode lhe proporcionar, manifestar e reconfigurar.

Palavras-chave: Mímica, Corporeidade, Expressividade, Corpo.

Leia mais: Corpo em Cena: Mímica e sua relação com a corporeidade

Resumo: Este estudo tem como objetivo investigar pontos de convergência entre conceitos da Psicomotricidade Relacional criada por Lapierre, conforme citam Vieira, Batista e Lapierre (2005) e da Anatomia das Emoções proposta por Keleman (1992) no que se refere a afetividade. Aborda a relação corpo e mente, partindo da compreensão da interação do fator orgânico com o fator social na evolução da afetividade. Intentou-se destacar que quando a influência mútua ocorre por meio da comunicação tônica vivida no jogo simbólico, sugerido pela Psicomotricidade Relacional, novos registros afetivos se expressam por reações orgânicas além do comportamento da criança. Trata-se de um estudo de caso embasado em revisão bibliográfica da temática. Foi ilustrado por um relato de atendimentos realizados durante vinte e oito sessões de Psicomotricidade Relacional, com um grupo de doze crianças de 7 a 9 anos, de uma escola da Rede Pública Municipal de Ensino de Fortaleza. Ao final do estudo, percebeu-se que conceitos da Psicomotricidade Relacional e da Anatomia das Emoções, convergem principalmente na forma como o corpo se comunica, age e reage aos eventos da vida.

Palavras-chave: Psicomotricidade Relacional, Anatomia, Emoção, Afetividade.

Leia mais: Afetividade: um Estudo Convergente entre a Psicomotricidade Relacional e a Anatomia das Emoções



Resumo: Este artigo tem o intuito de analisar de uma maneira reflexiva, as grandes mudanças e avanços tecnológicos que são influenciados em nossa sociedade e o declínio do contato humano, ocorrendo assim de uma maneira negativa, declínios de desenvolvimento biopsicossocial da essência humana.

Palavras-chave: Mudanças, sociedade, contato humano.

Leia mais: A Era Tecnológica: Uma Questão de Avanços ou de Perdas na Essencialidade Humana?

Resumo: Muitas pesquisas realizadas sobre a amamentação, ainda, discutem a relação mãe-filho omitindo-se a figura paterna, uma vez que antigamente pensava-se que o bebê só estabelecia relações com a mãe e, somente desta última, ele dependia para permanecer vivo no plano físico e emocional.á a conduta dos homens frente ao aleitamento materno se modificou ao longo dos anos (PICCININI, et al., 2004). O objetivo da pesquisa foi verificar se há acordo entre as crenças dos pais e das mães, referente à amamentação.

Palavras-chave: Maternidade, Aleitamento, Gênero, Desenvolvimento Humano

Leia mais: O Conhecimento de Pais e Mães Sobre o Aleitamento Materno

1. Introdução

Esse trabalho pretende apresentar e discutir a influencia do desejo da mulher pela gestação e a manifestação de sintomas depressivos. Para tanto, realizou-se pesquisa com gestantes no terceiro trimestre para avaliar a sintomatologia depressiva nesse período, e os dados sociodemográficos das mesmas, para verificar os fatores de risco existentes, principalmente o desejo pela gestação.

Leia mais: Depressão Gestacional e o Desejo pela Gravidez

1. Introdução

Segundo o Conselho Federal de Psicologia (2008) a velhice é um processo pessoal, natural e inevitável para qualquer ser humano na evolução da vida, este processo ocorre relacionado a diversos fatores da vida de uma pessoa, envelhecer é somar todas as experiências da vida, é o resultado de todas as decisões e escolhas que foram feitas durante todo o percurso da mesma, diante disso, percebemos que vivenciar o envelhecimento apresenta situações diferentes para cada ser humano, pois somos únicos.

Leia mais: Desenvolvimento Humano Durante a Velhice

Resumo: O nascimento de uma criança com uma deficiência causa um impacto emocional aos pais e também à equipe de saúde responsável por comunicar o diagnóstico. Neste contexto, a presente pesquisa relata o impacto da confirmação do diagnóstico da deficiência da criança para os pais e a complexidade do processo de aceitação do filho real, buscando compreender quais os sentimentos que surgiram quanto à forma de como foi informado o diagnóstico de deficiência genética ou adquirida no período Peri ou Pós-natal, para pais e mães de crianças em acompanhamento numa unidade da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de um município do Estado de Santa Catarina. O presente estudo foi descritivo de abordagem qualitativa, tendo como instrumento de coleta de dados a entrevista semi- estruturada, realizada com oito (n=8) pais de crianças com deficiências atendidas na estimulação essencial. Os resultados obtidos mostraram que a descoberta da deficiência já é por si impactante, porém nos casos em que os profissionais notificaram de maneira ríspida, causaram sentimento de revolta nos pais, dificultando ainda mais esse momento. A responsabilidade da comunicação recaiu em sua maioria sobre os médicos (n=7) apontando para a necessidade de melhor preparo destes profissionais para realizar adequadamente esta comunicação. As redes de apoio tanto familiar como de profissionais, mostraram-se fundamentais no processo posterior de aceitação da criança e metade da amostra (n=4) disseram que encontraram um novo sentido e significado em suas vidas.

Palavras-chave: Deficiência, Sentimentos dos pais, Profissionais de saúde.

Leia mais: Momento do Diagnóstico de Deficiência: sentimentos e modificações na vida dos pais

1. Introdução

O presente estudo tem como objetivo a relevância do uso dos contos infantis na prática clínica com grupos de crianças em atendimentos psicológicos. Pois se sabe que os contos de fadas são, ao longo dos tempos, contados e recontados para crianças, adolescentes e adultos, Moreno & Amadeo (2010). Mas há poucos estudos elaborados sobre contos infantis e seus benefícios em grupo. Desta forma no atual projeto serão realizados levantamentos teóricos com o objetivo de esclarecer se através dos contos as crianças podem diminuir seus conflitos e se há reflexos positivos destes contos na psicoterapia de grupo realizada no SUS.

Leia mais: Psicologia e a Magia dos Contos na Terapia Realizada no SUS