Resumo: O artigo apresenta o conceito de representações sociais de meio ambiente, a partir do senso comum de determinado grupo social, os pedreiros da construção civil. Diante da problemática de poluição ambiental e social, um fator recorrente é da construção civil, sendo esta citada como à causadora de tais problemas. Pois, com o constante crescimento das construções no meio urbano e rural, normalmente ligadas ao desenvolvimento socioeconômico das regiões, espaços de áreas verdes estão sendo ocupados por casas, prédios e condomínios, modificando a paisagem. O estudo foi elaborado com o intuito de compreender qual é o significado de representação social e de meio ambiente para os pedreiros da construção civil.

Palavras-chave: Construção Civil, Meio Ambiente, Representação Social.

1. Introdução

A teoria das representações sociais inicia com o sociólogo Serge Moscovici na década de 1950. Em que segundo o sociólogo "as representações sociais são o conjunto de explicações, crenças e ideias que nos permitem evocar um dado acontecimento, pessoa ou objecto. Estas representações são resultantes da interacção social, pelo que são comuns a um determinado grupo de indivíduos". Sendo portanto, de extrema importância compreender o conceito de “representação social de meio ambiente” do grupo social pedreiros da construção civil para compreender a prática deste grupo segundo o significado do conceito para estes. Assim como, conhecer os possíveis impactos ambientais que as construções em que trabalham podem gerar no meio ambiente.

Segundo Spink (1993), as representações sociais são fenômenos sociais, que devem ser acessados através de seu conteúdo cognitivo, e compreendidos a partir do contexto de sua produção. Portanto são entendidas através das funções simbólicas e ideológicas a que servem e das formas de comunicação onde circulam. Meio ambiente, definido no Brasil, em 1981, pela Lei Federal nº 6.938, em seu Art. 3º, inciso I, é o conjunto de condições, leis, influências e infraestrutura de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas.

A Construção civil caracteriza-se por atividades de produção, envolvendo instalação, reparação, equipamentos e edificação, que estão de acordo com as obras a serem executadas (OLIVEIRA;  ARAUJO, 2012). Sendo então, uma das atividades mais antigas da história da humanidade, pois desde o início da civilização o homem constrói espaços para suas moradias e encontros de lazer. Diante da problemática de poluição ambiental e social, um fator recorrente é da construção civil, sendo está citada como à causadora de tais problemas. Com o constante crescimento das construções no meio urbano e rural, normalmente ligadas ao desenvolvimento socioeconômico das regiões, espaços de áreas verdes estão sendo ocupados por casas, prédios e condomínios, modificando a paisagem.  A cada nova edificação são produzidos resíduos os quais acabam sendo ligados aos crescentes problemas ambientais. (SPADOTTO, A. et al., 2011)  

Neste artigo serão observados alguns aspectos dos impactos ao meio ambiente causados pela intervenção do homem na construção civil. E a influência que o significado de representação social para os pedreiros da construção civil tem em sua obras.

2. Representação Social de Meio Ambiente

A teoria das representações sociais inicia com o sociólogo Serge Moscovici na década de 1950.  Em que segundo Moscovici (2003, p.21), representação social é:

Um sistema de valores, ideias e praticas, como uma dupla função: primeiro, estabelecer uma ordem que possibilitará às pessoas orientar-se em seu mundo material e social e controla-lo; e, em segundo lugar, possibilitar que a comunicação seja possível entre os membros de uma comunidade, fornecendo-lhes um código para nomear e classificar, sem ambiguidade, os vários aspectos do seu mundo e de sua história individual e social.

Segundo Cunha e Zeni (2007) cada grupo social carrega consigo informações diferenciadas sobre o meio ambiente vivido e a qualidade ambiental do seu entorno, e destacam a importância do conhecimento das pessoas do local em que residem e de como elas percebem o meio ambiente. Sêga (2000), um grupo elabora meios para facilitar a sua comunicação, auxiliando os membros do grupo a criarem uma rede intergrupal onde integrantes partilhem dos mesmos objetivos e procedimentos, estabelecendo-se a organização do funcionamento cognitivo do grupo que é chamado de representação social.

Segundo os autores Sêga (2000) e Moscovici (2003), as representações sociais são um conjunto de pensamentos e atos, tendo como objetivo orientar os indivíduos em seu mundo material e social, bem como, ensiná-los a controlar seu mundo. Também segundo os autores, tornar a comunicação entre os indivíduos do grupo harmoniosa, possibilitando-lhes uma melhor relação social. Sendo a palavra representação, associada aqui ao sentido de reprodução daquilo que se pensa, enfatiza a natureza do conhecimento numa perspectiva que remete aos estudos clássicos sobre ideologia introduzidos pelo historicismo e pelo relativismo, abrindo caminho para o paradigma construtivista (SPINK, 2002; 1993).

O termo “meio ambiente” tem sido utilizado:

Para indicar um “espaço” (com seus componentes bióticos e abióticos e suas interações) em que um ser vive e se desenvolve, trocando energia e interagindo com ele, sendo transformado e transformando-o. No caso do ser humano, ao espaço físico e biológico soma-se o “espaço” sociocultural. Interagindo com os elementos do seu ambiente, a humanidade provoca tipos de modificação que se transformam com o passar da história. E, ao transformar o ambiente, o homem também muda sua própria visão a respeito da natureza e do meio em que vive. (BRASIL, 1997, p. 26).

De acordo com Zandoná (1997 apud Machado, 1984, p. 37), o meio ambiente do homem é “constituído não só do universo abiótico e do universo biótico, mas também do ambiente constituído pelo homem, suas religiões, doutrinas e teorias, sua economia, suas máquinas, seus governos, sua sociedade, seus mitos, etc.” 

Portanto, o termo meio ambiente é utilizado para designar um espaço, em que, um ser vive, no qual são trocadas energias, promovendo interação entre ambos, no qual o ser pode transformar o meio ambiente e vice-versa. Segundo Reigota (1995) apud Luiz et.al.(2009, p.6) as representações sociais de meio ambiente podem ser de cunho naturalista, antropocêntrica ou globalizante.

Naturalista - meio ambiente voltado apenas a natureza, evidência aspectos naturais, confundindo-se com conceitos ecológicos, como de ecossistema. Inclui aspectos físico- químicos, a fauna e a flora, mas exclui o ser humano deste contexto. O ser humano é um observador externo; Globalizante – o meio ambiente é caracterizado como as relações entre a natureza e a sociedade. Engloba aspectos naturais políticos, sociais, econômicos, filosóficos e culturais. O ser humano é compreendido como ser social que vive em comunidade; Antropocêntrica – o meio ambiente é reconhecido pelos seus recursos naturais, mas são de utilidade para a sobrevivência do homem.

Percebe-se que nesta visão, o conceito dado de meio ambiente pode ser considerado como socioambiental, já que leva em conta não apenas os aspectos naturais e físicos, mas também as relações sociais, culturais, históricas e tecnológicas entre os elementos envolvidos neste ambiente.

3. Construção Civil e os Impactos Ambientais

A Construção civil caracteriza-se por atividades de produção, envolvendo instalação, reparação, equipamentos e edificação, que estão de acordo com as obras a serem executadas (OLIVEIRA;  ARAUJO, 2012). Sendo então, uma das atividades mais antigas da história da humanidade, pois desde o início da civilização o homem constrói espaços para suas moradias e encontros de lazer. E segundo Campos (1996 APUD Junior, 2010, p.1) é uma área para 

Todas as atividades de produção de obras. Estão incluídas nesta área as atividades referentes às funções planejamento e projeto, execução e manutenção e restauração de obras em diferentes segmentos, tais como edifícios, estradas, portos, aeroportos, canais de navegação, túneis, instalações prediais, obras de saneamento, de fundações e de terra em geral, estando excluídas as atividades relacionadas às operações, tais como a operação e o gerenciamento de sistemas de transportes, a operação de estações de tratamento de água, de barragens, etc.

Toda a intervenção feita pelo homem pode causar impactos ao meio ambiente. Portanto, meio ambiente é definido no Brasil (1981) pela Lei Federal nº 6.938, em seu Art. 3º, inciso I, sendo o conjunto de condições, leis, influências e infraestrutura de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. A construção civil é responsável pelo consumo de 66% de toda madeira extraída no Brasil, gera 40% de todos resíduos na zona urbana, e é uma atividade geradora de poeira, seja na extração de matéria prima, seja na obra (HANSEN, 2008). Portanto, segundo o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), todo o tipo de construção, seja na área urbana ou rural, acarreta problemas ao meio ambiente (CONAMA, 1986). Para designar tais problemas, usa-se a expressão impacto ambiental que, segundo o Artigo 1º da Resolução n° 001.86 do CONAMA, de 23 de janeiro de 1986, é definida como:

Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem estar da população, as atividades sociais e econômicas; a biota; as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; e a qualidade dos recursos ambientais (CONAMA, 1986).

Ao se estudar os impactos ambientais, avaliam-se as consequências de algumas ações, para que possa haver a prevenção da qualidade de determinado ambiente que poderá sofrer alterações na execução de certos projetos ou ações, ou logo após a implementação dos mesmos (IMPACTO..., 2008). E segundo o autor Schneider (2003), devido ao rápido processo de urbanização das cidades, a construção civil tem causado muitos impactos ambientais, pelo alto volume gerado de resíduos e é  uma das atividades humanas que mais consome recursos naturais. 

De acordo com o Artigo 2º da resolução nº 307 do CONAMA, de 5 de julho de 2002, os resíduos da construção civil são provenientes da construção, demolição, reformas, reparos e da preparação e escavação do solo, gerando aspectos e impactos ambientais (CONAMA, 2002). “No Brasil, por exemplo, aproximadamente 35% de todos os materiais extraídos da natureza anualmente (madeira, metais,  areia, pedras) são usados pela construção civil.” (ENGENHARIA..., 2011).

A Conferência das Nações Unidas (ONU) para o Desenvolvimento sustentável, a rio+20, ocorre em momento oportuno para a construção civil brasileira. Na conferência o ramo da construção civil foi citado como um ramo em foco e em constante desenvolvimento, podendo desempenhar um papel estratégico para o crescimento e a sustentabilidade econômica do Brasil. Porém, o seu desenvolvimento encontra-se recessivo da economia global e, diretamente, pelos investimentos do governo brasileiro voltados à habitação, infraestrutura e transporte (ANDRADE; RAMACCIOTTI; SIMÃO, 2012). Em 2011, a indústria da construção lançou o Programa Construção Sustentável (PCS), que reúne as principais propostas do setor para fortalecer a cultura e as práticas de uma economia verde no Brasil. (ANDRADE; RAMACCIOTTI; SIMÃO, 2012).

Contudo, “para que a construção civil desempenhe atividades para manter um meio ambiente equilibrado, faz-se necessária à busca de alternativas de gestão ambiental e mudanças de atitude por parte das empresas e das pessoas envolvidas” (MACIEL, 2003, p.3). Tendo o estudo uma grande influência para conhecermos novas soluções e minimizar os impactos que a construção pode vir causar.

4. Considerações Finais

Este artigo permitiu novos conhecimentos sobre a construção civil e como os resíduos deste causado podem provocar impactos. Assim como, conhecer o que significado da representação social de meio ambiente vigente em um grupo social, sendo importante para compreendemos como alguns grupos da construção civil se organizam para formular a definição sobre esse tema de representação social a partir dos conhecimentos de senso comum que os mesmos possuem sobre esse tema.

O estudo e a  pesquisa sobre os impactos ambientais causados pelas obras da construção civil tem uma grande influência para conhecermos novas soluções e minimizar os impactos que a construção pode vir causar. E possibilita uma maior reflexão sobre os diversos conceitos para um mesmo assunto.

Sobre o Autor:

Paula Fernanda Silveira Boiago - Acadêmica do Curso de Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), campus Joaçaba-SC. Lattes: http://lattes.cnpq.br/4669218263685055

Referências:

ALTERNATIVAS Sustentáveis de Gestão Ambiental na Construção Civil em Manaus. Disponível em:  <http://www.cprm.gov.br/publique/media/diss_jussaramaciel.pdf> Acesso em 05 de Abril de 2014.

ARQUITETANDO o futuro - construção civil e meio ambiente. Disponível em: <http://www.atitudessustentaveis.com.br/atitudes-sustentaveis/arquitetando-o-futuro-construcao-civil-e-meio-ambiente/> Acesso em 04 de Maio de 2014.

AULA Educação Ambiental e Biodiversidade Arquivo. Disponível em: <disciplinas.stoa.usp.br/mod/resource/view.php?id=72272> Acesso em  16 de Junho de 2014.

A CONSTRUÇÃO civil e seu impacto no meio ambiente. Disponível em: <http://greendomus.com.br/blog/2013/09/a-construcao-civil-e-seu-impacto-no-meio-ambiente/> Acesso em 19 de Abril de 2014.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente: saúde. 3. ed. Brasília: MEC, 1997. Disponível em: <http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=1166&class=21> Acesso em 15 de Junho de 2014.

CONSTRUÇÃO Civil. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/liv_perspectivas/01_Perspectivas_do_Investimento_2010_13_SINTESE.pdff> Acesso em 05 de Abril de 2014.

CONSTRUÇÃO Civil no Brasil. Disponível em: <http://www.engenhariae.com.br/colunas/construcao-civil-no-brasil/> Acesso em 05 de Abril de 2014.

CONSTRUÇÃO Sustentável. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/urbanismo-sustentavel/constru%C3%A7%C3%A3o-sustent%C3%A1vel> Acesso em 29 de Abril de 2014.

CONCEITOS EM PESQUISA CIENTÍFICA. Disponível em: <http://www.webartigos.com/artigos/conceitos-em-pesquisa-cientifica/10409/> Acesso em 15 de Junho de 2014.

CUNHA, T. S.; ZENI, A. L. B. A representação social de meio ambiente para alunos de ciências e biologia: subsídio para atividades em educação ambiental. In: Fundação Universidade Federal do Rio Grande. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v.18, , Jan/Jun, 2007. Disponível em: http://www.seer.furg.br/remea/article/view/3326/1990.

EDUCAÇÃO Profissional – Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/constciv.pdf/> Acesso em 05 de Abril de 2014.

ENGENHARIA Civil & Tecnologias Verdes. Disponível em: <http://engenhariaverde.wordpress.com/2011/11/22/o-impacto-da-construcao-civil-no-meio-ambiente/> Acesso em 05 de Abril de 2014.

IMPACTO Ambiental. Disponível em: <http://educar.sc.usp.br/biologia/textos/impacto.htm> Acesso em 05 de Abril de 2014.

IMPACTO Ambiental: ação do homem sobre o meio ambiente

Disponível em: <http://www.portaleducacao.com.br/biologia/artigos/5382/impacto-ambiental-acao-do-homem-sobre-o-meio-ambiente#ixzz31Z8AqR9Z> Acesso em 05 de Abril de 2014.

IMPACTO Ambiental das Atividades Humanas. Disponível em: <http://www.cana.cnpm.embrapa.br/impacana.html> Acesso em 05 de abril de 2014.

IMPACTOS Ambientais da Construção Civil. Disponível em: <http://seumeioambiente.blogspot.com.br/2008/07/impactos-ambientais-da-construo-civil.html> Acesso em 05 de Abril de 2014.

JUNIOR, R. P. Soluções de planejamento e gestão ambiental para resíduos sólidos da construção civil.  In: Universidade Tecnológica Federal do Paraná- UTFPR, Maringá, 2010. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br:8080/dspace/bitstream/handle/1884/34384/PETRUCCI%20JUNIOR,%20ROBERTO.pdf?sequence=1>

MEIRELLES, B.; TORRES, E.; PULGA, F. In: DA COSTA, Ana Cristina R.; FALEIROS, João Paulo M.; FILHA, Dulce C. M.; NUNES, Bernardo F. Construção civil no Brasil: investimentos e desafios. Rio de Janeiro, 2011. Acesso em 4 de Maio de 2014.

MEIRINOB, M. J.; MOREIRAB, M. M.; QUELHASA, O. L. G.; CÔRTESA, R. G.; FRANÇA, S. L. B. Contribuições para a sustentabilidade na construção civil. In: Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, 6, 2011. Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.uff.br/sg/index.php/sg/article/viewFile/V6N3A10/V6N3A10> Acesso em 20 de Maio de 2014.

MOSCOVICI, S. Representações Sociais: Investigações em psicologia social. 4ª ed Petrópolis: Vozes, 2003. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/ppghist/anos90/13/13art8.pdf> Acesso em 05 de Abril de 2014.

NEVES. G J A educação ambiental e a questão conceitual, Brasília, MEC v. 10, nº 49,1991.

O IMPACTO da construção civil no meio ambiente.

Disponível em: <http://www.guiadacarreira.com.br/artigos/atualidades/engenharia-civil-construcoes- sustentaveis/> Acesso em 05 de abril de 2014.

O PAPEL da indústria da construção civil na organização do espaço e do

desenvolvimento regional. Disponível em: <http://www.unitau.br/unindu/artigos/pdf570.pdf> Acesso em 20 de Maio de 2014.

PANDOLFO, A.; GUIMARÃES, J.; KUREK, J.; PANDOLFO, L.;  KARPINSK, L. A.; REINEHR, R. Gestão diferenciada de resíduos da construção civil. Porto Alegre, 2009. Acesso em 20 de Maio de 2014.

PREFEITURA municipal de Pato Branco Paraná. Disponível em: <http://www.patobranco.pr.gov.br/o-municipio/>. Acesso em 15 de Junho de 2014.

RAMOS, Nair Vieira. STIVAL, Maria Cristina Elias Esper. Representação social dos estudantes da educação de jovens e adultos sobre educação e trablho na escol da rede municipal de Curitiba. Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia das Faculdades OPET, 2012. Disponível em: <http://www.opet.com.br/faculdade/revista-pedagogia/pdf/n4/ARTIGO-MARIA-CRISTINA.pdf> Acesso em 02 de Novembro de 2014.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 2004. Acesso em 16 de junho de 2014.

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html>  Acesso em 04 de Maio de  2014.

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 307, de 5 de julho de 2002. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res02/res30702.html>  Acesso em 24 de Maio de 2014.

SANDER, L. Representações sociais de professores(as) a respeito de meio ambiente e suas práticas pedagógicas Escolares em educação ambiental. In: Universidade Tecnológica Federal do Paraná- UTFPR Pato Branco, 2012. Disponível em: <http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/413/1/PB_PPGDR_M_Sander,%20Lucilene_2012.pdf>

SISTEMA Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=53> Acesso em 05 de Abril de 2014.

SPADOTTO, A. et al. Impactos ambientais causados pela construção civil. Unoesc & Ciência – ACSA, Joaçaba, v. 2, n. 2, p. 173-180, 2011. Disponível em: <http://editora.unoesc.edu.br/index.php/acsa/article/view/745/pdf_232> Acesso em 05 de Abril de 2014.

VALLE CRUCES, Alacir Villa. A pesquisa na formação de psicólogos brasileiros e suas políticas públicas. Bol. - Acad. Paul. Psicol. [online]. 2008, vol.28, n.2, pp. 240-255. ISSN 1415-711X.

ZANDONÁ F L , Psicologia e Meio Ambiente: estudo preliminar sobre as relações.