Resumo: Este presente trabalho consiste em uma pesquisa bibliográfica sobre a psicanálise no contexto hospitalar. O objetivo é descobrir como a psicanálise se insere em um ambiente institucional orientado pelo discurso médico e capturado pela urgência do corpo. Com este estudo foi possível identificar onde a psicanálise se insere para contribuir na emersão de um sujeito além de sua doença. Considerando que em psicanálise teoria e prática são indissociáveis, pretende-se apresentar aqui as condições de possibilidade para o trabalho analítico no hospital.

Palavras-chave: Psicanálise, Hospital, Clínica do Sujeito.

1. Breve Histórico Sobre o Surgimento do Hospital

O percurso da história do hospital está longe de ser uma narrativa simples e com um progresso organizado. A palavra hospital vem do latim 'hospes' que significa hóspede, hospedagem, hospedaria, porque antigamente nessas casas de assistência eram recebidos peregrinos e enfermos (CAMPOS, 1995, p.15).

A história da medicina tem suas origens em épocas anteriores a criação dos hospitais. Gregos, romanos e egípcios já a praticavam, através dos recursos disponíveis na época e movidos pela busca por conhecimento.

Campos (1995) explica que igrejas templos e abrigos tinham a finalidade de cuidar, recebendo os enfermos e lhes prestando cuidados básicos, abrigo, alimentação e orações. Muitos séculos antes de Cristo, na Grécia antiga, se encontravam lugares muito parecidos com hospitais. Straub (2005, p.28) afirma que com Hipócrates  (460-377  A.C), uma das figuras mais importantes da história da saúde, a medicina grega passou a tomar orientação científica e ética. O pai da medicina lutou contra o pensamento místico e supersticioso, foi o primeiro a afirmar que a doença era um fenômeno natural e que suas causas podiam ser conhecidas através de estudos sérios. De acordo com Straub (ibidem), o filósofo foi o primeiro a sinalizar a importância das emoções e pensamentos dos pacientes com relação a sua doença, chamando a atenção pela primeira vez para os aspectos psicológicos da saúde.

Campos (1995, p.16) lembra que a primeira entidade assistencial de que se tem notícia surgiu historicamente em 360 d.C, próximo à Roma, na Itália. Com isso, a história do hospital pode ser contada a partir de Cristo, pois foi quando o homem passou a se preocupar com o próximo, seguindo influência da religião cristã. A santidade e a cura sempre andaram lado a lado, basta observar que Jesus Cristo havia realizado milagres de cura, tais como devolver a visão a cegos e fazer aleijados voltarem a andar, através da fé.

Até esse momento, o hospital e a medicina seguiam caminhos independentes, visto que o cuidado aos doentes dentro da instituição hospitalar se baseava em tratar feridas, preparar chás e servir refeições, cuidados estes exercidos por leigos. Straus (2005, p.48) afirma que sob a influência da igreja, a medicina avançou muito pouco, pois os estudos científicos (especialmente a dissecação) eram proibidos e todas as ideias a respeito da saúde tinham implicações religiosas.

Muitas foram as epidemias e doenças infecciosas que a humanidade precisou enfrentar. Entre elas, podemos citar não só a hanseníase, mas as gripes, a varíola, o sarampo, a malária, a cólera, a tuberculose e a AIDS. Campos (1995) descreve resumidamente que, ao longo dos anos e a medida que a medicina foi se desenvolvendo, foram descobertas novas informações sobre a origem e o funcionamento das doenças.

De acordo com Michel Foucault (1979, p.103), a prática médica antes do século XVII não era considerada hospitalar, mas sim individualista "Vê-se, assim, que nada na prática médica desta época permitia a organização de um saber hospitalar, como também nada na organização hospitalar permitia a intervenção da medicina".

O hospital foi desenvolvido ao longo de muitos anos e por diferentes situações, bem antes de se formar como instituição. Uma das conjunturas, apontada por Foucault, para a reorganização do hospital foi a disciplina. Através dessa técnica de exercício do poder, era possível acompanhar a evolução das doenças, as reações do doente e fazer com que os cuidadores seguissem as ordens de cuidados. A introdução de mecanismos disciplinares, como a vigilância e o registro contínuo, possibilitou a medicalização do paciente no espaço hospitalar (Foucault, 1979, p.106).

O filósofo define que o hospital evoluiu de um espaço de morte para um campo documental, de estudo, registro e formação do saber. Os médicos passam a ser figura constante no hospital e a ciência iniciou seu trabalho.

O primeiro fator da transformação não foi a busca de uma ação positiva do hospital sobre o doente ou a doença, mas simplesmente a  anulação  dos efeitos negativos do hospital. Não se preocupou primeiramente em medicalizar o hospital, mas purificá-lo dos efeitos nocivos, da desordem que ele acarretava. E desordem aqui significa doenças que ele podia suscitar nas pessoas internadas e espalhar na cidade em que estava situado, como também a desordem econômica-social de que ele era foco perpétuo. (FOUCAULT, 1979, p.103)

No final do século XVIII, a medicina vai se configurando como uma prática e orientando sua atuação nos atendimentos individuais. Campos (1995) corrobora que quando o hospital passa a ser um instrumento de cura, o médico se torna o principal responsável pela organização do espaço hospitalar, consequentemente, o religioso vai perdendo seu poder dentro do hospital. Este local passar a ser visto como um lugar de transformação do saber, a medicina passa a estar não só nos livros, mas também na prática hospitalar.

Percebe-se que com a organização disciplinar do hospital, o controle se torna mais  evidente  e  possível. Aos  poucos,  o  hospital  proveniente  de  outras  épocas, anteriores ao cristianismo, e desenvolvido por iniciativa de pastores e religiosos, converteu-se em instituição social, vindo a se tornar uma obrigação do Estado que passou a fundá-los e mantê-los.

Segundo Lima Gonçalves:

O hospital não pode ser entendido desvinculado e isolado da comunidade que pretende servir, mas como parte integrante e integrada da própria dinâmica  do mundo atual, que interfere em sua própria origem, em sua política e em  sua atuação, manutenção e desenvolvimento. (LIMA GONÇALVES, 1983 apud Campos, 1995, p.21).

Em face desta afirmação, podemos verificar que o hospital vai se tornando lugar de assistência, prevenção, cura e pesquisa. Pela junção destes aspectos, o hospital deve ser considerado um lugar de formação e investigação biossocial.

Somente entre os séculos XVIII e XIX, os hospitais passaram a ser de responsabilidade do governo. O Ministério da Saúde foi criado em 1953, pelo Presidente Getúlio Vargas, com o objetivo de reunir, administrar e planejar ações de prevenção, promoção e assistência a saúde, além de propor políticas voltadas exclusivamente para a saúde de todo o país. Antes disso, porém, o atendimento médico- hospitalar era realizado pelo INANPS (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social), que tinha como finalidade gerir as aposentadorias, pensões e cuidados médicos de todos os trabalhadores formais, ou seja, empregados com carteira assinada (CONASS, 2007, p.24).

Para atingir plenamente seus objetivos e buscando a integralidade, equidade e universalidade pregadas pelo Sistema Único de Saúde, as entidades hospitalares contam com grupos da sociedade civil, que devem fiscalizar a forma como os cidadãos são recebidos e atendidos no SUS. Entre estes dispositivos podemos citar conselhos, comitês, associações de usuários, entidades representativas e ouvidorias, capazes de garantir a participação social na construção de práticas dentro do hospital, visando garantir o acesso universal e igualitário.

Os Conselhos de Saúde buscam participar da discussão das políticas de saúde tendo uma atuação independente do governo, embora façam parte de sua estrutura, e onde se manifestam os interesses dos diferentes segmentos sociais, possibilitando a negociação de propostas e o direcionamento de recursos para diferentes prioridades (CONASS, 2007, p.37).

Atualmente, o hospital é uma estrutura complexa, em contínuo movimento de inovação. Diversos tipos de exames de som, imagem e biológicos são necessários para diagnosticar doenças que acometem o corpo como um todo. Tais tecnologias incluem a aplicação de conhecimentos gerados continuamente por professores, pesquisadores e também por empresas do ramo farmacêutico ou de tecnologia.

Os hospitais deste século atendem diversas especialidades divididas entre clínicas e cirúrgicas, também realizam procedimentos complexos como transplante duplo de órgãos. Nos dias de hoje, o hospital se configura como uma estrutura  articulada e hierárquica, que visam produtividade, atendendo o maior número de  pessoas e mantendo postos de trabalho para profissionais.

Os Hospitais Universitários são campo de estudo e treinamento para estudantes das áreas da saúde, como medicina, fisioterapia, enfermagem, psicologia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, nutrição. No contexto hospitalar, esses profissionais estabelecem um contato mais próximo com outros saberes. A saúde não é competência de um único especialista, ela é uma prática interdisciplinar que integra as equipes de trabalho.

Podemos acrescentar que os hospitais abrigam importantes laboratórios de pesquisa, onde são desenvolvidos estudos científicos com o objetivo de realizar descobertas inovadoras para tratar a saúde de milhões de pessoas, mas também possuem o compromisso de garantir dignidade para os pacientes participantes.

Como exposto acima, diferentes saberes se ligam dentro do hospital, cada disciplina entra com sua prática para contribuir com o restabelecimento  da  saúde. Ainda que Freud tenha negado taxativamente, em 1926, no texto "A questão da análise leiga", a necessidade de formação em medicina para a prática da psicanálise, alguns de seus colaboradores buscaram vinculá-la à medicina como forma de infundir maior legitimidade e seriedade científica à nova técnica.

2. Considerações Sobre a História e o Percurso da Psicanálise

Iniciada por Sigmund Freud, a psicanálise é entendida como um campo de investigação da mente humana, que consiste na interpretação, por um analista, do conteúdo falado pelo paciente, através de associações livres.

A psicanálise é o nome: 1. de um procedimento para a investigação de processos mentais mais ou menos inacessíveis de outro modo; 2. de um método fundado nessa investigação para o tratamento das desordens neuróticas; 3. de uma série de concepções psicológicas adquiridas por esse meio e que se desenvolvem juntas para formar progressivamente uma nova disciplina científica. (FREUD, 1923 [1922] p. 247)

Freud, em 1918, declara: "Chamamos de psicanálise o processo pelo qual trazemos o material mental reprimido para a consciência do paciente". Conforme definição de Roudinesco (1998, p.603), a psicanálise é o nome criado por Freud, em 1896, para o método de tratamento pela fala, oriundo do recurso catártico de Breuer e fundamentando na investigação do inconsciente, com a colaboração da associação livre por parte do paciente e da interpretação por parte do analista. É também o método terapêutico fundamentado na transferência que envolve uma determinada técnica e teoria. Ainda de acordo com Roudinesco (ibidem), este termo é aplicado ao movimento psicanalítico, uma escola de pensamento que abrange todas as correntes do freudismo, além de ser uma disciplina fundada por Freud, na medida em que abrange um método terapêutico, uma organização clínica, uma teoria do pensamento e uma peculiaridade de transmissão do saber, por meio da análise pessoal, supervisão e estudo contínuo.

Sobre o início da psicanálise, Landman ressalta que:

No início havia a hipnose e a sugestão. A psicanálise adveio, enquanto técnica, da hipnose; alguns chegaram a afirmar que a hipnose continua a ser o impensado da psicanálise, lembrando assim que a relação entre psicanálise e hipnose jamais foi verdadeiramente elucidada (LANDMAN, 2007, p.79).

Ao investigar a causa das neuroses, Freud descobriu que a maioria dos pensamentos e desejos reprimidos referiam-se a conflitos de ordem sexual, localizados ainda na vida infantil. Este é um aspecto muito importante da teoria psicanalítica, já que os pacientes relatavam frequentemente sobre experiências sexuais traumáticas na infância, inclusive envolvendo membros da família.

A função sexual, conforme verifiquei, encontra-se em existência desde o próprio início da vida do indivíduo, embora no começo esteja ligada a outras funções vitais e não se torne independente delas senão depois; ela tem que passar por um longo e complicado processo de desenvolvimento antes de tornar-se aquilo com que estamos familiarizados como sendo a vida sexual normal do adulto. (FREUD, 1925, p.40)

Um dos processos imprescindíveis na criação da psicanálise é o da sexualidade infantil. Naquela época a infância era sinônimo de pureza e ingenuidade, mas Freud apontou um novo olhar para esta fase da vida. Em Três ensaios sobre a teoria da sexualidade (1905), o pai da psicanálise apresenta ao mundo uma criança dotada de um corpo erotizado, capaz de produzir satisfação.

Utilizando a amamentação do bebê como exemplo, Freud ressaltou as características da sexualidade infantil. Landman (2007, p.73) define a obra como inovadora e que "inflige uma ferida em todos os que querem, sob o efeito da amnésia, guardar a imagem da criança inocente a partir da qual fundam um ideal moral e social". A psicanálise explica que o sexual infantil era distinto da sexualidade genital, ou seja, era pré-genital, nada tinha a ver com o ato sexual, mas sim com a vinculação do prazer que a criança pode obter com seu próprio corpo.

A partir de 1896, Freud passa a empregar o método da associação livre. Ele pede que os pacientes falem livremente tudo o que lhes ocorrer à mente, sem qualquer tipo de censura, mesmo que as ideias pareçam sem sentido. No fundo, ele acreditava que as associações livres não aconteciam por acaso, ao contrário, havia um determinismo psíquico.

Com a psicanálise, Freud quebrou os tabus ligados à sexualidade e contribuiu com a emancipação das mulheres. Suas ideias eram inovadoras, contestavam crenças religiosas e propagavam certo declínio do habitual patriarcado familiar.

A psicanálise trazia ao mundo uma fascinante utopia, a novidade de uma ciência do inconsciente. Em uma palavra, Freud e seus primeiros discípulos, os famosos pioneiros da Sociedade Psicológica das Quartas-feiras, buscavam mudar o homem não por meio de uma revolução social, mas sim por um despertar da consciência: o despertar de uma consciência capaz de admitir  que sua liberdade estivesse ligada ao destino do sonho, do sexo e do desejo, ao destino de uma razão vacilante. (ROUDINESCO, 2003, p.19).

Roudinesco (2003, p.24) afirma, ainda, que a psicanálise sofreu ataques incessantes ao  longo  de  sua  constituição,  isso  por que  a  acusavam de  corromper os

costumes, produzir degradação moral e sodomia, chegaram a acusá-la também de promover a rebeldia e destruir famílias. Tudo isso por que esta técnica acolhe  os desejos, os sonhos e reconhece o papel da sexualidade desde a infância.

Segundo Landman (2007, p.11), a psicanálise é muito extensa e nunca ditas humanas; da filosofia à antropologia; da história à sociologia; da pedagogia deixou de evoluir ao longo da história. Para o autor "não existe campo das ciências à literatura, no qual seu pensamento não tenha penetrado em algum momento", através do legado de conceitos de Freud. A esse respeito vale ressaltar que as descobertas freudianas evoluíram em etapas, não só em relação ao aperfeiçoamento da técnica, mas também em função de critérios mais pessoais, ligados ao seu próprio criador.

Hoje, a psicanálise está difundida em mais de 40 países. A América do Sul  ocupa um lugar de destaque, em particular o Brasil, onde existem mais de cem instituições representando as correntes freudianas. O médico Juliano Moreira, um dos mais famosos psiquiatras brasileiros, é considerado pioneiro na divulgação  da psicanálise no Brasil.

De fato, os historiadores do movimento psicanalítico são unânimes em afirmar que Juliano Moreira, já em 1899, refere-se às ideias de Freud em sua cátedra da Faculdade de Medicina da Bahia. Outro importante marco inaugural é a comunicação feita por Moreira à Sociedade Brasileira de Neurologia sobre o método freudiano em 1914. (VILELA, 2014, p.469)

Independentemente de onde a psicanálise seja aplicada, o psicanalista precisa seguir as recomendações de Freud no que tange a formação. Entre essas recomendações existem três fundamentais: análise pessoal, conhecimentos teóricos (leituras) e supervisão.

É verdade que na psicanálise não há prática sem teoria que, por sua vez, advém da prática. Em função disso, esta teoria tem um histórico de difíceis e longas batalhas para a construção de seu espaço teórico e prático, em busca do reconhecimento e consolidação. O que realmente importa é continuar atuando com uma psicanálise estrita e não tendenciosa, independente do local em que esteja sendo aplicada.

Atualmente, percebe-se que o futuro vislumbrado por Freud já é o nosso presente, uma vez que os psicanalistas são chamados a trabalhar em diferentes campos, e a psicanálise torna-se cada vez mais objeto de trabalho de muitos pesquisadores.

3. Articulações da Psicanálise no Contexto Hospitalar

Ao longo dos séculos constatou-se que a medicina não era suficiente para responder sozinha as muitas formas de manifestação do corpo humanos. O olhar dos médicos deixava escapar algo que não se apresentava para ser curado e sim para ser acolhido. A psicanálise neste contexto oferece o que tem de mais valioso: a escuta.

Alberti (2000, p.49) invoca o pensamento lacaniano que caracterizou a psicanálise como A última flor da medicina para dizer que, em um determinado momento, a medicina observou que não podia tratar tudo. Lacan identifica a psicanálise como o lugar onde a medicina podia encontrar refúgio, já que ela teve que se deparar com o fato de que haviam sintomas que não tinham nada a ver com o corpo, mas com o fato de o sujeito ser afligido pela linguagem.

É justamente com a presença da psicanálise no hospital que se possibilita olhar o corpo doente de forma mais subjetiva, reconhecendo que o sintoma pode ser uma pista de que há algo que não consegue ser enunciado de outra forma.

Ainda nos dias de hoje a psicanálise encontra certa dificuldade de estabelecer uma elaboração teórico-prática que seja rigorosa fora do chamado setting terapêutico tradicional, constituído de sala, divãs, móveis, etc.

Nota-se que o espaço hospitalar proporciona ao analista um campo para o progresso de seus saberes. Neste campo, mais crítico pela urgência que se apresenta, sua complexidade é ainda maior em função da possibilidade de morte, dor, sofrimentos diversos, altas imprevistas, situações que requerem do psicanalista, ali atuante, inovação e adaptação que levem em conta o lugar em que estão acontecendo as intervenções. Alberti (2000) propõe um aproveitamento deste ambiente onde tratamento e pesquisa se encontram, além de um aprofundamento teórico permanente por parte do analista.

A indagação sobre o enquadramento ou local de trabalho traz consigo uma bateria de interrogações. Figueiredo (1997, p.112) recomenda que, independente do local, a fala do paciente seja mantida e valorizada, usando a escuta como o principal recurso terapêutico. Neste sentido, o setting não é tratado como um espaço real, pois é ele virtual, ele é psíquico, é uma construção para que a análise aconteça. Diante da ruptura no enquadramento, a psicanálise assume uma postura engenhosa e criativa, reconhecendo que o local de atendimento será onde o paciente estiver. Isso porque o ambiente, o horário e a duração do atendimento são ressignificados quando afetados por uma  clínica que  inclui o  inconsciente.  Preconiza-se que o  inconsciente é atemporal e

que seu funcionamento é a posteriori. Quanto a isso, Moura (2000) corrobora que a partir do momento em que o lugar do analista não é definido pelo espaço físico, mas por aquilo que é sua função, ele é autorizado a sair do enquadre tradicional. Segundo ela, a construção da função do analista depende fundamentalmente da implicação dele com a psicanálise e com seu desejo.

Outra dimensão importante no hospital refere-se ao trabalho em equipe. Tal capacidade faz parte do ofício no hospital e vai exigir do analista uma certa dose de destituição narcísica. Freud (1912, p.128) recomenda que o sentimento mais perigoso para um psicanalista é a ambição de alcançar algo que produza efeito convincente sobre outras pessoas, pois isso o coloca num estado de espírito desfavorável para o trabalho, além de torná-lo impotente contra certas resistências do paciente. Recomenda-se, também, que o analista invista em seu processo de análise pessoal, já que ele também é constantemente implicado em seu mundo psíquico.

Após dar entrada em uma instituição hospitalar, o paciente é absorvido por ela, que assume o controle por praticamente todos os aspectos de sua vida. Além da perda  de controle, os pacientes passam por um fenômeno conhecido como despersonalização, nele o sujeito se torna apenas mais um doente, perde completamente sua identidade e subjetividade. Os hospitais são preparados para receber um paciente que seja submisso às regras, mas constantemente isso não acontece, então o hospital solicita respostas, pareceres, diagnósticos e modelos de conduta. A resposta a estes chamados se torna  uma oportunidade de mostrar o que a psicanálise pode promover neste espaço, pois esta não trabalha com a noção de cura, nem tem como pretensão consolar o sujeito.

A presença da psicanálise em hospitais ainda suscita muitas questões. Simonetti (2011, p.17) propõe pensar a psicologia hospitalar a partir dos conceitos da psicanálise. Ele sugere que a psicologia hospitalar encontra suas origens na psicanálise e na psicossomática [01] : “Ao que parece, a psicologia hospitalar, que nasceu da  psicossomática e da psicanálise, vem atualmente ampliando seu campo conceitual e sua prática clínica, com isso criando uma identidade própria e diferente”.

Então, sobre a experiência do adoecer, Freud em Sobre o narcisismo: uma introdução, salienta:

É do conhecimento de todos, e eu o aceito como coisa natural, que uma pessoa atormentada por dor e mal estar orgânico deixa de se interessar pelas coisas do mundo externo, na medida em que não dizem respeito a seu sofrimento. Uma observação mais detida nos ensina que ela também retira o interesse libidinal de seus objetos amorosos: enquanto sofre, deixa de amar. (…) Devemos então dizer: o homem enfermo retira suas catexias libidinais  de volta para seu próprio ego, e as põe para fora novamente quando se recupera. (FREUD, 1914, p. 98)

Dessa forma, vamos percebendo que a função da psicanálise no hospital é recolocar a demanda de tratamento, de forma a que o sujeito possa vir a se engajar nele, fazendo assim que ocorra fala por parte do paciente e escuta por parte do analista. Outra indagação bastante frequente se refere a duração do tratamento, visto que isso é uma questão difícil de mensurar. Recorro novamente a Freud. Quando perguntado por um paciente quanto tempo duraria o tratamento, ele propôs um tratamento experimental de duas semanas, evitando fornecer uma resposta direta a esta pergunta, não por desejar abster-se, mas por reconhecer que precisa saber a amplitude do passo do caminhante antes de poder informar quanto tempo durará a viagem. Segundo Freud (1913, p.144), a pergunta relativa à duração provável de um tratamento é quase irrespondível,  isso porque o inconsciente é atemporal.

Machado e Chatelard (2013, p.139) asseguram que o trabalho do psicanalista no hospital visa sustentar um lugar para o endereçamento das questões do sujeito, sendo que o que se oferece é um lugar vazio onde pode surgir o desejo. Neste sentido entendemos que para o analista desenvolver seu trabalho no contexto hospitalar, necessariamente precisa formalizar sua prática. Indo mais além, as autoras indicam que o trabalho analítico está em ater-se as produções da fala do sujeito, pois, de acordo com Freud, a fala é imprescindível para fazer com que o paciente relance seu discurso, afinal fazer falar é uma condição da escuta e é pela escuta que a fala se constitui (ibidem).

Como vimos, no hospital o analista encontra certas variáveis que não são  comuns no consultório. Ele encara situações imprevistas, mas que ao mesmo tempo convocam seu trabalho.

Entre essas situações, podemos citar:

Por exemplo, pode acontecer de o analista estar atendendo um paciente e um médico chegar para examiná-lo. Dependendo da gravidade do caso, às vezes, é preciso que o analista interrompa o atendimento justamente num momento importante do processo analítico. Pode acontecer também que o  analista esteja atendendo um familiar no momento em que o paciente falece,  ali, na  sua frente. Ou ainda, que o psicanalista seja abordado, nas escadarias do hospital, pela equipe da enfermagem para atender um familiar que está  “aos berros” no corredor, pois o paciente acabou de sofrer uma parada cardíaca e o familiar precisou sair do quarto para que ele fosse atendido (MACHADO E CHATELARD, 2013, p.148).

Tais circunstâncias apontam os desafios do psicanalista ao lidar com as particularidades do trabalho no hospital. No entanto, basta lembrar da lição de Freud ao afirmar que a psicanálise aplicada se sustenta a partir da psicanálise pura.

A teoria psicanalítica apoia-se no inconsciente e tem a análise pessoal como condição para exercer a psicanálise. A formação do analista se baseia no tripé da análise pessoal, estudo teórico e supervisão clínica. Em A questão da análise leiga  (1926), Freud declara que enquanto vivesse tentaria impedir que a psicanálise fosse engolida pela medicina, ressaltando que não recomendava formação médica para o exercício da psicanálise. Freud defende que a atividade psicanalítica deve seguir independente da medicina por ser uma ciência autônoma que possui teoria e prática próprias.

Afinal, qual é o lugar do psicanalista no hospital? Vimos que este lugar não é alcançado apenas através de livros e estudos, apesar de serem essenciais para a construção do saber. Já vimos os riscos que um psicanalista está exposto quando se insere em um local fixado por um discurso que visa restaurar a saúde perdida. Ele pode levar a psicanálise a se diluir entre tratamentos que proponham exclusivamente a cura orgânica do paciente.

Machado (ibidem) conclui que é a partir da trajetória de analisando a analista, através de idas e vindas, que o psicanalista pode alcançar os pontos importantes do trabalho no hospital.

Machado (2011) determina que o lugar do psicanalista no hospital pode ser abordado a partir de duas dimensões que não se excluem e, ao mesmo tempo, se articulam. A dimensão clínica psicanalítica e a dimensão institucional. A primeira se refere a ética, ao discurso e as especificidades da psicanálise. A segunda dimensão diz respeito ao hospital com as variáveis institucionais, espaço físico, obstáculos, equipe e situações de urgência. Desta maneira, estamos lidando com duas dimensões que se articulam. Portanto, enfatizamos que o lugar ocupado pelo psicanalista no hospital é entre a dimensão clínica e a dimensão institucional.

Por fim, recomenda-se que não é o bastante saber de alguns conceitos da psicanálise. Esta técnica não será aprendida sem que haja dedicação, afeto e tempo, além disso, não pode ser aprendida apenas nos livros. A prática da psicanálise nunca estará sozinha, sempre estará alinhada à teoria e a análise pessoal.

3. Considerações Finais

Em vista do que foi exposto, entende-se que o analista lida com o sintoma de forma peculiar, levando em consideração que o paciente possua uma certa verdade não sabida sobre si e reconhecendo que o sintoma é uma pista que merece ser seguida. Um dos trabalhos analíticos consiste em interpretar o sintoma, tal como se interpreta outras vias do inconsciente, como sonhos, atos falhos e chistes).

Por desejar um paciente passivo, a instituição hospitalar despersonifica o sujeito de forma tão completa que ele tem suas dúvidas e questões desconsideradas pela equipe, o que o leva a um estado de ansiedade e desamparo.

Em relação a demanda, identifica-se que ela pode partir do hospital, da família ou do paciente. No entanto, deve ser acolhida e examinada, antes de ser respondida. Conclui-se que o lugar do psicanalista nos hospitais se encontra entre a dimensão clínica e a dimensão institucional. É precisamente na articulação desses dois dispositivos que o discurso da psicanálise pode entrar e favorecer o sujeito no  momento oportuno.

No contexto hospitalar encontramos vastas possibilidades para o trabalho psicanalítico, é perfeitamente viável sustentá-lo no hospital, desde que o analista elabore uma prática flexível e criativa, sem se separar da psicanálise pura e identificando que o local de atendimento é onde o paciente está.

Observa-se que o contexto hospitalar, por sua história, função e particularidades, torna-se como um excelente lugar para que a psicanálise se estabeleça, ofereça sua escuta e contribua para o fortalecimento do sujeito. Assim, apostamos que o desafio do psicanalista no contexto hospitalar é trabalhar para que haja análise apostando que ela é para todos.

Sobre o Autor:

Priscila de Jesus Viana  -  Psicóloga graduada pelas Faculdades Integradas Maria Thereza e Jornalista pelo Centro Universitário Plínio Leite.

Referências:

ALBERTI, Sônia; ELIA, Luciano. Psicanálise: a última flor da medicina - A clínica dos discursos no hospital. Clínica e pesquisa em psicanálise. p. 37-55. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos; 2000.

CAMPOS, Terezinha Calil Palis. Psicologia Hospitalar: a atuação do psicólogo em hospitais. São Paulo: E.P.U., 1995.

CONASS, Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Coleção Progrestores - Para entender     a     gestão     do     SUS.     Brasília:     2007.     Disponível   em:

<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/colec_progestores_livro1.pdf>. Acesso em: 11 out. 2015.

FIGUEIREDO, Ana Cristina. Vastas confusões e atendimentos imperfeitos: a clínica psicanalítica no ambulatório público. Rio de Janeiro: Relumé-Dumará, 1997.

FREUD, Sigmund. Relatório sobre meus estudos em Paris e Berlim (1956 [1886]). Primeiras Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. I, p. 37-52. Rio de Janeiro: IMAGO, 1969.

          . A história do movimento psicanalítico (1914 [1916]).   Primeiras Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. XIV, p. 15-50. Rio de Janeiro: IMAGO, 1969.

          .  Um  estudo  autobiográfico  (1925  [1924]).   Primeiras  Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. XX, p. 11-92. Rio de Janeiro: IMAGO,1969.

          . Psicanálise (1926 [1925]) Primeiras Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. XX, p. 257-269. Rio de Janeiro: IMAGO,1969.

          . Sobre o narcisismo: uma introdução (1914).  Primeiras   Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. XIV, p. 77-110. Rio de Janeiro: IMAGO, 1969.

          . Estudos sobre a histeria (1893-1895). Primeiras   Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v.   II,

p. 13-379. Rio de Janeiro: IMAGO, 1969.

            Recomendações  aos  médicos  que  exercem  a  psicanálise (1912). Primeiras Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. XII, p. 125-136. Rio de Janeiro: IMAGO, 1969.

          . Histeria  (1888). Primeiras Publicações  Psicanalíticas.  Edição  Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. XI, p. 77-94. Rio de Janeiro: IMAGO, 1969.

          . Linhas  de  progresso na terapia  psicanalítica (1919   [1918]).  Primeiras Publicações Psicanalíticas. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. XVII, p. 169-182. Rio de Janeiro: IMAGO, 1969.

FOUCAULT, Michel. O Nascimento do Hospital. In Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

KAUFFMAN, Paulo; HELITO, Alfredo Salim. História, cultura e práticas correntes da medicina. São Paulo: Nobel, 2006.

LANDMAN, Patrick. Freud. Coleção Figuras do Saber. Estação da Liberdade, 2007.

MACHADO, Maíla; CHATELARD, Daniela. A psicanálise no hospital: dos impasses às condições de possibilidades. Rio de Janeiro: Ágora vol. XVI, n. 1, 2013.

MACHADO, Maíla. O lugar do psicanalista nos hospitais gerais: entre os dispositivos clínicos e os dispositivos institucionais. 157f. Dissertação (Mestrado - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura. Área de Atuação: Psicologia Clínica e Cultura) - Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília,  2011.

MOURA, Marisa Decat de. (org) Psicanálise e hospital - A criança e sua dor. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

MEZAN, Renato. Freud: a trama dos conceitos. São Paulo: Perspectiva, 2011.

ROUDINESCO, Elisabeth; PLON, Michel. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

SIMONETTI, Alfredo. Manual da psicologia hospitalar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

STRAUB, Richard O. Psicologia da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2005.

VILELA-Jacó, Ana Maria; FERREIRA, Arthur Arruda Leal; PORTUGAL, Francisco Teixeira. História da psicologia: rumos e percursos. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2014.