Resumo: Na busca de saber a importância do afeto na relação entre aluno-professor, descobriu-se que a afetividade já foi bastante estudada e considerada como  um dos fatores a ser desenvolvido nessa relação, pois é através das interações sociais que se constrói a aprendizagem. O professor pode ter uma postura de facilitador, estimulando o processo de aprendizagem ou bloquear o desenvolvimento desse sujeito em construção. Os sentimentos são um dos elementos que constituem o ser humano, de forma que não podem ser negligenciados e sim desenvolvidos, pois fazem parte de suas habilidades e competências altamente valorizadas na atualidade. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) ( Brasil,  1997), consta que uma educação de qualidade deve desenvolver as capacidades interrelacionais, cognitivas, afetivas, éticas e estéticas, visando a construção do cidadão em todos os seus direitos e deveres. Verificou-se a necessidade de desenvolvimento de projetos escolares que contemple o trabalho das emoções.

Palavras-chave: afetividade, aprendizagem, autoestima, relação aluno-professor.

1. Introdução

A educação afetiva deveria ser a primeira preocupação dos educadores, porque é um elemento que condiciona o comportamento, o caráter e a atividade cognitiva da criança. E o amor não é  contrário ao conhecimento podendo tornar-se lucidez, necessidade e alegria de aprender. Quando se ama o mundo, esse amor ilumina e ajuda a revelá-lo e a descobri-lo ( SNYDERS ,1986).

Entende-se que a escola é a continuação do lar, sendo que esta não pode se limitar a fornecer somente conhecimentos conceituais, mas contribuir para o desenvolvimento da personalidade de seus alunos em sua totalidade. A maior influência no processo escolar é exercida pelo professor que precisa ter o conhecimento de como se dá o desenvolvimento emocional e comportamental da criança em todas as suas manifestações.

Para que haja um desenvolvimento harmonioso é importante satisfazer a necessidade fundamental da criança que é o amor. (...) O professor, na sua responsabilidade e no seu conhecimento da importância de sua atuação; pode produzir modificações no comportamento infantil, transformando as condições negativas através das experiências positivas que pode proporcionar. Estabelecerá, assim, de forma correta, o seu relacionamento com a criança, levando-a a vencer suas dificuldades ( SOUZA, 1970).

As diretrizes concernentes à formação dos professores (Brasil, 1999), assinalam que uma educação de "qualidade" deve desenvolver, nos aprendizes, diferentes capacidades "cognitivas, afetivas, físicas, éticas, estéticas, de inserção social e de relação interpessoal" (p.25). E ainda, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) (Brasil,1997), constituem, também, uma referência ao currículo do ensino fundamental. Esse currículo visa o desenvolvimento de capacidades "de relações  interpessoais, cognitivas, afetivas, éticas, estéticas, ... para que o aluno possa dialogar de  maneira adequada com a comunidade, aprenda a respeitar e a ser respeitado, a escutar e ser escutado, a reivindicar seus direitos  e a cumprir seus deveres" (Brasil, 1997, p.46). Sendo então que a dimensão afetiva deve estar inserida na aprendizagem escolar e nos seus relacionamentos.

Segundo Piaget (1996), nenhum conhecimento, mesmo que puramente através da percepção, não é simples cópia do real ou se encontra totalmente determinado pela mente do indivíduo. É o produto de uma interação entre o sujeito e o objeto, é a interação provocada pelas atitudes espontâneas do organismo e pelos estímulos externos. E esse conhecimento é, portanto, aprendizagem, fruto de uma relação que nunca tem um sentido só, é o resultado dessa interação. E a afetividade é a energia que move as ações humanas, sem ela não há interesse e não há motivação para a aprendizagem.

Já Maldonado (1994), nos ajuda a refletir sobre fatores que dificultam o relacionamento interpessoal, apontando que o afeto pode estar escondido sob camadas de mágoa, medo, desconfiança, tristeza, ressentimento, decepção, vergonha e raiva.  Nos adverte ainda, que as atitudes ríspidas e agressivas, muitas vezes podem expressar a necessidade de proteger-se contra o medo de ser rejeitado, sentimentos de inadequação e também contra a dor do desamor, resultando num bloqueio emocional para todos os seus relacionamentos.

Atitudes ríspidas, grosseiras e agressivas expressam, com frequência, a necessidade de formar uma carapaça protetora contra o medo de ser rejeitado, contra sentimentos de inadequação ("já que sou mesmo incompetente para tantas coisas, por aí eu me destaco") e contra a dor do desamor ("ninguém gosta de mim mesmo, quero mais é explodir o mundo"). MALDONADO, (1994, p.39).

Rodrigues (1976), diz que os motivos para o ser humano aprender qualquer coisa são profundamente interiores. Segundo ele, uma criança aprende melhor e mais depressa quando se sente amada, está segura e é tratada como um ser singular. E os motivos da criança para aprender são os mesmos que ela tem para viver, pois não se dissociam de suas características físicas, motoras, afetivas e psicológicas.

Argumentos esses que justificam o desafio desta pesquisa sobre a importância da afetividade na relação aluno-professor para a construção do ser humano, investigando o afeto e a autoestima  no processo da aprendizagem. E também, tem o objetivo de analisar o vínculo afetivo do educador enquanto facilitador para potencializar as habilidades dos seus alunos e suas contribuições positivas e negativas para o crescimento do indivíduo em sua totalidade.

2. Metodologia

A revisão bibliográfica foi realizada a partir da leitura de artigos científicos selecionados online no site "Scielo.org-Scientific Eletronic Library Online, PePSIC–Periódicos Eletrônicos em Psicologia", e em livros.

Foram encontrados 208 artigos através da palavra-chave "afetividade", e selecionados para estudo 21 artigos.

Com a palavra-chave aprendizagem foram encontrados 506, no qual foram selecionados 28.

O critério usado para selecionar os artigos a serem estudados foram os estudos relacionados basicamente com a afetividade na relação do aluno-professor e o meio como construtor do caráter do indivíduo.

Como a maioria dos artigos selecionados citaram as teorias de autores já consagrados na área da educação e psicologia, como por exemplo, Vigotsky, Piaget e Henri Wallon, foram selecionados para pesquisa alguns livros destes autores.

A pesquisa utilizou basicamente a teoria de Henri Wallon por ser considerada a que mais desenvolveu estudos na área da afetividade na aprendizagem escolar, que é foco deste estudo.

3. Discussão

Coutinho (2004), nos diz que o nascimento da criança é marcado por um estado de dependência primária, biológica e psicológica que não cessa com o simples amadurecimento biológico ao longo da infância, e que o recém-nascido depende totalmente da mãe. Tal vínculo é a garantia de sua sobrevivência, pois, para o bebê, viver é receber calor e proteção, é receber carinho;  viver é "depender de ". O desenvolvimento e o amadurecimento da personalidade implicam, entre outras coisas, passar dessa dependência inicial a um grau progressivo de independência. Ou seja, num certo nível, bastar-se a si mesmo biológica e psiquicamente, podendo ser provedor de outra pessoa em alimento, calor, proteção e carinho.

Crescer significa poder estabelecer vínculos que não sejam somente vínculos de dependência, e a passagem de um estado de dependência para o estado de independência marcará o nascimento psicológico da criança. O nascimento biológico é um evento bem delimitado, dramático e observável, já o psicológico é um processo intrapsíquico de desdobramento muito lento, constituindo-se como um processo de separação-individuação, podendo ocorrer, muitas vezes, numa idade acima da infância (COUTINHO, 2004).

É no âmbito familiar a partir dos vínculos entre as pessoas destes primeiros convívios que se inicia a relação do ensinar e o aprender. A base destas relações é vincular e afetiva, pois o bebê utiliza uma forma de comunicação emocional com um adulto para mobilizá-lo a ganhar os cuidados que necessita. Dessa forma o que sustenta a etapa inicial do processo de aprendizagem é o vínculo afetivo estabelecido entre a criança e o adulto (KLEIN 1996).

Fernandez (1991), diz que a aprendizagem é repleta de afetividade, já que ocorre a partir das interações sociais, e nos diz ainda que, aprendizagem é uma mudança comportamental resultante da experiência, é uma forma de adaptação ao meio onde esse indivíduo está inserido.

O afeto é essencial para todo o funcionamento do nosso corpo nos dando coragem, motivação, interesse, e contribuindo para nosso desenvolvimento. E é pelas sensações que o afeto nos proporciona que sabemos quando algo é verdadeiro ou não. Principalmente para a criança o afeto é importantíssimo, pois ela precisa sentir-se segura para poder desenvolver seu aprendizado, e é necessário que o professor tenha consciência de como seus atos são extremamente significativos nesse processo, porque essa relação aluno-professor é permeada de afeto, e as emoções são estruturantes da inteligência do indivíduo (WALLON, (1995).

Freire (1997), afirma a importância dos componentes afetivos na construção do conhecimento. Ele diz que devemos evitar o medo dos nossos sentimentos, de nossas emoções, de nossos desejos e o medo de que esses ponham a perder nossa cientificidade; diz ainda que, o que sabemos, sabemos com o corpo inteiro, com a mente, com os sentimentos, com a intuição e com as emoções. A afetividade constitui um fator muito importante no processo de desenvolvimento humano, e  é na relação com o outro,  por meio desse outro, que o indivíduo poderá se delimitar como pessoa e manter o processo em permanente construção.

Importantes teóricos da Psicologia e Educação, a exemplo de Vigotsky , Wallon, Piaget, entre outros, produziram conhecimentos relevantes acerca da afetividade como parte integrante na constituição do sujeito. Conforme Galvão (2004), o teórico Henri Wallon trouxe uma respeitosa contribuição não só para os estudos de aprendizagem, mas também para o entendimento da dinâmica vivencial do ser humano no processo de constituição da sua personalidade.

Wallon (1995), desenvolveu seus estudos sobre afetividade em uma teoria baseada numa perspectiva histórico-cultural, afirmando em sua teoria da Psicogênese da Pessoa Completa, que a dimensão afetiva, ao longo de todo o desenvolvimento do indivíduo, tem um papel fundamental para a construção da pessoa e do conhecimento. Foi também o primeiro teórico a abordar especificamente as emoções dentro da sala de aula, e ver os conflitos com uma visão positiva, assim como pontuar questões referentes à importância dos movimentos corporais da criança neste contexto.

Este autor  marcou a diferença entre emoção e afetividade, conceituando emoção como elemento mediador entre o orgânico e o psíquico. Desta forma compreende-se a emoção como o primeiro forte vínculo da criança com o mundo, assim como uma forma de expressão adaptativa com o seu meio. Já a afetividade corresponde a um momento mais tardio do desenvolvimento, sendo este marcado por elementos subjetivos que moldam a qualidade das relações com sujeitos e objetos. Logo, pode-se dizer que a afetividade sinaliza a entrada da criança no universo simbólico, proporcionando também a origem da atividade cognitiva. Segundo ele, afetividade refere-se à capacidade, à disposição do ser humano de ser afetado pelo mundo externo/interno por sensações ligadas a tonalidades agradáveis ou desagradáveis. Ser afetado é reagir com atividades internas/externas que a situação desperta.

E a visão dualista do homem enquanto corpo/mente, matéria/espírito, afeto/cognição, têm dificultado a compreensão das relações entre ensino e aprendizagem e da própria totalidade, sendo que se faz necessário conhecê-la melhor.

3.1 Contribuições de Henri Wallon

Para esse autor, o termo afetividade corresponde às primeiras expressões de sofrimento e de prazer que a criança experimenta, sendo essas manifestações de tonalidades afetivas ainda em estágio primitivo, de base orgânica. Ao se desenvolver, a afetividade passa a ser fortemente influenciada pela ação do meio ambiente, tanto que este autor defende uma evolução progressiva da afetividade, cujas manifestações vão se distanciando da base orgânica, e tornando-se cada vez mais relacionadas ao social (WALLON, 1941/2007).

Wallon (1995), diz ainda que a constituição biológica da criança, ao nascer, não será a única lei de seu destino, ela passará pelas transformações das circunstâncias da vida e também das suas escolhas pessoais. Ou seja, o desenvolvimento humano não depende apenas do potencial herdado geneticamente, mas o meio onde ele está inserido poderá desencadear modificações genotípicas. Ele também afirma que as emoções aparecem desde o nascimento do indivíduo, e são a exteriorização da afetividade e a expressão corporal e motora. Tem um poder plástico e contagioso e são os primeiros contatos com o mundo físico.

Esse importante teórico da área da educação propôs grandes contribuições estruturais no sistema educacional francês, apontando três momentos marcantes e sucessivos na evolução da afetividade: a emoção, os sentimentos e a paixão; os quais resultam de fatores orgânicos e sociais e correspondem a configurações diferentes. Na emoção, há o predomínio da ativação fisiológica; no sentimento, ativação representacional e na paixão a ativação do autocontrole. Emoções são sistemas de atitudes reveladas pelo tônus muscular, são altamente orgânicas, alteram a respiração e os batimentos cardíacos. A emoção dá rapidez às respostas do organismo, para fugir ou atacar quando não há tempo para pensar; ela é apta para suscitar reflexos condicionados. Ela estimula mudanças que tendem a diminuí-la ao propiciar o desenvolvimento cognitivo; e atitude é a combinação entre o nível de tensão muscular e a intenção.

O autor afirma que o estudo da criança exige o estudo do meio em que ela se desenvolve, e esse meio deverá corresponder as suas necessidades e as suas aptidões sensório-motoras e posteriormente psicomotoras.

Para ele, os sentimentos correspondem à expressão representacional da afetividade, não implicando em reações diretas e instantâneas como nas emoções; opõem-se ao arrebatamento, tendem a reprimir e impor controle para quebrar sua potência. Os sentimentos são manifestações mais evoluídas e aparecem mais tarde na criança quando se inicia as representações. Quando adultos os indivíduos tem maiores recursos de expressão porque primeiro observam, refletem antes de agir, sabem onde, como e quando se expressar (WALLON, 1941/2007).

A paixão caracteriza-se por ciúme, exigências e exclusividade, aparece com a capacidade de tornar a emoção silenciosa, ou seja, envolve o autocontrole do comportamento. Esta surge com o progresso das representações mentais e pode ser intensa e profunda na criança.  A paixão, assim como os sentimentos, só aparece mais tarde, por volta da tradicional valorização da dimensão cognitiva, em detrimento da afetiva, na trajetória do pensamento e do conhecimento humano.

O estudo do processo da aprendizagem na teoria de Wallon (1995), é dividido  em conjuntos ou domínios funcionais para explicar didaticamente o que é inseparável,  a pessoa. São divididos em etapas do desenvolvimento do psiquismo humano. Esses domínios são: os da afetividade, do ato motor, do conhecimento e da pessoa.

- O conjunto afetivo são as funções responsáveis pelas emoções, sentimentos e pela paixão. 

- O conjunto ato motor oferece a possibilidade de deslocamento do corpo no tempo e no espaço, as reações corporais que garantem o equilíbrio corporal, bem como o apoio tônico para as emoções e os sentimentos se expressarem.

- O conjunto cognitivo oferece um conjunto de funções que permite a aquisição e a manutenção do conhecimento por meio de imagens, noções, idéias e representações.

- O conjunto funcional - a pessoa- expressa a integração em todas as suas inúmeras possibilidades.

Todos os conjuntos inicialmente se revelam de uma forma nebulosa, global, difusa, sem distinção das relações que as unem, mas em cada estágio um dos conjuntos predomina, ficando mais evidenciado, embora os outros também estejam presentes numa relação complementar.

Os estágios são: impulsivo-emocional, sensório-motor e projetivo, personalismo, categorial, puberdade e adolescência. Em cada um desses estágios de desenvolvimento há uma alternância de movimentos ou direções.

Nos estágios  impulsivo-emocional (0 a 1 ano), no personalismo (3 a 6 anos), na puberdade e adolescência (11 anos em diante), a direção do movimento é para dentro, para o conhecimento de si, o predomínio é afetivo.

Nos estágios sensório-motor, e projetivo (1 a 3 anos) e no categorial (6 a 11 anos), o movimento é para fora, para o conhecimento do mundo exterior e o predomínio é do cognitivo.

Embora nessa teoria o desenvolvimento seja descrito até a adolescência, esse processo não termina nessa etapa da evolução humana, porque a constituição do “eu” é um processo que jamais acaba, perdurando por toda a vida.

Afetividade e inteligência apesar de terem funções definidas e diferentes, são inseparáveis  na evolução psíquica, e entre o aspecto cognitivo e afetivo existe oposição e complementariedade. Dependendo da atividade há a preponderância do afetivo ou do cognitivo, não se tratando de exclusão, mas de alternância.  Nas relações a todo tempo se evidenciam conflitos e oposições ou diálogos de interações. Wallon destacou o conflito eu-outro, característico da fase do personalismo (aproximadamente dos 3 aos 6 anos) e da adolescência, onde o conflito emocional estimula o desenvolvimento, pois resolvê-lo implica manter o equilíbrio entre razão  e emoção, o que levará a um maior amadurecimento tanto da afetividade quanto da inteligência.

3.2  Relação Aluno-Professor

Fernández (1991), diz que é no decorrer do desenvolvimento que os vínculos afetivos vão se ampliando na figura do professor e na importante relação de ensino e aprendizagem na época escolar. Diz também, que para haver aprendizagem é necessário que haja no mínimo dois personagens, o ensinante e o aprendente. Nessa relação é necessário confiança, pois não aprendemos de qualquer um, mas aprendemos daquele a quem outorgamos o direito de ensinar.

O papel do professor é de mediador do conhecimento. Queira ou não, ele é um modelo na sua forma de expressar valores, resolver conflitos, comunicar-se; na forma de ouvir, falar e de relacionar-se com os outros professores e com os alunos. E a forma como o professor se relaciona com o aluno se reflete nas relações do aluno com o conhecimento e na relação aluno-aluno. Nessa relação há um antagonismo entre emoção e atividade intelectual que Wallon chama de antagonismo de bloqueio, ele também diz que quando não são satisfeitas as necessidades afetivas, estas resultam em barreiras para o processo ensino-aprendizagem e, portanto, para o desenvolvimento, tanto do aluno como do professor e que esses conflitos são essenciais ao desenvolvimento da personalidade (WALLON, 1995).

Almeida (2001),  refere que essa natureza antagônica da relação aluno-professor oferece riquíssimas possibilidades de crescimento e que o conflito faz parte da natureza, da vida das espécies, porque somente ele é capaz de romper estruturas prefixadas, limites predefinidos e atingir os planos sociais, morais, intelectuais e orgânicos.

E para Mahoney (2000), um trabalho bem elaborado em tais circunstâncias auxilia o processo de constituição do sujeito, pois este, ao se colocar em confronto com o outro, aprende também a se organizar psiquicamente.

O medo, a angústia, a ansiedade e a frustração, são sentimentos que desgastam o aluno, e a serenidade e a tranquilidade dos professores auxiliam na redução, ou até eliminação, desses sentimentos desagregadores, que o autor chama de “destravamento” da atividade cognitiva (DANTAS, 1994).

Freire (2000) nos ensina que o conflito, em seu verdadeiro sentido, se refere a um processo natural e necessário a aprendizagem, que se usado de forma positiva, poderá alavancar o desenvolvimento pessoal, social e educativo. Quando falamos de conflito entendemos um processo de incompatibilidade entre pessoas, grupos ou estruturas sociais, por meio dos quais se estabelecem interesses, valores ou aspirações contrárias.

É necessário fazermos uma distinção entre conflito e violência porque, quando falamos em violência, nos vem à mente um conflito negativo, não desejado e consequentemente algo a ser evitado. Na nossa sociedade, conflito é considerado contrário ao bom funcionamento do sistema social, e, conflito e violência são entendidos como sinônimos, quando na verdade a violência é um dos meios usados muitas vezes para resolver o conflito. A violência é um meio, e o conflito é um estado.

Também é importante destacar que agressão é diferente de agressividade.  A agressão é um ato, enquanto a agressividade refere-se a uma tendência ou uma disposição que faz parte da conduta humana, não negativa em si mesma, mas necessária como força para a autoafirmação física e psíquica, especialmente configurada pelos processos culturais de socialização.

Não é possível separar a convivência do conflito, pois o conflito é natural e inevitável à existência humana, não se deve negá-lo e sim enfrentá-lo de forma positiva, pois estes podem gerar o debate com base crítica pedagógica visando a formação de valores.  Se os conflitos forem enfrentados por vias positivas, democráticas e não violentas, se revelarão estratégicos para o desenvolvimento do indivíduo em formação. Desta forma o conflito não deverá ser ignorado, nem ocultado, mas ser encarado como uma oportunidade para se ensinar valores como justiça, cooperação, solidariedade, autonomia pessoal e coletiva, respeito, e, ao mesmo tempo, questionar valores contrários, como a discriminação, a intolerância, racismo, indiferença, conformismo, a ausência de solidariedade e respeito (FREIRE, 2000).

É necessário também considerarmos que conflitos internos e pessoais muitas vezes podem ser somatizados. De acordo com a Psicologia Analítica, a doença orgânica  pode ter um significado simbólico, já que quem adoece é a alma e o corpo apenas decodifica o que acontece interiormente. Então se faz necessário que o professor também tenha esse olhar. Arcuri (2006), adverte que é importante ter cuidado, atenção, amor e afeto especial com nosso corpo, pois se não houver esse cuidado podemos transferir para o corpo as experiências dolorosas que estão afetando interiormente.

E nesse ponto é impossível não considerarmos as condições de trabalho de nossos professores em que falta qualificação, os salários são insuficientes, a deterioração em suas carreiras e a precariedade nas condições de trabalho, contribuem para o sentimento de angústia, para um baixo nível de autoestima e perda do seu amor-próprio (MADEIRA, 2000; MOROSINI, 2008).  Tudo isso contribui para perda de motivação e até mesmo para um "sofrimento psíquico" chamado de "síndrome de desistência" ou síndrome de "burnout". (VASQUEZ-MENEZES, CODO & MEDEIROS, 1999;  MELO, 1999; VASQUES-MENEZES & GAZZOTTI, 1999).

Um estudo feito por Lapo e Bueno, 2003,  entre 1990 a 1995, mostra um aumento de 300% nos pedidos de demissões por parte dos professores da rede do Estado de São Paulo, o que confirma o abandono da carreira. Diante disso, questiona-se como um sujeito angustiado e pouco valorizado poderá reconhecer o valor do outro, mostrar-se sensível a suas necessidades, empático e aberto ao diálogo.

Outra questão igualmente importante no processo de ensino-aprendizagem é nunca rotular o aluno, porque esse "rótulos" são internalizados pelo aluno o que o leva a acreditar que são verdadeiros. O professor é parte fundamental no processo de construção da autoestima e autoimagem, e rótulos só dificultarão essa construção. Aceitar as diferenças, respeitar e valorizar sem discriminação e comparações, fará com que esse aluno se aceite a si mesmo e valorize as suas habilidades e desenvolva seu potencial.

Podemos salientar no processo de aprendizagem clássica e operante, onde a aprendizagem é resultado puramente da experiência que se dá entre estímulo-resposta, que as emoções e sentimentos servem para aproximar do estímulo , se este for positivo, ou  causar repulsa, se o estímulo for negativo.  É então possível fazer os alunos associarem emoções positivas com a matéria ensinada, gerando assim motivação para que o aluno aprenda. Por outro lado, também é possível causar mal-estar entre os alunos na sala de aula que pode ser associado com a matéria, levando o aluno ao afastamento do seu estudo. Qualquer estímulo, sejam pessoas, objetos ou atividades podem ser associados com estímulos que provoquem respostas emocionais.

Esse é o ponto a ser salientado, o comportamento afetivo do professor, a maneira de organizar as aulas e os métodos e técnicas educacionais que utiliza nas aulas podem gerar emoções de bem-estar ou mal-estar nos alunos que ficarão associadas às matérias dadas e/ou ao próprio ensino em si.

Não se quer dizer com isso, que o professor seja o único responsável pelo sucesso ou insucesso do aluno, durante sua vida escolar, mas sim que o papel do professor é de vital importância, seja como pessoa ou como profissional (NÓVOA, 1991).

Conforme o conceito de Inteligência Emocional desenvolvido por Goleman (1997), aprendemos sempre melhor quando o assunto a ser estudado nos interessa e nos dá prazer.

Também pode-se agir na prevenção impedindo o desenvolver de reações emocionais negativas nas situações escolares e na correção, através do princípio da extinção, apresentando estímulos positivos perante a situação problema de forma  que esta passe a estar associada a uma sensação de bem-estar garantindo que este passe o menor tempo possível nas operações de correção, pois quanto mais se instalar um receio, mais difícil é fazê-lo desaparecer.

De aordo com Saltini

a serenidade e a paciência do educador, mesmo em situações difíceis faz parte da paz que a criança necessita. Observar a ansiedade, a perda de controle e a instabilidade de humor, vai assegurar à criança ser o continente de seus próprios conflitos e raivas, sem explodir, elaborando-os sozinha ou em conjunto com o educador. A serenidade faz parte do conjunto de sensações e percepções que garantem a elaboração de nossas raivas e conflitos. Ela conduz ao conhecimento de nós mesmos, tanto do educaor quanto da criança (SALTINI, 1997).

De acordo com Chalita (2001), a habilidade emocional é o grande pilar da educação, não sendo possível desenvolver habilidades cognitivas e sociais sem trabalhar emoção, o que exige  muita paciência, pois se trata de um processo continuado cujas mudanças não ocorrem de uma hora para outra.

4. Considerações Finais

Entende-se que o professor necessita ter habilidades e conhecimentos teóricos para perceber e intervir em situações que envolvam conflitos e crises emocionais, deve ter consciência do poder do contágio emocional entre as crianças e atuar nessas situações, promovendo intervenções que possam ser administradas de forma significativa e, possivelmente, benéfica para o grupo.

Há uma necessidade de renovação dos processos de ensino-aprendizagem que devem levar em conta a renovação também das estruturas organizacionais. Essa renovação deve ser pautada nos direitos humanos, e contemplar temas como estilo de direção, comunicação, sistema de relações, tratamento dos conflitos, avaliação institucional, normas disciplinares. É necessário construir estratégias que gere, tanto na sala de aula como na escola, um clima de segurança, confiança e respeito a individualidade de cada indivíduo que, por consequência, trará liberdade de expressão emocional, física e criativa.

Deve ser questionada a separação entre racionalidade e afetividade, e valorizado os sentimentos que estão presentes em todas as relações humanas. A razão não nega a emoção.  A educação escolar tem que estar preparada para desenvolver a construção equilibrada da personalidade como um todo.

Aprender a conviver em sociedade é um dos objetivos da educação escolar. Para isso, é necessário ensinar a conciliar a relação igualdade e diferença, paz e violência, aceitação e preconceito, sendo que esse processo exigirá dos professores uma postura democrática e não autoritária onde trabalha a criatividade e liberdade de expressão, que são contrários ao modelo atual onde é esperado o mesmo comportamento para todos, como se fosse possível colocar uniformes no interior dos alunos.  Até mesmo o modelo de avaliação da aprendizagem deve ser revisto, pois não aprendemos da mesma forma e não nos comunicamos no mesmo nível de linguagem, o que não quer dizer que não somos capazes de aprender, mas sim que todo ser humano é único.

Vygotsky e Wallon (1992), afirmam que a relação afetividade-inteligência possui um caráter social e fundamental para todo o processo de desenvolvimento do ser humano. E cabe ao educador integrar o que amamos com o que pensamos, trabalhando razão e emoção. De modo que todo indivíduo tenha condições de usar tanto a razão quanto os sentimentos, e aprenda a conhecer-se a si mesmo  e a seus semelhantes.

Cerizara (1990), diz que isso se dá pelo fato da criança não ser capaz de assumir-se como ser moral, precisando do adulto para orientá-la em busca da independência e autonomia.

Há uma necessidade de harmonia entre razão e sentimentos, porque a razão somente não é capaz de apreender de maneira globalizante os fenômenos da realidade, o que constitui-se  num desafio para os professores e os formadores (CAPRA, 1996).

E complementando, Antunes (2002), diz que o professor é o único no mundo que tem argila com a qual se moldará o amanhã, e que é necessário refletir sobre as ferramentas e crenças que balizam suas ações, verificando quais os objetivos que quer alcançar.

Educar é ensinar a olhar para fora e para dentro, superando o divórcio, típico da nossa sociedade, entre a objetividade e a subjetividade. É aprender além, é saber que é tão verdade que, a menor distância entre dois seres humanos, é o riso e a lágrima (ALENCAR, 2001).

Referências:

Elisete Avila da Silveira - Faculdade Anhanguera do Rio Grande Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Referências:

ALENCAR, Chico; GENTILI, Pablo. Educar na esperança em tempos de desencanto. Petrópolis: Vozes, 2001.

ALMEIDA, A. R. S. A emoção na sala de aula. Campinas: Papirus, 1999.

ALMEIDA, L. R. , MAHONEY, A. A. A Afetividade e a aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. São Paulo, Edições Loyola, 3ª ed. 2011.

ALVES, Patricia dos Prazeres. Autoimagem de crianças e a contribuição da arteterapia. Encontro Revista de  Psicologia. V.14, n.21, 2011.

ANDRADE, Agivanda Soares, de. A influência da afetividade na aprendizagem. Unievangélica Centro Universitário Especialização em psicopedagogia reeducativa. Brasília, 2007.

ANTUNES, C. A afetividade na escola: educando com firmeza. Londrina: Maxiprint, 2006.

__________.Alfabetização emocional. São Paulo: Terra, 1996.

___________.A construção do afeto. São Paulo: Terra, 1996.

ARCURI, Irene Gaeta (org.). Arteterapia um novo campo do conhecimento. 1 ed. São Paulo: Vetor, 2006.

__________. Arteterapia e o corpo secreto: técnicas expressivas coligadas ao trabalho corporal. 1 ed. São Paulo: Vetor, 2006.

BESSA, Valéria da Hora. Teoria da aprendizagem. Curitiba IESDE Brasil  S.A., 2006. ISBN: 857638365-9

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares/ Secretaria de Educação fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. p. 107-108.

­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­____________. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética/Secretaria da Educação fundamental. Brasília:MEC/SEF, 1997. p.25.

BRUST, Josiane Regina. A influência da afetividade no processo de aprendizagem de crianças nos anos iniciais do ensino fundamental. Centro de Educação e Artes. Londrina, 2009.

BOCK, Ana Mercês Bahia;FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lurdes Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 2008. PLT-2009

CARRARA, Kester (org.) Introdução à psicologia da educação. Seis abordagens. Ed. Avercamp.

CAPRA, F. A teia da vida: uma compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

CERIZARA, Ana Beatriz. Rousseau: a educação na infância. São Paulo: Scipione, 1990.

CHALITA, Gabriel. Educação. A solução está no afeto. 6 ed. São Paulo: Gente, 2001.

CODO, W., GAZZOTTI, A. A. Trabalho e afetividade. In W. Codo (Dir.), Educação, carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 1999.

COUTINHO, Vanessa. Arteterapia com idosos:  Ensaios e Relatos. Rio de Janeiro: Wak, 2008.

DANTAS, H. Afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon, em La Taille, Y., DANTAS, H., OLIVEIRA, M K. Piaget, Wygotsky e Wallon: teorias psicogênicas em discusão. São Paulo: Summus Editorial Ltda, 1992.

___________. Do ato motor ao ato mental: a gênese da intelegência segundo Wallon. In: LA TAILLE, Y. de: OLIVEIRA, M.K. de: DANTAS,H. Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo, 1992.

___________. Algumas contribuições da psicogenética de H Wallon para a atividade educativa. Revista de educação da A.E.C., Brasília, v. 23,nº 91, p. 45-51, abr/jun.

FERNANDÉZ, A. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FERREIRA, Aurino Lima; ACIOLY-REGNIER, Nadja Maria. Contribuições de Henri Wallon àrelação cognição e afetividade na educação. Educ. rev.,  Curitiba, n.36,2010. Disponível em  <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602010000100003&lng=en&nrm=iso>. Acessos em 15  Junho  2012.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602010000100003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação. São Paulo: UNESP, 2000.

_____________. Professora sim, tia não: Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d'agua, 1997.

GALVÃO, Izabel. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolimento infantil. Petrópolis: Vozes, 2003.

GOLEMAN, D. Inteligência Emocional. Lsboa: Temas e Debates, 1997.

KLEIN, L. R. Alfabetização: quem tem medo de ensinar. São Paulo, Cortez,1996.

MADEIRA, M. C. Representações sociais de professores sobre a própria profissão: a busca de sentidos. Anais da 23ª Reunião da ANPED. Caxambu, MG., 2000.

MALDONADO, Maria Tereza. Aprendizagem e afetividade. Revista de Educação AEC< v.23, n.91, P.37-44, 1994. NÓVOA, A. (coord.) Os professorese a sua formação. 2ª ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

MELO, M. T. L. Programas oficiais para formação dos professores de educação básica. Educação e Sociedade, 1999.

MOROSINI, M.C. O professor do ensino superior na sociedade contemporânea. IN D. Enricone. A docência na educação superior: sete olhares. (pp. 95-110). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

NÓVOA, A. (coord.) Os professorese a sua formação. 2ª ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

PAULA, Sandra e Regina de, FARIA, Moacir Alves. Afetividade Na Aprendizagem. FAC- Revista Eletrônica Saberes da Educação. Volume 1 nº1-2010 http://www.facsaoroque.br/novo/publicacoes/pdfs/sandra.pdf    

PIAGET, Jean. Biologia e conhecimento. 2ª Ed. Vozes: Petrópolis, 1996.

RIBEIRO, Marinalva Lopes. A afetividade na relação educativa. Estud. psicol. (Campinas), Set 2010, vol.27, n.3, p.403-412. ISSN 0103-166X

RIBEIRO, Marinalva Lopes. Relação afetiva impacta na aprendizagem escolar. Estud. psicol. (Campinas), Set 2010, vol.27, n.3, p.0-0. ISSN 0103-166X

RODRIGUES, Marlene. Psicologia educacional: uma crônica do desenvolvimento humano. São Paulo: Mc Graw-Hill de Brasil, 1976.

SALTINI, Cláudio J. P. Afetividade & Inteligência. Rio de Janeiro: DPA, 1997.

SANTOS, José Vicente Tavares. Violência em tempo de globalização. São Paulo, Editora Hucitec, 1999.

SOUZA, Iracy Sá de. Psicologia: a aprendizagem e seus problemas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olimpyo, 1970.

SYNDERS, Georges. A alegria na escola. São Paulo: Manole, 1998.

VALLE, Luiza Elena Leite Ribeiro do. Psicologia escolar: um duplo desafio. Psicol. cienc. prof., Mar 2003, vol.23, no.1, p.22-29. ISSN 1414-9893

VYGOTSKY, L. S. A formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

____________. O desenvolvimenro psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

____________. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

____________. Psicologia pedagógica. São Paulo: Artmed, 1999.

WALLON, H.  As origens do caráter na criança. São Paulo: Disfusão Européia do Livro, 1971.

____________. Do ato ao pensamento: ensaio de psicologia comparada. Petrópolis: Vozes, 2008.

____________. A evolução psicológica da criança. Lisboa, Edições 70, 1941-1995.

____________. Psicologia e educação da infância. Lisboa, Estampa, 1959-1975.