Resumo: Apesar da grande necessidade e vontade de dirigir, para muitas mulheres o ato desperta verdadeiro pavor. Diante disto, esta pesquisa teve por objetivo conhecer e analisar os fatores que influenciam mulheres que já obtiveram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) a apresentar medo de dirigir, mesmo quando não vivenciaram nenhuma experiência traumática no trânsito. Para tanto, realizou-se uma entrevista semiestruturada com quatro mulheres com idades entre 23 e 59 anos e que não dirigem por afirmarem sentir medo. A interpretação dos dados deu-se pela análise de conteúdo de Bardin. Os resultados apontam que o medo de dirigir parece relacionar-se com um perfil psicológico específico em que prevalecem crenças centrais de desamparo e sentimentos de incapacidade. Parecem existir significados psicossociais que perpassam o medo de dirigir, por isso a necessidade de ampliar a compreensão deste medo e seu tratamento, que na maioria das vezes encontra na Fobia Específica seu único diagnóstico.

Palavras-chave: Medo, Dirigir, Carro, Mulheres, Causas.

1. Introdução

As grandes transformações ocorridas na sociedade nas últimas décadas culminaram, entre outras mudanças, na entrada da mulher no mercado de trabalho e em uma participação mais ativa desta em praticamente todos os segmentos sociais. Neste novo contexto, a mulher muitas vezes precisa enfrentar uma dupla ou até mesmo tripla jornada de trabalho. Mas isso tudo é facilitado quando a mulher dirige e pode contar com o auxílio de um veículo na realização de suas atividades diárias. Assim, o ato de dirigir, que, conforme Corassa (2006), por muito tempo era tido como atribuição masculina, atualmente é uma demonstração concreta de uma área em que as mulheres estão ativas, seja por desejo ou mesmo necessidade.

De acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Trânsito (Abramet), dois milhões de brasileiros não dirigem por medo. Destes, 75% são mulheres. Bellina (2012) aponta que os casos mais frequentes são de mulheres com idades entre 30 e 50 anos, sendo que apenas a minoria desenvolveu o medo após um evento traumático no trânsito. Apesar do número elevado de casos, de acordo com a autora, ainda há um grande despreparo tanto dos profissionais da saúde quanto dos Centros de Formação de Condutores para lidar com os medos e ansiedades de quem se sente limitado para dirigir.

Atentando para essa situação, aborda-se aqui a construção do medo de dirigir com o intuito de compreender quais fatores influenciam mulheres que já obtiveram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) a apresentar medo de dirigir, mesmo quando não passaram por nenhuma experiência traumática no trânsito. Atualmente há pouco material publicado que aborde o tema. Assim, quem sofre desse problema tem pouca informação sobre ele e a consequente sensação de este ser um medo solitário, o que o faz sentir-se vulnerável diante de sua dificuldade. A maior divulgação do tema possibilitará que mais pessoas tenham acesso a informações que possam auxiliá-las a compreender sua situação e, assim, incitá-las a buscar ajuda. Pois, conforme Corassa (2006), quem possui tal medo ainda é muito estigmatizado por uma sociedade que ensina e cobra que todos sejam destemidos e independentes. Este artigo vem com o propósito de lançar luz sobre essa questão. Tem, ainda, a finalidade de chamar a atenção dos Centros de Formação de Condutores e demais profissionais, em especial psicólogos, para a necessidade de estudar e debater esse tema.

Desta forma, propõe-se analisar e refletir sobre as causas do medo de dirigir em mulheres, atentando para os significados que estas atribuem ao carro e ao ato de dirigir. Objetiva-se também avaliar a influência de aspectos histórico-culturais no aparecimento e manutenção do medo de dirigir, bem como identificar características psicológicas predominantes nessas mulheres. Busca-se ainda verificar se, além do medo de dirigir, as participantes apresentam outros medos, e de que forma estes repercutem na sua dificuldade atual na direção.

2. Fundamentação Teórica

2.1 Medo, Ansiedade e Fobia

O medo é uma emoção natural dos seres humanos, e caracteriza-se como uma proteção importante em várias situações da vida. Ele atua como um sinal de alerta frente às situações novas ou de perigo, sendo uma manifestação útil e necessária à sobrevivência humana, já que garante o comportamento de autopreservação (CORASSA, 2006; BELLINA 2012; PASTORE, 2010). Entretanto, em certas situações na vida dos indivíduos, o medo pode vir associado a uma forte angústia e ansiedade, manifestando-se de forma exagerada ou mal direcionada, causando prejuízos ao seu portador. Esse medo desproporcional, exagerado e com grande carga ansiogênica é o que virá a se tornar fobia (BELLINA, 2012).

As fobias fazem parte do grupo de transtornos de ansiedade e são, segundo Dalgalarrondo (2008, p.320), “medos intensos e irracionais, por situações, objetos ou animais que objetivamente não oferecem ao indivíduo perigo real e proporcional à intensidade de tal medo”. As fobias normalmente estão relacionadas a objetos, situações ou atividades que são absolutamente normais e corriqueiros para a maioria das pessoas, motivo pelo qual, muitas vezes, os fóbicos não são compreendidos pela sociedade em seu sofrimento (BELLINA, 2012; VIECILI, 2011).

Já a ansiedade pode ser compreendida como um “sentimento que acompanha uma percepção geral de perigo” (VIECILI, 201, p. 368). Além de servir de alerta em situações de ameaça externa ou interna, ela auxilia no planejamento de ações na tentativa de buscar saídas, ações de enfrentamento ou fuga do perigo. A ansiedade em níveis normais tem função adaptativa, que facilita e protege o indivíduo. No entanto, em situações de ansiedade intensa, patológica, os processos psíquicos ficam alterados e há uma percepção equivocada do real. Ocorrem confusões e distorções perceptivas que comprometem o aprendizado, a concentração e a memória, prejudicando a capacidade de associação (VIECILI, 2011).

2.2 Medo de Dirigir

A origem do medo de dirigir está nos motivos particulares de cada pessoa, e pode se manifestar em diversos níveis, de forma mais leve ou mais intensa, dependendo das influências sociais, do contexto histórico-cultural e do ambiente (CORASSA, 2006). Quando o medo de dirigir se manifesta de forma irracional e sem motivo aparente, e tem relação com uma visão distorcida do objeto, pode se caracterizar como uma fobia específica, que então é denominada Amaxofobia (DALGALARRONDO, 2008; ROQUE, 2010). Conforme Roque (2010 p.1), “a amaxofobia evidencia-se quando o trânsito passa a ser percebido como uma ameaça irracional e conduzir geram níveis de ansiedade e estresse anormais, interferindo no dia a dia”. Entretanto Barbosa, Santos e Wainer (2008, p. 143), alertam que:

O medo de dirigir é geralmente uma manifestação de aspectos ansiogênicos mais amplos [...]. Esse medo pode ser tanto uma fobia específica preenchendo os critérios do DSM- IV quanto pode ser um sintoma decorrente de outras patologias, como: Transtorno de Estresse Pós- Traumático (TEPT), Fobia Social, Transtorno do Pânico, Agorafobia e Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Desse modo, é imprescindível ter conhecimento de como esses transtornos podem se apresentar sob a queixa “medo de dirigir”.

Assim, para um diagnóstico preciso e um tratamento adequado do medo de dirigir, é importante que este não seja visto apenas como uma fobia específica, que muitas vezes ainda é a única hipótese diagnóstica lembrada, o que limita a compreensão do fenômeno e seu tratamento. É necessário que se atente também para a diversidade de psicopatologias que podem ser a base deste problema, bem como para as crenças pessoais que podem estar envolvidas (BARBOSA, SANTOS E WAINER, 2008). Observando este fato, optou-se por usar o termo “medo” no decorrer deste trabalho, já que o que se busca é ampliar a compreensão das causas do medo de dirigir, observando os diversos contextos e aspectos que podem influenciar seu surgimento e manutenção.

Conforme Barbosa, Santos e Wainer (2008, p.141), “poder dirigir um carro culturalmente representa maturidade, independência, liberdade”. Assim, há uma cobrança da sociedade contemporânea quanto ao ato de dirigir, que se torna item quase que obrigatório para todos aqueles que desejam entrar para o mundo moderno e adulto. Dirigir um carro, para a maioria das pessoas, pode ser algo natural e corriqueiro, porém para outros é fonte de grande sofrimento e traz prejuízos psíquicos e sociais (BARBOSA, SANTOS e WAINER, 2008). Por ser uma atividade comum à maioria, quem tem medo e não dirige sente-se desqualificado, problemático e excluído. Há um sentimento de vergonha diante de uma sociedade que tende a ver aquele que não dirige como fraco ou incompetente. Muitos, por não compreenderem o desconforto e o sofrimento de quem vive tal situação, consideram o comportamento de medo de dirigir como “frescura” ou acomodação, sem compreenderem que o que acontece é uma verdadeira paralisia diante do carro (PASTORE, 2010; BELLINA,2012).

Quando o medo de dirigir surge após algum evento traumático no trânsito, diz-se que o indivíduo sofre do Transtorno de Estresse Pós-Traumático, e seu medo estará diretamente relacionado com tudo o que lembra ter vivido durante o episódio do acidente. Normalmente, neste caso, a pessoa tem medo não só de dirigir, mas também de ser carona ou mesmo andar de ônibus (BELLINA, 2012). Tratar essas pessoas costuma ser mais rápido e simples do que tratar aquelas cujo medo se origina de algo mais subjetivo, de difícil percepção e descrição (BARBOSA, SANTOS E WAINER, 2008).

2.2.1 Mulheres com medo de dirigir: contexto histórico – cultural

A construção histórico-cultural da diferença de gêneros e dos papéis sociais de homens e mulheres ainda repercute na sociedade atual, trazendo prejuízos para muitas mulheres em diversas áreas de sua vida. Conforme Corassa (2006, p. 89), as mulheres que atualmente tem idades entre 40 e 50 anos pertencem a uma geração que já se distingue muito em relação à geração de suas mães. “Elas cresceram, na maioria dos casos, vendo as mães submissas, ocultar suas preferências, gostos e opiniões. Era o homem, o chefe da casa, que mandava”. E o papel de cada um, homens e mulheres, era bem definido: enquanto o homem era o provedor do lar e detinha o poder sobre os negócios e o comando da família, à mulher cabia o cuidado dos filhos e o serviço doméstico, atividades essas consideradas de menos valia (CORASSA, 2006). Ainda conforme Corassa (2006, p. 39), “para a mulher que tem mais de trinta anos, os modelos de pessoas que dirigiam, na sua infância, eram figuras masculinas, representando, na maioria das vezes, certo poder atrelado ao carro”. Ao se perceber o carro como um símbolo de poder e status social, ele passa a ter significados psicossociais que podem despertar as mais diversas reações na personalidade de quem o conduz (SANTOS, 2008, P. 82).

Por muito tempo a mulher vem recebendo culturalmente a informação de que é o sexo frágil, dependente e por isso mesmo encantadora e desejada pelos homens, que são “fortes” e protetores. Dessa forma a mulher associa “ideias de fragilidade, dependência e romance em oposição às ideias de força, independência e solidão”. E parece assim entender que, para continuar sedutora, seu lado forte não pode aparecer. Assim, justamente pela internalização dos modelos de sua infância, a mulher inconscientemente estabelece que se for forte e independente conseguirá dirigir, mas poderá perder o romance (CORASSA, 2006, p. 32).

Outro aspecto que pode culturalmente explicar o fato de muito mais mulheres que homens desenvolverem o medo de dirigir relaciona-se aos aprendizados da infância, com padrões de educação diferenciados para os gêneros e que reforçam os papéis estereotipados de homens e mulheres na sociedade.  O menino desde cedo brinca com carrinhos e entende o ato de dirigir como algo natural. Enquanto isso, à menina é ensinado que deve cuidar das bonecas e que carrinhos são brinquedos de meninos. Quando adulta, a menina estende esses aprendizados equivocados e a falta de familiaridade com os carrinhos, ao ato de dirigir. Soma-se a esse preconceito historicamente elaborado a educação repressora dirigida a essas mulheres no início de sua vida. Assim, ela leva as figuras rígidas da infância para sua realidade no trânsito, e então passa a se preocupar com a avaliação do outro sobre si, que pode ali representar o olhar autoritário do pai, do irmão ou do tio (CORASSA, 2006).

2.2.2 Outras motivações

Algumas causas do medo de dirigir podem ser apontadas, mas existem muitas outras e a singularidade de cada um é que dará as características a esse medo, pois tantas quanto são as pessoas são também as motivações para o medo ao volante. Pastore (2010) assinala que o papel de passageiro pode ser cômodo para algumas pessoas, visto que o fato de dependerem de alguém que dirige para elas pode traduzir-se em certo conforto. Desta forma, os outros fazem as coisas por elas sem que precisem assumir qualquer responsabilidade pelo que acontece. Responsabilizar-se significaria abrir-se a mudanças e à certa desorganização em sua vida segura e estável.  Entretanto, de acordo com a autora, ao mesmo tempo em que essas mulheres sentem medo e tendem a evitar a direção, há também uma grande vontade e mesmo necessidade de dirigir, o que poderá originar um conflito entre o desejo e o medo. Tal conflito pode ser responsável pelas diversas tentativas e desistências que frustram cada vez mais a mulher e reforçam seu pensamento equivocado de que não é capaz de dirigir.

Corassa (2006, p.91) aponta que “é comum encontrar mulheres bem sucedidas profissionalmente, mas que se flagram com bloqueios, como se fosse demais tudo o que conseguiram”. Para a autora, essa pode ser uma forma de proteção que ocorre diante da possibilidade de prazer e realização que o ato de dirigir lhe proporcionaria. Conforme Pastore (2010), se no passado a mulher era submissa e não podia ter prazer por que ele gerava culpa, em sua vida atual o prazer pode ser ameaçador à medida que vai rompendo com esse modelo mental antigo e conhecido. Por isso, de acordo com Santos (2008), em muitos casos de mulheres que não dirigem, um importante primeiro passo é auxiliá-las a acreditarem profundamente que tem o direito de dirigir, de serem independentes e de se beneficiarem com os privilégios associados ao automóvel. Há inicialmente a necessidade de mudar a forma como elas se percebem no mundo.

Todavia, ainda conforme Corassa (2006) há outros motivos para o medo de dirigir que são bem mais voltados ao lado prático da direção, como por exemplo: o medo do carro apagar numa rua movimentada, de não conseguir arrancar numa subida, o medo de trocar de faixa, ou a própria dificuldade de manobrar ou estacionar, entre outros mais. Por que então, algumas pessoas encarram todas essas situações de forma natural e tranquila enquanto para outras, quaisquer aspectos relacionados ao carro e ao trânsito pode gerar grande ansiedade.

2.2.3 Características psicológicas

Segundo Corassa (2006), na avaliação e tratamento de pessoas com medo de dirigir é possível observar algumas características psicológicas que se sobressaem e se repetem entre esses indivíduos. Conforme a autora,

Trata-se de pessoas extremamente responsáveis, que dão conta dos compromissos assumidos. São confiáveis, organizadas, detalhistas, sensíveis e inteligentes [...]. Não gostam de críticas, porém. A crítica alheia pode magoá-las e irritá-las. Também não admitem errar.  Por isso evitam fazer determinadas coisas. Entre errar e fazer, mesmo que seja um erro natural, evitam fazer (CORASSA, 2006, p. 33).

Normalmente são pessoas com grande necessidade da aceitação do outro e com um alto grau de exigência consigo mesmas. Por terem sido muito cobradas no passado, por pais, pela escola ou em outras situações de vida, tendem a ter um senso de responsabilidade muito desenvolvido. Sentem necessidade de fazer tudo de forma planejada e gradativa, e precisam ter garantias de que tudo vai dar certo, mesmo antes de fazer alguma coisa. Acreditam que precisam estar sempre no controle da situação, portanto tudo precisa ser bastante planejado, calculado e meticuloso, cada detalhe é elaborado em nível de pensamento e dessa forma criam-se obstáculos que na prática não seriam tão grandes como se apresentam no imaginário. No que se refere ao trânsito, pessoas com essas características de personalidade tenderão a, desde o início, querer dirigir com perfeição, mesmo não estando familiarizados com o veículo como os motoristas mais experientes (CORASSA, 2006). Seu grande temor é a avaliação alheia, que em seu ponto de vista será sempre negativa, já que colocam a si mesmos um referencial de certo e bom humanamente impossível de atingir. Assim, toda vez que esse padrão não é atingido, tenderão a um esforço ainda maior, e toda a vez se frustrarão, o que levará a construção de uma autoimagem negativa (BELLINA, 2012).

O medo do perfeccionista ao dirigir também se estende a avaliação dos outros, já que lhe é insuportável a ideia de ser visto como incapaz. Todo motorista está exposto à avaliação crítica do outro no trânsito, já que este é um ambiente social onde as pessoas interagem constantemente, e onde terá que tomar certas atitudes e decisões que serão vistas por outros (CORASSA, 2006). Entretanto, essa exposição, ao despertar na pessoa medos relacionados a ser observada e criticada, gera uma ansiedade tão grande que pode fazer o indivíduo perder as condições necessárias para um bom desempenho ao volante. Por isso é importante, no tratamento do medo de dirigir, se considerar também o lado prático, pois só quando o indivíduo tiver confiança em sua habilidade na direção é que terá segurança emocional suficiente para os desafios que terá que enfrentar (BELLINA, 2012).

3. Método

 Esta pesquisa utilizou-se do método qualitativo embasado na técnica de estudo de campo. Marconi e Lakatos (2010, p.169) assinalam que o estudo de campo “consiste na observação de fatos e fenômenos tal como ocorrem espontaneamente, na coleta de dados a eles referentes e no registro de variáveis que se presumem relevantes, para analisá-los”. Utiliza-se das técnicas de observação e interrogação em contato direto com os participantes, o que costuma trazer resultados mais fidedignos à pesquisa (GIL, 2010).

Participaram desse estudo quatro mulheres com idades entre 23 e 59 anos, que já possuem carteira nacional de habilitação, mas que não dirigem por afirmarem sentir medo, mesmo sem terem vivenciado nenhum evento traumático no trânsito. Atentou-se ainda para que não tivessem nenhum familiar ou conhecido próximo que tenha passado por tal experiência. As participantes foram escolhidas por conveniência e, a fim de garantir seu anonimato, serão apresentadas sob os seguintes pseudônimos: Mariana, Luíza, Isabel e Valquíria.

 Para a coleta dos dados, usou-se de entrevista com roteiro semiestruturado que foi gravada em áudio com o consentimento das participantes e mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, sendo posteriormente transcritas na íntegra. As informações obtidas foram mantidas em sigilo conforme as orientações do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC.

Para a apreciação dos dados o método utilizado foi a Análise de Conteúdo de Bardin caracterizada como,

Um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, através de procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores (quantitativos ou não) que permitam inferir conhecimentos relativos às condições de produção/recepção (variáveis inferidas) dessas mensagens (BARDIN 2000, p. 48).

4. Apresentação e Discussão dos Resultados

Este estudo buscou ampliar a compreensão do medo de dirigir nos casos em que este não se origina do Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT). E as participantes podem ser assim apresentadas: Luíza é casada, tem 23 anos de idade, possui formação superior completa e tem carteira de habilitação há quatro anos. Neste período, apesar de algumas poucas tentativas de dirigir, nunca dirigiu efetivamente, pois sempre sentiu muito medo e ansiedade.  Valquíria tem 54 anos, é casada, estudou até a sétima série do ensino fundamental. Possui carteira de habilitação há 17 anos. Inicialmente fez algumas tentativas de dirigir, mas sem o apoio do marido, logo desistiu. Afirma que nunca renovou a CNH.  Mariana tem 55 anos de idade, é aposentada e possui formação superior completa. Tem CNH há 13 anos e a renova sempre que esta perde sua validade, porém nunca dirigiu. Isabel tem 59 anos de idade, formação superior completa e possui carteira de motorista há 25 anos, e a renova sempre.  Quando obteve a carteira, Isabel chegou a dirigir durante algum tempo, mas depois que casou e os filhos vieram deixou o volante de lado. Atualmente diz que não está dirigindo pois sente-se muito insegura para isso.

Da análise das entrevistas emergiram quatro categorias assim apresentadas: da insegurança ao medo; o carro e seus significados; acomodação; a influência da questão de gênero. A discussão dos resultados terá como principal alicerce o modelo cognitivo desenvolvido por Aaron Beck.

4.1 Da Insegurança ao Medo

Ao descreverem suas principais características, as participantes citam: “Sou bastante medrosa, isso eu sempre fui. Uma insegurança né, tenho bastante insegurança” (Mariana); “Insegura, eu sou muito insegura em outras coisas também [...] (Luíza); Um pouco insegura, indecisa, complexo de inferioridade também” (Isabel); “Quando eu não tô preparada pra alguma coisa, daí sim, daí eu fico muito insegura, daí  fica muito mais difícil (suspiro), daí não dá”, (Isabel). A insegurança aparece como denominador comum nos relatos e parece repercutir no medo que essas mulheres sentem de dirigir: “É insegurança mesmo. E daí assim, quanto menos a gente dirige menos vontade a gente tem, por que tem mais medo, a insegurança aumenta” (Isabel).

Corassa (2006) afirma que as pessoas inseguras têm dificuldade de confiar na sua capacidade de executar as tarefas com sucesso. É justamente essa descrença em seu potencial que as faz, mesmo antes de tentarem qualquer coisa, buscar garantias que aquilo que vão realizar vai dar certo. A ansiedade surge quando não conseguem encontrar essa garantia e a situação então passa a ser interpretada como de ameaça psicológica, já que expõe sua incapacidade frente a uma situação, nesse caso, dirigir um veículo. Conforme a autora, Corassa (2006), a pessoa, ao sentir-se inferior, subestima suas próprias habilidades e tende a sentir-se pequena demais para mudar a situação que lhe incomoda. Isso, levado ao ato de dirigir, significa dizer que pode sentir-se incapaz de sair dessa situação, mesmo que esse pensamento não corresponda à realidade. Mas o que origina a insegurança dessas mulheres?

 Diferentes linhas de estudo da psicologia procuram compreender este e outros sentimentos, dentre elas a Terapia Cognitiva criada por Aaron Beck. Segundo essa teoria, ainda no início da infância, as pessoas desenvolvem crenças sobre si mesmas, sobre as outras pessoas e sobre o mundo. Essas crenças, resultado das primeiras experiências de vida, de traumas, de aprendizagens distorcidas etc., vão se fortalecendo com as vivências diárias e se tornam entendimentos “tão fundamentais e profundos que as pessoas frequentemente não os articulam sequer para si mesmas”. Contudo, elas estabelecem-se para a pessoa como se fossem verdades absolutas e passam a reger a maneira como ela se porta no mundo, por isso são também denominadas crenças centrais (BECK, 1995, p. 30).

 Segundo a autora, Beck (1995), existem as crenças centrais de não ser querido, que englobam ideias de falta de amor, e as crenças centrais de desamparo, onde se sobressaem ideias de inadequação, incapacidade, fracasso, inferioridade, entre outras. As participantes, como poder-se-á observar no decorrer da discussão, por diversas influências de sua vida desenvolveram a concepção de ser inferior aos demais e menos capazes de executar determinadas tarefas. No caso específico dessas mulheres, como consequência de suas crenças centrais disfuncionais, elas apresentam dificuldades e mesmo grande sofrimento ao tentarem manusear um veículo, justamente por acreditarem profundamente que não são capazes para tanto.

Não menos importantes e ainda ligadas às crenças centrais, porém menos rígidas, estão as crenças subjacentes ou intermediárias, caracterizadas pelas atitudes, regras e suposições que a pessoa desenvolve para lidar com as crenças centrais (BECK, 1995). Mariana afirma: “[...] eu queria ver tudo certinho, tudo no seu lugar. Tinha que ser tudo corretinho, e não era só aqui, era no trabalho, com os filhos, né, era tudo”. A mesma lógica de pensamento é compartilhada por Valquíria: “Tudo o que tem que ser, tem que ser certo [...], sempre eu fico tentando até que dá certo [...]. Aquilo que a gente faz, faz certo”. É possível pensar que, por acreditarem-se menos capazes que as outras pessoas, Valquíria e Mariana se cobram muito, supondo erroneamente que só com excessivo esforço conseguirão fazer as coisas tão bem quanto as outras pessoas. Criam então para si regras rígidas, “Aquilo que a gente faz, faz certo” (Valquíria), que parecem influenciar muito a forma como se comportam diante das diversas situações do seu dia-a-dia, inclusive no ato de dirigir.  As palavras de Luíza traduzem bem essa auto cobrança: “Eu fico neurótica assim [...], se eu fiz algo errado lá (no trabalho), daí meu Deus, eu fico... eu chego em casa, eu choro, eu brigo com todo mundo, por que se eu fiz errado, daí eu vou lá no outro dia, daí eu tenho que tentar consertar, mas não dá, por que já foi”. Parece haver nos relatos, além de uma cobrança excessiva, uma busca constante por fazer tudo sempre com muita perfeição, o que, transportado ao ato de dirigir, pode ser muito difícil de atingir quando se está iniciando na direção de um veículo.

O perfeccionismo normalmente é tido como uma qualidade positiva, e o perfeccionista como uma pessoa admirável, que sempre busca dar o máximo de si em tudo o que faz. Poucas vezes se pensa no perfeccionismo como algo problemático ou mesmo patológico. Porém, a cobrança por fazer sempre o melhor, da melhor forma e com o melhor resultado possível, pode se tornar tão intensa que, mais do que benefícios, pode gerar grande dificuldade na relação do perfeccionista com o mundo. Como buscam sempre o máximo e imediatamente, processos lentos e gradativos, que incluem tentativas e erros, como o caso de aprender a conduzir um veículo, podem ser verdadeiramente tortuosos. Pessoas com esse perfil costumam ter um temor exagerado de cometer erros, mesmo aqueles considerados comuns, como é o caso de apagar o carro, ou errar a marcha, quando se está aprendendo (BELLINA, 2012).

Luíza descreve como se sente depois de uma tentativa de dirigir: “[...] eu chego em casa branca, por que eu,  eu tremo demais assim... ai como eu fico nervosa! Minha perna treme, eu não consigo segura o pé na embreagem[...], dá dor de barriga e tudo mais (risos). Eu fico em pânico!”. A Terapia Cognitiva preconiza que qualquer resposta emocional e mesmo física são secundárias ao pensamento, ou seja, ainda que a emoção seja a primeira a ser identificada, anteriormente existiu um pensamento. O conteúdo desse pensamento está vinculado às crenças subjacentes e é consequência das crenças centrais. Portanto, quando a pessoa tem uma crença central desadaptativa, que é ativada principalmente num momento de aflição, o conteúdo do pensamento que se segue também tende a ser disfuncional (BECK, 1995).

Esse fato fica perceptível na fala de Luíza: “[...] Penso que eu não vou conseguir engatar a primeira pra sair, que eu vou com o carro pra traz, que vou bater, (suspiro) assim”. A participante como já visto, tem uma crença central disfuncional de incapacidade, que aqui se reflete no pensamento automático de “eu não vou conseguir dirigir”. Beck (1995) pontua que os pensamentos automáticos antecedem a emoção e o comportamento e se caracterizam por serem pensamentos avaliativos rápidos e não decorrentes de raciocínio. Por isso a pessoa tende a estar mais ciente da emoção que se segue ao fato que do pensamento que originou essa emoção. O pensamento e a emoção que se seguem são apenas reflexos de uma situação angustiante mais profunda, o que, mais uma vez, denota a importância de tratar não só medo e o comportamento de não dirigir, mas as crenças que originam essa situação.

4.2 O Carro e Seus Significados

Um ponto importante a ser considerado quando se quer entender e/ou tratar o medo de dirigir é a percepção que a pessoa tem do carro. Não é o carro-objeto que precisa ser levado em conta nessa situação, mas sim a atribuição de significado que se dá a esse objeto. O que ele representa para a pessoa que o vê? Para Luíza, é muito mais que um carro. Segundo ela, “é mais como domar um leão [...] sabe, amansar, essa coisa de amansar.” Já para Mariana, representa “Uma arma, que se tu não sabe manusear ela, pode dar uma tragédia. Vejo assim, uma arma pra mim”. Percebe-se nos relatos acima que ambas tem a percepção do carro como algo muito perigoso e ameaçador, seja na atribuição do carro como um animal feroz ou como uma armaque pode causar tragédias. Tais percepções é que vão determinar como elas se comportam e que reação emocional terão frente ao volante. Por não se conhecer mais a fundo a história de vida das participantes, fica limitada a compreensão de como se deu essa associação. Entretanto, entendendo que as participantes estabelecem essa relação, amplia-se o entendimento do seu medo.

Poder-se-ia supor que, quando Mariana pensa em dirigir, está na verdade imaginando-se a manusear uma arma, ou ao menos um objeto muito perigoso que pode a colocar em perigo assim como a outros.  Levando essa situação para o trânsito, é possível pensar que não só o carro de Mariana representa uma arma para ela, mas se essa concepção for generalizada, então também os demais veículos podem parecer perigosos e suscetíveis a causar tragédias.

A visão do carro como algo perigoso também é trazida por Isabel: “Ah, é uma coisa indispensável pro homem, ele é útil, embora, tem coisas que também... traz desgraça pro ser humano. Falou em carro, tu logo lembra velocidade, acidentes e tudo”. Essa concepção é reforçada pelas diversas reportagens de acidentes e pelo número elevado de mortes no trânsito noticiadas todos os dias nos meios de comunicação. Pessoas como Isabel e Mariana, por sentirem medo, tendem, mais que as outras, a selecionar informações que confirmem suas concepções. Desta forma, quando ouvem diversas notícias, focam mais sua atenção naquelas em que se relatam acidentes ou mortes no trânsito, o que interpretam como a confirmação do seu pensamento (BELLINA, 2012).  

Contudo, associações como as de Luíza, Mariana e Isabel, mesmo sendo reais e importantes para elas, não parecem muito comuns. Pessoas que não sentem medo de dirigir poderiam ver o carro apenas como uma máquina que elas têm à sua disposição para facilitar as atividades do dia-a-dia, um objeto que lhes possibilita a locomoção e traz maior independência. Porém, quando se olha a frase de Isabel sob a ótica da Terapia Cognitiva, algumas coisas podem ser entendidas: “Falou em carro, tu logo lembra velocidade, acidentes e tudo.” Esta frase mostra o pensamento automático da participante (carro = acidente). Assim, quando esse pensamento se apresenta, reforça ainda mais o comportamento de não dirigir, já que remonta a aspectos negativos relacionados ao carro. Não dirigir pode ser entendido como a reação da participante a esse pensamento, mas que estaria então associada a algo mais profundo em Isabel, que seria sua crença central de incapacidade.

Em vários momentos pode-se ver que Isabel tem pensamentos e sentimentos negativos em relação a si mesma e aos outros: “Só pelo fato de ser tímida, daí tu se sente meio diminuída, [...], complexo de inferioridade também.” ; “Daí eu penso assim, por que eu sou tão medrosa, por que eu sou tão boba [...]. Aí me sinto incomodada, inferiorizada, com isso.”  Percebe-se que Isabel tem sua autoestima abalada e uma crença central desadaptativa, pela qual acredita não estar à altura dos outros, entende-se como inadequada ou mais vulnerável que as outras pessoas. Assim, pode-se constatar que o medo da participante é um medo enraizado dentro dela e que não se relaciona diretamente ao carro, mas à sua compreensão de si mesma, que erroneamente é a de que é medrosa e inferior aos demais, portanto incapaz de dirigir adequadamente.

Quando se pensa no medo de Mariana e Isabel de uma forma bem prática, é fácil compreender por que chegaram a tirar a carteira de habilitação, mas depois não dirigiram mais. Como elas mesmas afirmam: “[...] tinha os filhos pequenos, então tu tinha que ir no mercado todos queriam ir junto, né, então eu via essa necessidade de dirigir” (Mariana); “Tirei a carteira mais por necessidade mesmo. Por que eu precisava, pro trabalho” (Isabel). As autoescolas tradicionais focam na parte técnica de dirigir, ou seja, ensinam a manusear o automóvel, as leis de trânsito e como se portar na direção, entretanto não estão aptas a lidar com a subjetividade do ser humano que está ao volante. Essa é uma especialidade que cabe aos psicólogos, e por isso destaca-se a importância da presença desses profissionais nas escolas de formação de condutores. É importante ver a pessoa de forma integral, pois, como cita Beck (1995), o comportamento aparece como consequência de pensamentos e crenças anteriores. Assim, faz-se necessário trabalhar comportamentos e técnicas, mas também atentar às limitações desse indivíduo e sua construção simbólica do carro. Mesmo que a pessoa consiga passar pelo teste de volante, se suas crenças e concepções disfuncionais não forem corrigidas, a tendência é de que não dirija, ainda que esteja tecnicamente apta a isso.

4.3 Acomodação e Dificuldade de Responsabilizar-Se

De forma unânime, as participantes relataram sentir-se incomodadas com sua atual situação e demonstraram interesse em superar o medo e voltar a dirigir. “Eu sinto falta, às vezes quando eu vou sair, que eu dependo de alguém me levar, eu dependo de carona, ou eu perco muito tempo indo a pé, essas coisas que me fazem falta [...]” (Isabel);  “Tenho vontade, eu vejo que eu preciso, então, vamos ver se eu vou superar isso, né” (Mariana). Entretanto, ao mesmo tempo em que elas não gostam de sua posição e demonstram vontade de voltar a dirigir, percebe-se certo conforto na situação. Sempre tem quem as leva. “Meus filhos me levam sempre. Cada um tem seu carro, né, então nunca alguém diz não” (Mariana); “Sempre o marido me leva onde eu quero [...]. E um pouco, eu confesso, por acomodação mesmo, sempre tem quem me leva” (Isabel). Observa-se que o fato de sempre ter alguém que as leve parece reforçar ainda mais o comportamento de não dirigir. Skinner, quando formula a teoria do condicionamento operante, reflete sobre isso.

Segundo essa teoria, qualquer comportamento pode ser fortalecido ou enfraquecido pelos eventos que seguem a resposta (FADIMAN e FRAGER, 2002). No caso dessas mulheres, o comportamento de não dirigir é reforçado positivamente pelo marido ou pelos filhos que as levam, sem que elas fiquem prejudicadas pelo fato de não dirigirem, o que faz com que o comportamento de evitação do volante seja mantido.

Em contrapartida, Mariana relata que a morte recente do marido fez aumentar sua necessidade de dirigir e atualmente ela planeja voltar à autoescola. “E agora vejo que a necessidade tá maior por que eu fiquei sozinha [...], também não posso tirar a privacidade dos filhos pra me levar por tudo, então, eu vou tentar”. Quando, pela morte do marido, lhe foi retirado o reforçador do comportamento de não dirigir, Mariana viu sua necessidade aumentar, e com ela veio a decisão de fazer aulas de direção e tornar-se efetivamente motorista, mesmo já tendo carteira de habilitação há mais de treze anos.

Pastore (2010) aponta a necessidade como uma forte aliada no processo de dirigir, já que ela move para a ação, sem oferecer muitas opções.  Segundo ela, quando a necessidade está em primeiro lugar o desafio terá que ser enfrentado, e é neste momento que a mulher pode se descobrir mais forte, mais confiante e se auto-afirmar como alguém independente e cheia de potenciais.

O fato de precisarem sempre que alguém as leve para os lugares significa também que não precisam chegar nesses locais sozinhas. O que vem ao encontro das características psicológicas apontadas pelas entrevistadas, como insegurança e complexo de inferioridade. “[...] tímida, daí tu sempre se sente meio diminuída [...], daí tu já é mais reservada, daí tu já fica mais alerta né”; “Indecisa, insegura. Ansiosa, muito ansiosa, daí disso aí que gera insegurança” (Isabel). Quando a pessoa sente-se insegura e/ou inferior, a presença de alguém ao seu lado aumenta a sensação de segurança e a faz sentir-se mais forte e menos vulnerável ao meio (BELLINA, 2012).

 É como se houvesse, no fato de não dirigir, implícito uma espécie de benefício secundário. O fato dela não dirigir faz com que tenha sempre alguém ao seu lado propiciando segurança, “‘ah, deixa então, se tem medo não vai’. Daí ele me levava” (Isabel). Entretanto, a partir do momento que for capaz de dirigir, ela terá que se expor e enfrentar sozinha as situações do dia-a-dia, o que pode parecer assustador para pessoas com o perfil psicológico de Isabel.

As participantes, embora sejam mulheres maduras e bem sucedidas profissionalmente, manifestaram ser dependentes de outra pessoa, inclusive no que diz respeito a lidarem com o próprio medo. Anseiam que alguém do seu círculo de convivência ou que um profissional psicoterapeuta lhes dê um incentivo ou as liberte do medo: “[...] foi um motivo de não fazer (dirigir), por que eu sempre esperava, assim, alguém me incentivar, pra tudo. [...], que alguém desse um empurrão pra mim, me motivasse um pouco mais” (Mariana); “Então às vezes eu penso que eu deveria de passar por uma psicóloga pra ver se ela não... né, não clareia isso pra mim” (Luíza). A insegurança das participantes parece aqui repercutir na dificuldade de tomar uma decisão por conta própria e voltar a dirigir, talvez por que isso significaria se expor e possivelmente receber críticas, que então teriam que assumir, sem poder dividir o peso da “culpa” com outro. Demonstram precisar que alguém constantemente lhes confirme sua capacidade, já que elas próprias parecem não acreditar em seu potencial: “Eu não consigo me libertar disso [...] deveria ter alguém que me tira isso” (Luíza).

Pessoas com esse perfil possivelmente sempre estiveram numa posição de dependência em relação a algo ou alguém e desenvolveram crenças centrais errôneas de incapacidade. Isso as leva a comportamentos de dependência que atualmente regem seu modo de ser e que no ato de dirigir manifestam-se de forma mais objetiva. Beck (1995) lembra que as crenças centrais negativas podem estar “esquecidas” a maior parte do tempo, e a pessoa que as carrega pode mesmo chegar a acreditar que tem potencialidades e que consegue realizar determinadas ações. Entretanto, em momentos de aflição psicológica, que aqui refere-se ao momento de dirigir, a crença central negativa volta a tona. Conforme a autora, por serem ideias centrais supergeneralizadas e absolutistas, a pessoa tende sempre a processar informações que a apoiem, mas geralmente não é capaz de perceber que distorce informações que são contrárias à sua crença central. Como tendem a ignorar ou desconsiderar todos os seus progressos, poder-se-ia supor que se, ou quando, essas mulheres voltarem a dirigir tenderão a atribuir os resultados de sua conquista ao marido, à psicóloga ou mesmo à sorte, justamente pela falta de confiança no seu próprio potencial para superar limitações.

4.4 A Influência da Questão de Gênero

A relação entre o medo de dirigir e aspectos histórico-culturais de sua formação não foi diretamente estabelecida pelas entrevistadas, mas há alguns pontos nas entrelinhas que merecem reflexão, considerando que três das quatro entrevistadas são mulheres com mais de 45 anos de idade.

Isabel só tirou a carteira de habilitação depois que o pai faleceu: “Inclusive eu fiz a carteira depois, por que daí ele morreu, e a gente precisava em casa de motorista, e eu acabei fazendo então. Por obrigação, senão não tinha quem dirigisse em casa”, afirma ainda que “Cheguei a dirigir, depois quando vieram as crianças já fui deixando mais de lado, sempre o marido me levava onde eu queria”. Corassa (2006, p. 38) afirma que há algumas décadas atrás “dirigir um automóvel era considerado uma tarefa masculina, diretamente ligada ao status de provedor do homem”. Pareceque inconscientemente Isabel estabelece uma relação entre a figura masculina e o ato de dirigir. Começou a dirigir quando o homem da família não estava mais presente, e da mesma forma, deixou de dirigir depois do casamento, quando os filhos vieram, quando passou efetivamente a assumir o posto de mulher dona de casa e mãe, a quem, cultural e historicamente, cabe a função de proteção e cuidado dos filhos.  E, mesmo atualmente estando inserida numa sociedade que prega a autonomia e a independência feminina, Isabel parece carregar consigo resquícios de uma época em a mulher deveria ser submissa: “É um estilo de família, o patriarcal, né. O que o meu pai dizia tinha que ser feito, mais ou menos assim, a mãe nunca falava muita coisa, a última palavra eram sempre dele, rígido, aquele estilo bem antigo”. Socialmentea independência da mulher é bastante cobrada e mesmo incentivada, vive-se numa era em que se prega que o ideal é que a mulher saiba dirigir, mas parece que se externamente a mulher tem essa aprovação, internamente ainda não se permitiu ser livre.

Beck (1995) aponta os primeiros anos de vida da pessoa assim como suas primeiras experiências, como grandes influenciadores na elaboração das suas crenças centrais. Foi nesse período de sua infância, em que Isabel via a mãe submissa ao marido, que ela desenvolveu os traços mais profundos de sua personalidade. Poder-se-ia pensar que neste ambiente Isabel aprendeu que o homem é a figura de poder, que a ele cabe garantir o sustento da família, lidar com o dinheiro e dirigir o carro. Tendo essa realidade internalizada como verdade absoluta, compreende-se por que Isabel deixou de dirigir quando novamente teve em sua vida uma presença masculina.

Valquíria também descreve seu pai como uma figura rígida e relaciona seu comportamento ao do marido. “Quando o pai dizia uma coisa todo mundo tinha que obedecer, sempre a última palavra era dele [...], o Roberto (pseudônimo do marido), hoje ainda tem muito isso, ele tem bastante isso [...]. Daí a gente fica quieta, não diz as coisa porque tu não quer...”  e segue, referindo-se ao momento em que decidiu tirar carteira de habilitação, “ele (marido) sempre não queria que eu fizesse no começo, eu fiz por conta própria, e fui e fiz, né. Só que depois quando é pra começar a dirigir sabe, daí tu tem que pegar o carro, o carro era do marido, daí ele sempre ficava implicando né”. Percebe-se que, apesar da decisão inicial, Valquíria não teve autonomia suficiente para seguir em seu propósito. Mais uma vez a figura do marido parece surgir atrelada a uma imagem de superioridade, como alguém a quem se deve pedir permissão.

Luíza, referindo-se ao pai e irmão que dirigem, afirma que “eles têm mais segurança, assim. Não sei se isso vem de uma imagem masculina ou o que mais...”. A participante diz que a mãe também dirige, mas que mesmo assim existe uma diferença entre ela e os homens da família: “Minha mãe, mais de vinte anos que ela tem carteira [...]. Mas ela sempre diz que ela é diferente, ela às vezes sente insegurança”. Seria possível aqui questionar a quem pertence essa impressão, essa sensação de sentir-se diferente dos homens que dirigem. Neste caso, a única pessoa que não dirige é Luíza, tendo ela própria relatado sentir-se insegura para conduzir um veículo, deixando dúvida sobre a quem verdadeiramente se refere a fala da participante. Poder-se-ia supor que quando Luíza, referindo-se à mãe, diz que “[...] às vezes ela sente insegurança”, essa seja uma forma de projetar na figura da mãe suas próprias dificuldades ao volante e a maneira como ela se percebe frente ao pai e irmão que dirigem.

Araújo (2005, p.1) cita que ainda hoje as diferenças de gênero “estruturam a percepção e a organização concreta e simbólica de toda a vida social, na medida em que essas referências estabelecem distribuições de poder”. Segundo a autora, mesmo com todas as conquistas das mulheres a sociedade ainda parece estar vivendo certo machismo mascarado, que garante o privilégio de homens sobre as mulheres. Se por um lado se prega a independência da mulher, por outro ainda é contra elas a maioria das piadinhas que se ouve no trânsito: “só podia ser mulher dirigindo”; “carro de mulher”; e a mais famosa delas: “mulher no volante, perigo constante”. Esse tipo de ideologia, que deixa intrínseca a ideia da mulher ter menos capacidade que o homem, pode ser desestimulante para mulheres que ainda estão internamente lutando pelo direito de dirigir. À medida que internalizaram a ideia de dirigir o carro como sendo uma atribuição masculina, termos como os acima citados podem tornar-se reforçadores do ato de não dirigir, e contribuir para a ativação e manutenção de crenças errôneas de inadequação e incapacidade anteriormente internalizadas.

5. Considerações Finais

O ato de dirigir um veículo vai muito além da aplicação dos conhecimentos técnicos adquiridos na escola de formação de condutores. Há nessa prática a influência de um conjunto de fatores históricos, sociais e psíquicos muito singulares, sendo muitas vezes, o medo de dirigir apenas o sintoma da manifestação de aspectos ansiogênicos muito mais amplos.

O medo de dirigir parece envolver um perfil psicológico que se assemelhou entre as entrevistadas, com destaque para características como insegurança, perfeccionismo, forte auto cobrança, ansiedade, dependência e até certa comodidade com sua situação. Entretanto, grande parte dos comportamentos de evitação do volante parece apontar para o que, na Terapia Cognitiva, é conhecida como crença central de desamparo. Uma crença profundamente enraizada no psíquico dessas mulheres e que abarca ideias de fracasso, incapacidade, inadequação e vulnerabilidade. Tal crença desadaptativa, sobre si mesmas e o mundo, limita essas mulheres na tentativa de dirigir, já que lhes impede de reconhecer suas potencialidades, tornando-as dependentes de outra pessoa que lhes confirme sua capacidade ou mesmo que tome decisões por elas. Essa situação parece ser consequência de uma construção histórico-cultural em que a mulher era sempre submissa, sendo a condução de um veículo tida como atribuição masculina e diretamente relacionada à ideia de status e poder do homem. Alia-se a isso a presença de uma visão distorcida do carro, que, apesar de ser concebido como um instrumento útil e necessário ao dia-a-dia é tido como algo excessivamente ameaçador, perigoso e suscetível a causar tragédias.

 Diante disso, constata-se que, antes de se buscar causas externas e/ou específicas para justificar o medo de dirigir, é necessário que se atente para a subjetividade do sujeito que carrega tal medo. Faz-se necessário saber que pensamentos e/ou imagens vem à cabeça do indivíduo no momento em que se imagina ao volante, para assim acessar o núcleo de sua dificuldade. Sugere-se, portanto, às escolas de formação de condutores terem disponíveis, além de profissionais técnicos para as aulas práticas de direção, psicólogos que observem a forma como se deu a construção desse medo, visando à correção de crenças disfuncionais que repercutam no ato de dirigir. É importante também que a pessoa com tal medo passe pela avaliação de um psicólogo e que este profissional perceba o que está por trás dessa realidade. No caso de não ser uma fobia específica, precisa-se avaliar também outras áreas da vida desse sujeito e, dessa forma, submetê-lo a um tratamento psicoterápico mais abrangente.

Como limitação deste trabalho cita-se o pouco material disponível sobre o tema, o que leva a acreditar que possa ser devido à forma como essa psicopatologia vem sendo abordada, ou seja, sob a denominação de fobia específica. Existem então modelos de tratamento pré-definidos, assim deixando muito pouco ainda a ser discutido. Entretanto, na medida em que se trata da privação de um comportamento extremamente importante para a autonomia e autoestima dessas mulheres, é interessante que mais pesquisas sejam feitas nessa área.

Sobre os Autores:

Adriana Margarete Klein da Silva - Acadêmica do oitavo período do Curso de Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina – Campus São Miguel do Oeste

Janinha Trenhago - Orientadora. Psicóloga. Professora do Curso de Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC. Especialista em Educação pela UNOESC

Referências:

ARAÚJO, Fátima, Maria de. Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v.17, n.2, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-56652005000200004&script=sci_arttext> Acesso em: 09 out. 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MEDICINA DE TRÂNSITO. Abramet. Disponível em: <http://www.abramet.com.br/pesquisa/medo%20de%20dirigir/>. Acesso em: 21 mai. 201

BARBOSA, Márcio Englert; SANTOS, Manuela; WAINER, Ricardo. Terapia cognitivo-comportamental e medo de dirigir. In: PICCOLOTO, Neri M.; WAINER, Ricardo; PICCOLOTO, Luciane Benvegnú. (Org.). Tópicos especiais em terapia cognitivo-comportamental. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008. Cap.5, p. 141-160.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Portugual: Edições 70 Ltda, 2000. Tradução de: L’ Analyse de Contenu.

BECK, Judith S. Terapia Cognitiva: teoria e prática. Tradução Sandra Costa. Porto alegre: Artmed, 1995. Tradução de: Cognitive therapy: basics and beyond.

BELLINA, Cecília. Dirigir sem medo. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2012.

CORASSA, Neuza. Vença o medo de dirigir: como superar-se e conduzir o volante da própria vida. 13. Ed. São Paulo: Gente, 2006.

DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FADIMAN, James; FRAGER, Robert. Teorias da Personalidade. Tradução Camila Pedral Sampaio e Sybil Safdié. São Paulo: Harbra, 2002. Tradução de Personality and Personal Growth.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HOFFMANN, Maria Helena; LEGAL, Eduardo José. Comportamento agressivo e acidentes de trânsito. In. HOFFMANN, Maria Helena; CRUZ, Roberto Moraes, 2011.

MARCONI, Mariana Andrade de; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PASTORE, Regina. Sem medo de dirigir. 2.ed. São Paulo: Alaúde, 2010.

ROQUE, Denise. Amaxofobia: O medo de conduzir. Disponível em: http://segurancarodoviaria.blogspot.com/2010/02/amaxofobiaomedodeconduzir.html?zx=97e 5adf0fa6d69a8 Acesso em: 21 abr. 2013.

SANTOS, Ernesto. Terapia no trânsito: tratando o medo de dirigir. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

VIECILI, Juliane. Ansiedade e comportamento de dirigir. In. HOFFMANN, Maria Helena; CRUZ, Roberto Moraes; ALCHIERI, João Carlos. (Org.). Comportamento Humano no Trânsito. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. Cap. 20, p. 361- 374.