Resumo: Este artigo sugere uma reflexão teórica acerca do estigma da depressão no fenômeno social da doença mental; conforme os teóricos Solomon (2002), Cuche e Gerard (1994), Foucault (2004), Marinoff (2001), Cordás (2002), Ribeiro (1999) e Amarante (1996), a melancolia entendida como tristeza, delírio, inércia e torpor, foi contextualizada historicamente como depressão no estudo das doenças mentais, envolvendo a genética, como alteração da função nervosa, perturbação mental, tratada pela medicina mental, baseada no entendimento anatômico-cerebral, sob o prisma da medicalização, sendo inserida num plano de controle social com a consolidação da psiquiatria e desejo de modificar o atendimento assistencial aos pacientes doentes mentais. Moreira (1992), Amen (2000) e Bauer et al (1993), Valentini et al. (2004)  afirmaram a falta de consenso e a diversidade de definições de termos envolvendo o assunto, por causa das excessivas diferenças entre as manifestações patológicas, a despeito do surgimento de antidepressivos no tratamento da depressão, bem como pesquisas baseadas na ação dos neurotransmissores e na tecnologia especializada na regulação das emoções, apesar dos pacientes atendidos na rede básica de saúde apresentando sintomas de depressão não recebem diagnóstico e tratamento correto. Simon (1992), Goffman (1963), Link et al  (1999), Lauber et al (2004), Corrigan e Gelb (2006), Roudinesco (1998, 2000), Birman (2001) e Fuks (1999), Rosenhan (1973), Benedict (1934) apud Rosenhan (1973), Evelyn (2009) e Teixeira (2005) tratam do agravamento do quadro pelas atitudes negativas sobre pessoas com deficiência comumente conceituadas como estigmatização,  rotulando os doentes mentais com atributos indesejáveis ​​expressos de diversas maneiras, desejando evitar a interação social cuja distância social está relacionada a percepções das pessoas de que os indivíduos com doença mental podem ser perigosos, variando de acordo com o diagnóstico psiquiátrico e que é necessário a redução de estereótipos negativos da mídia de massa negar a existência da angústia pessoal, pois normalidade e anormalidade não são conceitos universais, aonde a depressão ganhou status de efeito colateral da pós-modernidade, sendo predominante na vida mental de certas pessoas como os narcísicos ou melancólicos, produzindo formas de sofrimentos psíquicos específicos devendo haver inicialmente um diagnóstico diferencial para a depressão, cujo tratamento pode incluir medicamentos, psicoterapias ou a combinação dos dois. Zahavi (2005), Ricoeur (1990), Lemos & Cavalcante (2009), Moreira (2004), Lipovetsky (2007), Giddens (2002), Benasayag (2005; 2009; 2010), Moreira (2004), Kristeva (2002), . Homem (2003) e Birman (2003) falam da vivência experiencial e dos vínculos que constroem a identidade autobiográfica do sujeito, aonde as novas demandas clínicas envolvem a necessidade de entendimento dos aspectos culturais e sociais do paciente inserido numa realidade de “cultura do risco”, cujo modelo biomédico não dá conta dos aspectos existenciais e psicológicos gerando uma descartabilidade medicamentosa ilusória e vazio simbólico. Júnior (1983), Albuquerque (1978), Cooper (1973), Dantas (1981), Kuhn (1962), Birman (1980, 1992), Santos (2001), Rolnik (1989), Baptista (1999, 2001), Guattari (1990) e Pelbart (1997) apud Deleuze (1992) pressupõem que a depressão deva também ser compreendida a partir das relações interpessoais, vendo na família, a promotora de uma mediação educativa de estabelecimento de papéis, criando condições (inclusive aos depressivos) para assumirem uma identidade e liberdade.

Palavras-chaves: depressão, diagnóstico, família

1. Introdução

1.1 As Origens do Pensamento Sobre o Sofrimento Mental na História Humana

Seria a depressão, uma doença mental pós-moderna? Como deveria ser tratada? Como entender o que acontece na realidade atual? E que perspectivas despontam na modernidade? Como entender o estigma da depressão no fenômeno da doença mental? Para entendermos estas nuances precisaremos conhecer sobre a história do sofrimento humano associado atualmente ao termo depressão. Perturbações outrora chamadas de melancolia são definidas atualmente, como depressão. Conforme Solomon (2002), o termo descrevia, no século XVII, um estado de desânimo. Afirmam Cuche e Gerard (1994), que Hipócrates,(Séc. V, a.C.) conhecia e definia a depressão como uma tristeza relacionada a uma ideia constante sem razão e sem febre que deixava a pessoa abatida, com perda de sono, falta de apetite, desejo de morte, aonde a pessoa se sentia invadida pela tristeza e cansaço, cujo tratamento envolvia mudar a dieta, fazer ginástica, hidroterapia e medicamentos orais, com ervas e purgantes.

2. Desenvolvimento

2.1 A Dinâmica da Evolução do Pensamento Psicopatológico - acerca da possibilidade do sofrimento mental ser uma doença

Segundo Foucault (2004), no século XVI, o termo relacionado ao sofrimento mental, melancolia, envolvia a ideia de haver delírios de relatos de pessoas envolvendo crenças, pensamentos e imaginações absurdas. Segundo Marinoff (2001), a noção da dicotomia entre corpo e mente, oriunda do dualismo de Renê Descartes mudou a forma de “olhar” o problema da depressão, pelo fato da mente ser distinta do cérebro, apresentando inconsistências interpretativas não vistas como uma patologia física.

Foucault (2004), comenta que no final do século XVIII a melancolia e as loucuras não delirantes são observadas quando à inércia do paciente desesperado numa forma de torpor diante da realidade. Solomon (2002), cita que Friedrich Hoffman, médico, químico alemão, foi o primeiro a sugerir que a conceituar a loucura como uma doença Hereditária. Cordás (2002), cita  William Cullen, médico escocês, defensor da ideia de que, na melancolia, a alteração da função nervosa gerava incapacidade de associar idéias e executar julgamentos de decisões.

 Conforme Ribeiro (1999), no século XIX, o pensamento naturalista nas ciências, repensou a questão da saúde mental dos indivíduos em casas de internamento ou asilos aonde ele falava sobre o tratamento moral de Pinel e de sua obra de 1801, intitulada Tratado médico-filosófico da alienação mental ou mania, aonde classificava a loucura em mania, melancolia, demência e idiotismo. Segundo Amarante (1996), a medicina buscava, sem encontrar, as causas físicas da loucura; com Pinel, partindo de outras bases epistemológicas, as “causas morais”, o estudo das perturbações mentais passou a ser tratado pela medicina mental, pois segundo Pinel, a alienação era um distúrbio ocasionado pela paixão, no interior da própria razão. Cordás (2002), afirma que Esquirol, discípulo de Pinel, defendeu uma clínica psiquiátrica como uma medicina mental baseada no entendimento anatômico-cerebral, rejeitando a metafísica ou teologia moralista, classificando a melancolia como monomania (transtornos de juízo) e lipemania (transtornos de humor). Conforme Solomon (2002), o pensamento do médico alemão Wilhelm Griesinger sobre o fato de que doenças mentais serem doenças do cérebro, a depressão passou a ser vista notoriamente sob o prisma da medicalização, aonde Michel Foucault combateu essa nova realidade, dizendo que havia um plano de controle social aonde o monopólio do capitalismo estaria gerando um império medicamentoso. Ribeiro (1999) trata que, no século XX, ao mesmo tempo em que houve a consolidação da psiquiatria, (pelos avanços, descobertas e fundamentações científicas no campo da psicopatologia, farmacologia, anatomia patológica, neurologia e genética) surgiram, concomitantemente, os movimentos sociais e comunitários desejosos de modificar o atendimento assistencial aos pacientes doentes mentais.

2.2 A Controvérsia Científica Acerca da Apropriação da Visão sobre a Doença – em relação às classificações diagnósticas contemporâneas

Moreira (1992) afirmou que a bibliografia sobre o tema depressão-melancolia era fértil em afirmar a falta de consenso e a diversidade de definições, mesmo em trabalhos psicanalíticos. No aspecto de “trazer para fora o que está dentro do sujeito em excesso”, Solomon (2002) entendeu que existe um número excessivo de diferentes manifestações depressivas e melancólicas que seria necessário criar uma classificação diferente para cada caso estudado mais a fundo; ademais, citou a importância da psicanálise cujo autor, Sigmund Freud, se desligou da medicina criando um campo de conhecimento paralelo (aonde em 1917, escreveu Luto e melancolia, aonde Freud citou que a melancolia (chamada de depressão na atualidade – grifo nosso) era uma forma de luto e que surgia de uma sensação de perda da libido envolvendo um ego pobre e vazio.  Já, no aspecto de “adentrar aquilo que é externo como falta ao homem”, no século XX, surgiram os antidepressivos no tratamento da depressão, aonde se pesquisa a ação dos neurotransmissores e a regulação das emoções. Conforme Amen (2000) e Bauer et al (1993), após estudos com eletroencefalograma, tomografia computadorizada e tomografia especializada, verificou-se que certos padrões cerebrais se relacionavam com o comportamento violento, bem como poderiam envolver a ansiedade, a distração, a obsessão e a depressão (como alterações cerebrais na amígdala no hipocampo), bem como poderiam estar relacionadas a alterações neuro-endócrinas e imunológicas, o que atualmente gera um grande problema social. Conforme Valentini W, et al. (2004) , devido ao fato de que quase a metade dos pacientes atendidos na rede básica de saúde apresentando sintomas de depressão não recebem diagnóstico e tratamento correto, surge, neste início de século XXI, a grande questão se a depressão, pode considerada uma doença mental, catalogada seja por Classificação Estatística ou Manual de Diagnóstico e qual seria a melhor forma de tratamento, se seria a medicamentosa, se seria a psicanalítica e ou se seria a cognitivista.

2.3 O Estigma por Trás do Mito Acerca do Paciente Depressivo na Ideologia de Psicopatologia Psiquiátrica Envolvendo Exclusão e Violência

Segundo Simon (1992), as atitudes negativas sobre pessoas com deficiência são comumente conceituadas como estigmatização , termo oriundo da partir da palavra grega estigma , significando “marcar algo''. Para Goffman (1963), a teoria da estigmatização é um atributo, ou marca que desacredita a identidade social, procurando definir uma “normalidade” em indivíduos, rotulando os doentes mentais com atributos indesejáveis ​​expressos de diversas maneiras, desejando evitar a interação social (que também afeta os pacientes depressivos, pelo fato de seu distanciamento social – grifo nosso).

Link et al  (1999) revela que a distância social está relacionada a percepções das pessoas de que os indivíduos com doença mental podem ser perigosos. Lauber et al (2004) afirma que a distância social varia de acordo com o diagnóstico psiquiátrico; Corrigan e Gelb (2006) afirmam que várias abordagens têm tentado reduzir a estigmatização de indivíduos com doença mental, incluindo a remoção de estereótipos negativos da mídia de massa e através de apresentações baseadas na comunidade por indivíduos que têm uma doença mental (fato este que pode ocorrer com pacientes depressivos tidos como possuidores de outro sintomas psico-patológicos – grifo nosso).

Solomon (2002) aborda que tanto o “louco” como o melancólico (atual depressivo – grifo nosso) eram privados do convívio com sua família, sendo internados para serem tratados sem interrupção, visando não gerar incômodos no processo de interação social, pois a alienação não era vista como perda de liberdade e sim uma busca de uma liberdade ao homem através da alienação. Roudinesco (1998, 2000) afirma que a depressão é uma manifestação do sofrimento psíquico presente na contemporaneidade, comparada aquilo que foi a histeria no passado. (Birman, 2001; Fuks, 1999) pensam que a depressão envolve a fragilidade e superficialidade das relações interpessoais exacerbada pela imagem (aparência) de uma cultura aonde predomina o narcisismo.

Rosenhan (1973), no seu artigo “On Being Sane in Insane Places”, defende que não se pode negar a existência da angústia pessoal que é freqüentemente associada com "doença mental". Entende que ansiedade e depressão existem, bem como o sofrimento psicológico e que os diagnósticos fluem a partir da noção do que é normalidade, anormalidade, sanidade e insanidade, chegando a questionar a classificação psicológica de doença mental como inútil, prejudicial, enganosa pelo fato de que os diagnósticos psiquiátricos se baseiam nos pontos de vista dos observadores os quais podem levar pessoas normais (inclusive depressivos – grifo nosso), que nunca sofreram sintomas psiquiátricos graves a serem internadas como doentes mentais graves. Dessa forma, a pessoa com depressão poderia ser confundida com um doente mental e ser tratada de forma preconceituosa ou ter esse estado mental confundido com algo sem valor, como se fosse “besteira” ou “preguiça”, fato que conceitua o mito de que o depressivo. Evelyn (2009), neuropsiquiatra e psicoterapeuta, escreveu em seu site uma nota intitulada Desvende 10 mitos sobre a depressão”, aonde aborda os mitos e fatos envolvendo a depressão e a contemporaneidade: Ela trata dos mitos relacionados à depressão como algo, condição de doença médica, se há algum tratamento, se é algo parte da vida, se é um emoção como tristeza, se pode ser “mandada embora” pelo paciente, se envolve sorte quanto ao tempo de atuação dela no indivíduo, se é parte normal do envelhecimento, se atinge apenas mulheres, com exceção de crianças e adolescentes e se é possível ser herdada geneticamente. Para responder estas perguntas, é notório lembrar o que afirma Benedict (1934) apud Rosenhan (1973) que sugeriu que a normalidade e anormalidade não são universais e que o que é visto como normal em uma cultura pode ser visto como aberrante noutra, aonde as noções de normalidade e anormalidade podem não ser tão precisas dependendo das crenças das pessoas. Teixeira (2005), afirma que a depressão ganhou status de efeito colateral da pós-modernidade; que embora seja doença antiga, conhecida há mais de 2.000 anos, passou a ser predominante na vida mental de certas pessoas como os narcísicos ou melancólicos, produzindo formas de sofrimentos psíquicos específicos, o que não deve ser considerado como uma nova patologia.  Teixeira (2005), afirma, ainda, que na relação entre sofrimento psíquico e contexto histórico existe uma problemática que abarca os estados depressivos que é justamente a dificuldade de consenso e de definição dos termos depressão e melancolia, os quais geralmente se confundem aonde a melancolia assume um caráter romântico histórico, sendo depressão o termo mais comumente aceito e usado na literatura científica.

2.4 Um Exemplo da Dinâmica Ideológica Diagnóstica Contemporânea

A médica Evelyn afirma que a depressão é uma tristeza invasiva e limitante, afetando 20 milhões de pessoas anualmente, só nos EUA e que a depressão não pode ser banida, sendo conceituada como um transtorno neuroquímico no organismo, aonde um indivíduo que tenha um episódio de depressão, terá predisposição para ter outros episódios depressivos, sendo uma doença potencialmente fatal, podendo levar ao suicídio, caso não haja tratamento. Ela afirma no site que a depressão não é parte esperada de um envelhecimento normal, apesar de que as perdas e constrangidos de falar dos idosos levam a maiores taxas de suicídio, ocorrendo em maiores de sessenta e cinco anos, sendo os homens mais vulneráveis do que as mulheres, apesar das mulheres serem duas vezes mais acometidas que o homem pela depressão, aonde há mais suicídios masculinos, principalmente em culturas desencorajadoras e que relacionam pedido de ajuda à fraqueza. Ademais, a neuropsiquiatra afirma que em cada 33 crianças e que um em cada oito adolescentes são deprimidos ao longo dessa etapa de vida, que as crianças não estão preparadas para falarem sobre seus sentimentos como os adultos, e que, por isso os adultos devem tomar a iniciativa de procurar e observar sintomas de depressão nessa faixa etária.

A médica postula que se alguém da família sofrer de depressão, haverá predisposição maior à doença, cujo tratamento deverá ser iniciado o mais precocemente o quanto possível. No discurso de Evelyn Vinocur, há uma proposta de tratamento que inclui uma visão mais holística, uma espécie de evolução do pensamento concernente à doença e ao paciente, envolvendo uma interação entre os recursos da tecnologia, a farmacologia e a escuta subjetiva como forma de tentar aliviar o sofrimento humano. A médica afirma que a depressão é tratável e mais que 80% dos indivíduos com transtornos depressivos melhoram com o tratamento através de medicamentos modernos e novos tratamentos continuam sendo descobertos, aonde deve haver inicialmente um diagnóstico diferencial porque a  depressão que pode estar ligada a um problema na tireoide, sugerindo que, dependendo da decisão médica, o tratamento pode incluir medicamentos, psicoterapias ou a combinação dos dois.

2.5 Repensando o Papel da Psiquiatria Envolvendo o Paciente Depressivo Diante do Quadro de Adoecimento da Subjetividade Psíquica Atual

Assim como a psiquiatria  nasceu marcada pela ruptura do aparato de exclusão da marginalização social e pela pluralidade epistêmica, a depressão herda o mesmo paradoxo de ser singular e a mesmo tempo ter uma interpretação de valores opostos quanto ao fato de ser ou não tratada como doença mental e ao mesmo tempo sendo influenciada pelo senso comum ao ser preconceituada como algo banal, sendo também influenciada pelas várias abordagens da psicologia e principalmente pela psiquiatria, em relação à formulação de sua origem e ação. As duas interpretações antagônicas acerca da depressão não são excludentes porque se há extrema objetivação na prática Clínica Psiquiátrica, que nasce necessariamente do acontecimento individual do sofrimento físico, há por outro lado, as experiências subjetivas de padecimento psíquico moral que se fundamentam e se articulam em uma trama de enlaces intersubjetivos enraizados em um ambiente simultaneamente físico, cultural e histórico.

Conforme Zahavi (2005), O corpo humano meramente orgânico dependente dos outros, se insere numa vivência experiencial em primeira pessoa que se abre pela palavra para uma perspectiva do outro, refletindo a linguagem que traduz e compartilha uma narrativa que gera vínculos que constroem a identidade autobiográfica do sujeito, como identifica Ricoeur (1990) ao afirmar que “a narrativa faz parte da vida antes de se exilar na escrita”. Segundo Lemos & Cavalcante (2009), a Psicologia (se subentendendo também à psiquiatria – grifo nosso) carece de um conhecimento mais aprofundado do psiquismo humano para ser capaz de realizar intervenções conforme as novas demandas clínicas (incluindo a depressão – grifo nosso), aonde Moreira (2004) afirma que a experiência de sofrimento considerados disfuncionais ou psicopatológicos (incluindo a depressão – grifo nosso) envolvem também a necessidade de entendimento dos aspectos culturais e sociais do paciente inserido numa realidade subjetiva social.

 Lipovetsky (2007) aborda que vivemos numa sociedade do excesso, da velocidade, da aceleração absoluta, aonde se vivencia o mais e o menos ao mesmo instante, uma liberdade frustrante, oriunda da busca de uma satisfação perfeita que gera indiferença social porque os grupos ou categorias sociais emergem prometendo prazer e felicidade, como “qualidade de vida” em todos os campos da atividade humana (conjugal, sexual, trabalho, etc.) fazendo com que as expectativas individuais virem metas inalcançáveis, fazendo surgir ansiedade, frustração e decepção, como novos dilemas de velhos conflitos.

Giddens (2002) afirma que o “eu” subjetivo precisa ser construído de forma crítica entre a disposição pessoal e a influência social globalizada de forma crítica para assegurar a sua integridade, intimidade e sentido pessoal no sentido de uma reorganização psíquica, aonde a perturbação, repressão e exclusão podem gerar um modo de ser tido como “doença mental” pelo afastamento de algumas dessas a estas questões sociais, levando ao preconceito e espereótipo de doente mental. Conforme Benasayag (2005; 2009; 2010), trata da “cultura do risco” atual aonde o futuro é visto como uma ameaça e o sofrimento psíquico envolve medo, insegurança, depressão e ansiedade devido as perdas de autonomia pessoal, aonde as pessoas passam a depender de fatores sociais, gerando sofrimento e adoecimento psíquico pelo fato de que a identidade pessoal depende mais de fatores externos não compreendidos ou não aceitados, onde o sofrimento e dor são reflexos da tentativa de abafar o sintoma do sofrimento existencial, transferindo para o patológico; Moreira (2004) postula que a dependência diante do inusitado gera impotência e sofrimento aonde as pessoas buscam razões subjetivas na ciência psicológica e psiquiátrica.  Kristeva (2002), então, caracteriza (inserida na subjetivação-grifo nosso) uma somatização diante do desejo insistente de alternativas, culminando com a neuroquímica (psiquiátrica) como busca de alívio para as angústias e desejos frustrados, dificuldades relacionais e sexuais, expressos como o mal-estar da depressão (aonde a pessoa se sente vazia pela dificuldade das pessoas em serem capacidades de uma representação psíquica em meio a múltiplos paradigmas), aonde o modelo biomédico não dá conta dos aspectos existenciais e psicológicos que geram crises de identidade e nervosismo, aonde  o quadro depressivo pode ser instalado. Homem (2003) afirma que há uma descartabilidade medicamentosa ilusória, aonde o sujeito consumidor obediente e submisso tem sua experiência subjetiva mercantilizada e mercadorizada por uma medicalização excessiva oriunda do capitalismo monopolista e financeiro que Birman (2003) denomina esta realidade como uma cultura somática oriunda do processo de medicalização, gerando sensações de mal-estar que evidenciam a impotência humana, o vazio simbólico, aonde o diálogo (sofrimento compartilhado com o outro) fica obstruído pela dor que enaltece o egoísmo narcisista pessoal.

2.6 “Prognóstico Social” Sobre a Depressão sob o Pressuposto do Adendo Anti-Psiquiátrico

No pressuposto de combater a ideia do “capitalismo medicamentoso”, a respeito da doença mental e consequente em relação à depressão, questionando a condição do paciente depressivo, o fundamento da ideologia antipsiquiátrica com o desejo de eliminação da própria  ideia de doença mental pode ser apropriado na busca de um prognóstico sobre a depressão. Duarte Júnior (1983) pensa na loucura como oriunda de razões e mecanismos políticos autoritários contra à ordem social estabelecida como forma de perseguir indivíduos inoportunos, o que se pressupõe que a depressão deva também ser compreendida a partir das relações interpessoais e não ter deixar os pacientes serem taxados como apenas sintomas de uma possível doença mental, pois ignorar o mundo desses indivíduos é descartar as possibilidades de propiciar significados e valores que venham a estruturar a psique. Foucault (1977) alerta contra a rotulação dos doentes mentais que invalida o sujeito, (o mesmo podendo ocorrer diante do paciente depressivo – grifo nosso), entendendo que o corpo tem uma representação simbólica limitada aonde a intimidade e os desejos mantidos pelo princípio do prazer devem fazer parte de um processo que traga o paciente ao princípio de realidade comportamental. Albuquerque (1978) trata o assunto da institucionalização da desordem mental diante do que era tido como reconhecidamente real e legítimo, sendo apenas mero domínio social, aonde a tentativa da ciência explicar as desordens mentais, meramente como disfunções orgânicas, biológicas ou endocrinológicas, refletem o interesse reducionista de apropriação da loucura (o que pode acontecer com a questão da depressão – grifo nosso) como conflitos de discursos retóricos querendo controlar de certa forma a vida do paciente depressivo entre a medicalização e a terapia, aonde entra a importância da família do depressivo como defende Cooper (1973), que pensa que a família é promotora de uma mediação educativa de estabelecimento de papéis, criando condições (inclusive aos depressivos – grifo nosso) para assumirem uma identidade e liberdade como microuniverso social reproduzindo o macrouniverso do Estado que de certa forma, atribui aos alguns de seus membros, rótulos e diagnósticos, (inclusive, como “depressivo” – grifo nosso), numa construção social de patologias a partir do uso do poder, ditando as normas quem sabe mais, só restando aos destituídos do conhecimento, ao excluídos do sistema, a alternativa de aceitar sua condição de doentes (o paciente rotulado como depressivo incorporar e interpretar como sintomas a sua doença. Além disso, segundo Dantas (1981) o sistema de assistência à saúde sendo algo contextual, está inserido numa cultura social, aonde o paradigma (da depressão, por exemplo, contextualizado como doença mental – grifo nosso) gera uma crise ocasionada pela crença das próprias regras e padrões conceituais, aonde Kuhn (1962), aborda a necessidade de geração de buscas de novas alternativas, visando a busca de uma racionalidade inter-relacional psicológica, que Birman (1980) considera opositora à realidade do modelo anatomopatológico dominante social, sendo, portanto, uma realidade que Foucalt (1979) trata como uma crise de poder entre o tratamento objetivo das ciências naturais na relação médico-paciente ou na relação sujeito-objeto. Refletindo sobre essa transição paradigmática, Birman (1992) defende o reconhecimento dos direitos sociais dos enfermos mentais contra uma ilusão constitutiva imaginária, o que nos leva a pensar sobre o reconhecimento da depressão como uma realidade aonde o paciente deve ser ouvido e reconhecido em suas necessidades emocionais. Santos (2001) postula que sem uma mudança no processo social, os direitos serão mera opressão e exclusão social, o que nos leva a repensar na postura de inteireza de quem convive e espera realmente interagir com o paciente depressivo. No que trata da relação capital/subjetivação, a luta entre desejo e status, denotando afetos e desafeto, postula-se que o sem o reconhecimento da subjetividade do paciente depressivo na contemporaneidade, por parte de quem se relaciona com ele, o qual também ocorre com os doentes mentais, haverá deficiência criativa, conforme escreveu Rolnik (1989), o qual Baptista (1999, 2001) defende a idéia de que essa exclusão social (que de certo modo em um nível pouco diferenciado, envolve também o paciente depressivo) é algo além da geografia visível, sendo  atreladas a definições pessoais, envolvendo indagações e problematizações subjetivas acerca dos modos de interação social, das práticas sociais, no dia-a-dia, nos modos de funcionamento do pensar. Guattari (1990) argumenta uma possível descentralização de focos de poder das estruturas produtivas que envolvem signos, de sintaxe e de subjetividade, aonde Pelbart (1997) apud Deleuze (1992) comenta que o sujeito não é mais um ser confinado, mas endividado pelo consumo e pela falta das fronteiras dos espaços geográficos.

3. Considerações Finais

Para entendermos o estigma da depressão no fenômeno da doença mental, observamos que no contexto histórico da depressão, no estudo das doenças mentais, atualmente, a depressão é um termo novo para uma velha realidade humana do sofrimento subjetivo, cuja falta de consenso e a diversidade de definições de termos e manifestações patológicas, agravam os próprios sintomas da depressão aos que não recebem diagnóstico e tratamento correto e que são  rotulados como e tais quais os doentes mentais aonde a evitação da interação social gera uma distância social (até mesmo do paciente para a sociedade), sendo a depressão um efeito colateral da pós-modernidade, produzindo formas de sofrimentos psíquicos específicos devendo haver inicialmente um diagnóstico diferencial para a depressão, cujo tratamento não deve apenas incluir medicamentos e psicoterapias, mas contato interrelacional, principalmente da família porque sem isso, achar que apenas o medicamento resolve o problema, fazendo superar o vazio simbólico será apenas ilusão, uma vez que o modelo biomédico não dá conta dos aspectos existenciais e psicológicos, agravando o quadro depressivo, cuja família contém uma importante parcela de possibilidade de geração de saúde mental aos pacientes. Sabemos que o presente artigo não contêm todo o conhecimento acerca desse assunto importantíssimo, mas esperamos que possa ser uma forma de despertamento social a todos quantos estiverem envolvidos direta ou indiretamente com essa realidade patológica cujos pacientes carecem de amor, paciência e cuidado.

Sobre os Autores:

Darlan de Almeida Lima - Estudante de Psicologia - Estácio do Ceará Campus Corpvs.

Lizieh Florêncio Vale - Estudante de Psicologia - Estácio do Ceará Campus Corpvs.

Emanuelle Eudilene P. S. Silva - Estudante de Psicologia - Estácio do Ceará Campus Corpvs.

Referências:

ALBUQUERQUE, J. A. G. (1978). Metáforas da desordem: o contexto social da doença mental. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

AMARANTE, P. (1996). O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

AMEN D.G. (2000). Transforme seu cérebro, transforme sua vida. São Paulo: Mercuryo.

BAPTISTA, L. A. (1999).  A cidade dos sábios. São Paulo: Summus.

_________________ . (2001). Narrações contemporâneas: vagabundos e turistas nas práticas da saúde mental. In: JACÓ-VILELA ET al. Clio-Psyché hoje: fazeres e dizeres psi na história do Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ.

BAUER M.O., at al (1993)  Depressão maior e atividade do sistema imunológico. Rev ABP-APAL.

BENASAYAG, M. (2005). L’Epoca delle passioni tristi. Milão: Feltrinelli Editore. Acesso em <http://periodicos.pucminas.br/index.php/psicologiaemrevista/article/view/P.1678-9563.2011v17n2p303>

_________________ . (2009). Sofrimento psíquico contemporâneo: construindo novos paradigmas. Conferência, 2 Seminário Internacional de Intercâmbio em práticas de saúde mental. Fortaleza.

_________________ . (2010). O sofrimento psíquico na idade da técnica. Conferência, 28 Congresso Brasileiro de Psiquiatria. Fortaleza.

BIRMAN J. (1980) Enfermidade e loucura. Rio de Janeiro: Campus.

_________________ .  (1992) A cidadania tresloucada: notas introdutórias sobre a cidadania dos doentes mentais. In: BEZERRA J. R., Benilton; AMARANTE, P. Psiquiatria sem hospício: contribuições ao estudo da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Relume Dumara.

_________________ .  (2001). Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

_________________ .  (2003). Dor e sofrimento num mundo sem mediação. Estados gerais da psicanálise, 2 Encontro Mundial. Rio de Janeiro.

COOPER, D. (1973) La muerte de la familia. Buenos Aires: Paidós.

CORDÁS T.A. (2002). Depressão, da bile negra aos neurotransmissores: uma introdução histórica. São Paulo: Lemos Editorial.

CORRIGAN PW, GELB B (2006) Three programs that use mass approaches to challenge the stigma of mental illness. Psychiatr Serv. 57:393Y398.

CUCHE H, GERARD A. (1994) Não agüento mais: um guia para compreender e combater a depressão. 2aed. Campinas (SP): Papirus.

DANTAS V. A. (1981) Enfermagem e os serviços básicos. Anais do 33º Congresso Brasileiro de Enfermagem 1981;. Manaus; AM. Brasília: ABEN.

DELEUZE, G. (1992) Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34.

DUARTE J. (1983), J.F. A política da loucura (a antipsiquiatria). Campinas: Papirus. 1983.

FOUCAULT, M. (1977) Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes.

_________________ .  (1979). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

_________________ .  (2004). História da loucura. 7aed. São Paulo: Perspectiva.

FUKS, M. P. (1999). Mal estar na contemporaneidade e patologias decorrentes. Psicanálise e Universidade, 9, 63-78.

GIDDENS, A. (2002). Modernidade e identidade.Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

GOFFMAN E. (1963) Stigma: Notes on the management of spoiled identity. New York: Simon and Schuster. Acesso  em < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21629012>

GUATTARI, F. (1990). As três ecologias. Campinas: Papirus.

HOMEM, M. L. (2003). Entre próteses e prozacs: o sujeito contemporâneo imerso na descartabilidade da sociedade de consumo. Estados gerais da psicanálise: 2 Encontro Mundial. Rio de Janeiro.

KRISTEVA, J. (2002). As novas doenças da alma. Rio de Janeiro: Rocco.

LAUBER C., et al (2004) Factors influencing social distance toward people with mental illness. Community Ment Health J. 40:265Y274. Acesso  em < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21629012>

LEMOS, P. M. & Cavalcante Jr, F. S. (2009). Psicologia de orientação positiva: uma proposta de intervenção no trabalho com grupos em saúde mental. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 1 (14);

LINK B.G. et al. (1999) Public conceptions of mental illness: Labels, causes, dangerousness, and social distance. Am J Public Health. 89:1328Y1333. Acesso  em < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21629012>

LIPOVETSKY, G. (2007). A sociedade da decepção. São Paulo: Manole.

MARINOFF L. (2001). Mais Platão, menos Prozac. 2aed. Rio de Janeiro: Record.

MOREIRA, V. (2004). O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em psicopatologia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 3 (17).

PÈLBART, P. P. (1990) Manicômio mental: a outra face da clausura. In: LANCETTI, A. (Org.). Saúde loucura 2. São Paulo: Hucitec.

RIBEIRO P.R.M. (1999) Da psiquiatria à saúde mental: esboço histórico. J Bras Psiq.

RICOUER P. (1990). Soi-même comme un autre. Paris: Seuil; 1990. Acesso em < http://www.academia.edu/1401973/O_papel_da_psiquiatria_na_reforma_psiquiatrica_The_role_of_psychiatry_in_the_Brazilian_psychiatric_reform_>

ROSENHAN D.L. (1973) On Being Sane in Insane Places. Science, New Series, Vol. 179, No. 4070. (Jan. 19, 1973), pp. 250-258.

ROUDINESCO, E. (2000). Por que a psicanálise?Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

ROUDINESCO, E., & PLON, M. (1998). Dicionário de psicanálise(V. Ribeiro e L. Magalhães, trad.) Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

ROLNIK, S. (1989).  Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade.

SANTOS, B. S. (1999). A construção multicultural da igualdade e da diferença. Coimbra: CES.

SIMON B (1992) Shame, stigma and mental illness in ancient Greece. In PJ Fink, A Tasman (Eds), Stigma and mental illness (pp 29Y40). Arlington, VA: American Psychiatry Publishing. Acesso  em <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21629012>

SOLOMON A. (2002). O demônio do meio-dia. Rio de Janeiro: Objetiva.

TEIXEIRA, M.A.R. (2005), Artigo desenvolvido no Grupo de Pesquisa: Subjetividades e Psicanálise – práticas clínicas e educacionais – UNESP- Assis. Acesso em < http://www2.assis.unesp.br/revpsico/index.php/revista/article/viewFile/31/57>

VALENTINI W, et al. (2004) Treinamento de clínicos para o diagnóstico e tratamento da depressão. Ver Saúde Pública. Acesso em <http://www.facenf.uerj.br/v15n2/v15n2a22.pdf>

VINOCUR E. (2009). Desvende 10 mitos sobre a depressão A depressão é tratável e mais de 80% dos casos apresentam melhora com tratamento. Texto publicado. Acesso em <http://www.minhavida.com.br/saude/materias/10511-desvende-10-mitos-sobre-a-depressao>

ZAHAVI D. (2005) Subjectivity and Selfhood. Investigating the first-person perspective. Cambridge: MIT Press. Acesso em < http://www.academia.edu/1401973/O_papel_da_psiquiatria_na_reforma_psiquiatrica_The_role_of_psychiatry_in_the_Brazilian_psychiatric_reform_>