Artigos com o tema:

Psicologia da Família

Introdução

Saímos de uma sociedade patriarcal para um conceito de família baseado em apoio e afeto entre seus membros. A lei do divórcio, a igualdade entre filhos gerados dentro e fora do casamento, o reconhecimento da união estável e da família monoparental foram grandes mudanças que se processaram desde 1973 para cá, ou seja, a menos de 40 anos.

O panorama atual das famílias é de muitas mudanças, as novas configurações, os desafios encontrados pelos pais para educar seus filhos em uma sociedade que tem passado por diversas mudanças de paradigmas sociais é desafiador e entra em conflito algumas vezes com o papel de educador que os pais atuais herdaram de seus próprios pais.

Leia mais: O Casal, a Criança e a Família, Diversas Faces de Uma Relação

Resumo: A ideia de amar ou estar com alguém pressupõe fidelidade, sendo assim os relacionamentos amorosos são marcados por votos de lealdade e cumplicidade, conforme uma herança cultural do “amor romântico” advinda desde o período medieval. Porém, no nosso mundo contemporâneo, muitos valores estão sendo invertidos e os relacionamentos passam a se estabelecerem de diversas maneiras. A traição, algo que sempre existiu nas sociedades, sendo praticada em sua maioria por homens, agora é vista como comum e natural e praticada por ambos os sexos, no entanto mesmo vista como comum, ninguém quer ser traído. Como consequência a traição consegue desestabilizar os relacionamentos mais curtos ou mais longos. O perdão quer no sentido de esquecer por completo quer no sentido de aceitar, nem sempre é concedido, dessa forma esta pesquisa visa conhecer a relação existente entre a traição e o perdão nos relacionamentos amorosos. Metodologia: pesquisa básica com abordagem qualitativa, com dez participantes, sendo cinco mulheres e cinco homens. Resultados: perfil do sexo masculino, idade entre 29 e 49 anos; tipo de relacionamentos: namoros e casamentos, e tempo de relacionamento entre 03 e 14 anos, com elevada instrução escolar; perfil do sexo feminino, idade entre 24 e 40 anos; tipo de relacionamentos: namoros e casamentos e tempo de relacionamento entre 03 e 22 anos, com elevada instrução escolar. Percebeu-se que os conceitos acerca da traição e perdão ultrapassam gerações, os pensamentos são semelhantes.

Palavras-chave: relacionamentos amorosos; traição; perdão.

Leia mais: Relação entre Traição e Perdão nos Relacionamentos Amorosos



Introdução

O presente trabalho pretende fazer uma revisão de literatura com o objetivo de investigar as relações estabelecidas entre pais e filhos e sua influência na construção de uma identidade cristã, buscando compreender como estas relações contribuem ou interferem na formação dessa identidade, refletindo sobre as dificuldades, os medos, as ansiedades, as dúvidas, as fantasias e expectativas dos pais quando se fala em uma criação voltada para a Bíblia, e quais conflitos podem gerar. 

A idéia para essa análise teve início a partir da observação das dificuldades de comunicação entre os pais cristãos e seus filhos as quais trazem, geralmente, um crescente distanciamento entre eles. Frente a formas de tratamento e ensinamento imposto em detrimento às escolhas dos filhos o relacionamento acaba por gerar muitos conflitos, ficando prejudicadas as relações. Assim, esse texto pretende discorrer sobre o que pode definir a qualidade das relações entre pais e filhos para a construção da identidade cristã.

Leia mais: A Importância das Relações Pais e Filhos na Construção da Identidade Cristã

Resumo: O artigo aborda a importância do limite para a construção de relações saudáveis e apresenta formas adotadas para um bom convívio educacional em âmbito social. Apresenta a opinião de conceituados autores sobre a educação familiar e sua importância para a formação da personalidade do homem moderno. A educação das crianças tem gerado inúmeras questões entre educadores e pais, que demonstram dificuldades para delimitar seus papeis na colocação de limites. A educação dos filhos é uma tarefa da família, que reflete a dinâmica familiar perante os diversos ambientes pelos quais os filhos interagem provocando atitudes coerentes ou não, em razão dessa relação original. O presente trabalho é uma pesquisa de campo quali-quantitativa realizada com 56 adolescentes de escolas publicas com níveis de escolaridade entre o oitavo e nono ano do ensino fundamental de Rolim de Moura - Rondônia. O instrumento avaliador aplicado aos adolescentes foi a Escala de Qualidade de Interação Familiar (EQIF) de Weber, Viezzer e Brandenburg (2003). Esse instrumento permite por meio do relato dos filhos obter informações da interação familiar os quais respondem separadamente sobre seu pai e mãe. Assim sendo os dados coletados pelo instrumento foram comparados e analisados descritivamente por meio da analise do conteúdo temático, pode-se concluir que há uma predominância de comunicação negativa nos lares pesquisados onde os filhos não mantêm um dialogo aberto com os pais.

Palavras-chave: Construção de Limites, Comunicação, Interação Familiar.

Leia mais: Limites na Medida Certa

Resumo: O presente estudo tem como objetivo comparar, analisar e avaliar a interação e qualidade da comunicação entre pais e filhos adolescentes de escolas públicas e particulares, levando-se em consideração o estilo parental e a situação dos níveis de relacionamento entre os mesmos. A pesquisa apresentada foi uma pesquisa de campo quantitativa, sendo sujeitos desta pesquisa, 100 adolescentes de escolas públicas e 100 adolescentes de escola particulares, todos de famílias intactas. Os níveis de escolaridade compreendiam entre o sexto ano do ensino fundamental e o terceiro ano do ensino médio de escolas pertencentes à cidade de Rolim de Moura estado de Rondônia. A escala aplicada aos adolescentes foi a Escala de Qualidade de Interação Familiar (EQIF) de Weber, Viezzer e Brandenburg (2003). Diante da aplicação da escala foi percebido que a comunicação entre pais e filhos adolescentes de escolas particulares e públicas em relação à escala positiva encontra-se no mesmo índice de interação e demonstram uma boa comunicação. Somente na escola particular, em relação ao clima conjugal negativo, encontra-se pouco acima do índice da escola pública, e a escola pública por sua vez encontra-se percentualmente mais elevado o índice que na escola pública no quesito de comunicação negativa, sendo que tais diferenças não podem ser considerada significativas perante a pesquisa realizada. Por fim o esboço é de apontar que os pais precisam ser firmes e manter certa autoridade, mas também perceber que os filhos precisam de amor, atenção e respeito, não esquecendo que a comunicação é um fator primordial para se obter boa interação entre pais e filhos.
Palavras-Chave: Comunicação. Qualidade. Positiva. Interação. Família. Pais. Filhos. Adolescentes.

Leia mais: Comunicação Entre Pais e Filhos Adolescentes de Escolas Públicas e Particulares

Resumo: Este artigo apresenta uma revisão de literatura sobre práticas educativas, Estilos Parentais e vinculação: Estudo do apego no contexto familiar, com o objetivo de identificar e analisar as práticas educativas parentais, com ênfase nos estilos parentais na vinculação com os filhos. Responderam a um questionário com 42 questões, 140 crianças de ambos os sexos, com idade entre 10 e 11 anos. Dessa forma, averigua – se a causa do tipo de educação que cada pai aplica em seu filho,  e quais são as formas aplicadas na correção dos mesmos e como se diferem os estilos parentais.
Palavras-chave: Vinculação. Punição Corporal na Infância. Agressividade

Leia mais: Práticas Educativas, Estilos Parentais e Vinculação: Estudo do Apego no Contexto Familiar