Artigos com o tema:

Psicologia Comunitária

Resumo: O artigo tem como enfoque descrever a implantação do Planejamento Familiar (PF) no Brasil, exemplificando sua metodologia e justificativa, bem como visto da esfera psicológica, mencionar os profissionais envolvidos nesse processo e suas ações que possibilitam a homens e mulheres que desejam submeter-se a cirurgias de laqueadura e vasectomia e outros meios anticonceptivos a decidirem de forma livre e consciente. Vale destacar que o Planejamento Familiar, com conhecimento dos métodos e livre escolha, é uma das atuações da Política de Assistência Integral à Saúde da Mulher recomendada pelo Ministério da Saúde, desde 1984. Em seguida mencionaremos os aspectos do Planejamento Familiar no âmbito judicial, atuações amparadas por lei assim como punições em decorrência do descumprimento. Visto que, de acordo com a Lei nº 9.263, Artigo 3º, da Constituição da República Federativa do Brasil, o Planejamento Familiar é parte integrante do conjunto de ações de atenção à mulher, ao homem ou ao casal, dentro de uma visão de atendimento global e integral à saúde. O tema deste artigo é inspirado na prática vivenciada no Estágio Supervisionado II, tendo embasamento pelo meio de pesquisas feitas em livros, artigos e site.

Palavras-chave: Planejamento Familiar, Aconselhamento, Laqueadura de trompas.

Leia mais: A Atuação do Psicólogo no Planejamento Familiar

Resumo: O presente artigo tem como objetivo principal explanar as atividades socioeducativas desenvolvidas no decorrer do estágio curricular obrigatório do curso de psicologia. No âmbito das politicas públicas de Assistência Social a atuação do psicólogo é muito recente, vivenciamos momentos de adaptação, dificuldades, porém também realizações acerca de projetos que se realizaram. O estágio ocorreu no Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), em um munícipio de pequeno porte como uma população de 11.000 habitantes. A experiência do estágio obrigatório proporcionou uma intervenção positiva, possibilitando as famílias acompanhadas uma reflexão sobre convivência, qualidade de vida e a importância de fortalecer o vínculo familiar constantemente. 

Palavras-chave: Psicologia, Politicas Públicas de Assistência Social, Atividades Socioeducativas.

Leia mais: Atuação do Serviço de Psicologia no CRAS: Expectativas e Realizações



Resumo: Este estudo teve como objetivo desvelar a percepção de familiares de doadores sobre o processo de doação de órgãos. Propõe conhecer a experiência vivida pelos familiares nesse momento tão desgastante, no que se refere aos quesitos informação sobre o procedimento, aos fatores que favoreceram e dificultaram na decisão e o processo de captação de órgãos. A amostra constituiu-se de duas famílias que concordaram com a doação dos órgãos de seu familiar. Metodologicamente, utilizou como vertente, uma pesquisa qualitativa com análise de conteúdo, tendo como instrumento para coleta de dados uma entrevista com perguntas semi-estruturadas, onde possibilitou a criação de três categorias de análises: O conhecimento sobre Doação e Morte Encefálica; a segunda, A decisão: um gesto que pode transformar a dor da morte em continuidade da vida; e a terceira, A família vivendo a doação: na contramão do egoísmo. O estudo possibilitou a compressão do procedimento de doação de órgãos sob a ótica dos familiares envolvidos nesse processo, onde a situação vivenciada é sofrida, burocrática e demorada, mas não há arrependimento quanto à aceitação. Embora a dor da perda seja inexplicável e sem fim, a atitude de doar é um gesto que pode transformar a dor da morte em continuidade da vida, além de trazer conforto para a família.

Palavras-chave: Doação de Órgãos, Família, Percepção.

Leia mais: Na Contramão do Egoísmo: a Percepção Acerca da Doação de Órgãos pela Família Doadora

Resumo: O artigo em questão desenvolveu-se a partir da inserção no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), com os objetivos voltados as Doenças Crônicas não Transmissíveis no município de Arapiraca-Al, precisamente na Unidade Básica de Saúde Francisco Pereira (IV Centro). Através de um olhar da Psicologia e do Serviço Social, por meio de seu acumulo de conhecimento e leituras sobre a temática. Trazendo resultados tanto no âmbito acadêmico e profissional, como para os usuários. Assim, o estudo busca o conhecimento da realidade local, para o envolvimento no mesmo, com ações interdisciplinares e uma educação em saúde tanto na prevenção como no controle das DCNT.

 
Palavras-chave: PET-Saúde, DCNT, Educação em Saúde.

Leia mais: Estratégias do PET-Saúde Doenças Crônicas não Transmissíveis: um Olhar da Psicologia e do Serviço...

Resumo: Diante da importação de conhecimentos, e da não contextualização de nossa prática, surgiu à necessidade de uma psicologia própria do Brasil e podemos citar como maior expoente da psicologia social critica brasileira, Silvia Lane. Brasileira, Paulista e filósofa, afirmava que a psicologia teria de ser mais política e que isso não faria com que a psicologia fosse menos científica. E que toda psicologia é social, porque cada sujeito emerge de um coletivo, de uma família e de várias instituições. Então, esse artigo tem como objetivo falar a respeito das bases epistemológica da psicologia comunitária. Mostrando que a psicologia deve ser para todos, deve ser desmistificada, deixando de ser uma prática elitista para ser uma prática divulgada e de direito de todo cidadão.      

Palavras-chave: Psicologia Comunitária, Psicologia da Libertação, Psicologia das Maiorias, Epistemologia.

Leia mais: Bases Epistemológicas da Psicologia Comunitária no Ceará

A dependência química, uso abusivo de substancias psicoativas é um fenômeno que está presente em toda história da humanidade nas mais diversas culturas, épocas e contextos. Antigas civilizações já faziam uso de produtos naturais em busca de prazeres efêmeros ou alterações no estado de consciência.

Leia mais: Dependência Química

Com o advento da Psicologia Social em 1950 e seu desdobramento até os dias de hoje a atuação do psicólogo se estende para os conflitos comunitários, em áreas que apresentam vulnerabilidades, na medida em que incorpora, de certo modo, além do papel de psicólogo, o de “agente social”. Assim, a psicologia social e comunitária:

Leia mais: Introdução à Psicologia Comunitária: em busca da consolidação de seus referenciais teóricos e...

Resumo: O presente artigo visa relatar uma experiência que focaliza os limites e possibilidades de reconhecimento das especificidades culturais e sócio-históricas de remanescentes de quilombolas, cujo recolhimento da história se deu exclusivamente por entrevista com os sujeitos, não havendo consulta à rigor de documentos. Objetivou-se identificar os elementos constitutivos do processo de formação identitária calcada na perpetuação da tradição dessa comunidade. De modo a verificar se a tradição quilombola é mantida pelos remanescentes ou se esta sofre atravessamentos por parte de políticas públicas universais no contexto da cultura local. Foi utilizado o método qualitativo em uma pesquisa participante, tendo como instrumentos de coleta de dados uma observação participante e o registro dos contos, “causos”, lendas e estórias locais. A relevância social da intervenção justifica-se pela importância de investigar a forma com que a cultura quilombola é perpetuada e/ou resgatada, para que a partir desse conhecimento seja possível se pensar em estratégias que possam reavivar ou resguardar os aspectos inerentes a essa cultura. No contexto científico essa produção garante um espaço de reflexão e dá subsídio para pensar em formas de manutenção da tradição nessa localidade, uma vez que foram percebidos atravessamentos de políticas públicas universalizantes, que por vezes desconsidera especificidades histórico-culturais, influenciando negativamente a transmissão e/ou perpetuação da cultura quilombola na comunidade.

Palavras-Chave: Cultura, remanescentes quilombolas, identidade, perpetuação.

Leia mais: Vozes do Quilombo: um relato de experiência vivenciada na Comunidade Quilombola de Palmeirinha – MG