Artigos com o tema:

Psicanálise

Resumo: O presente estudo tem como objetivo analisar e refletir acerca das concepções que os estudantes de graduação em psicologia têm sobre o ciúme por meio de uma pesquisa descritiva. Com relação à metodologia, foi empregado o procedimento Desenho-Estoria com Tema em 65 alunos da graduação do curso de psicologia, 58 mulheres e 7 homens entre 18 e 58 anos, com a instrução: “Desenhe o que você pensa ser o ciúme e, em seguida no verso da folha, faça uma estória sobre o desenho.” As produções foram analisadas a partir dos métodos qualitativos e quantitativos. Como resultados, os desenhos temáticos, de maneira geral trazem que a representação social de ciúme para homens e mulheres está ligada basicamente a relacionamentos amorosos, sendo este sentimento de fundamental importância mesmo causando dor, sofrimento e rompimentos. Não pode deixar de estar presente nos relacionamentos, pois funciona como termômetro em relação aos sentimentos do companheiro. Os desenhos mostram que a ausência do ciúme nas relações significa consequentemente a ausência do amor, mas deve ser controlado, pois pode tornar-se doentio podendo destruir o outro física e psicologicamente.  Portanto, constata-se que a representação de ciúme está presente apenas nas relações amorosas como demonstração de sentimento, como amor e quando exagerado toma a forma de posse ou aprisionamento sobre seu parceiro podendo ser motivo de rompimento. Com base nesses dados concluímos que se faz necessário dar maior importância ao assunto e que os conhecimentos relacionados ao tema sejam melhor estudados pelos alunos que terão de lidar com o sentimento em sua futura pratica profissional.

Palavras-chave: Concepção. Ciúme. Desenho-Estoria com Tema.

Leia mais: A Concepção de Ciúme dos Alunos do Curso de Psicologia da Unigran

Resumo: O diagnóstico atualmente remete a questões como formação profissional e critérios diagnósticos utilizados por quem acompanha pessoas com grave sofrimento psíquico. O diagnóstico médico está baseado no tripé alterações anatomopatológicas, encontro do agente etiológico e descrição de sinais e sintomas, privilegiando exclusivamente o sentido do olhar médico, e visando a abolição dos sintomas causadores de sofrimento; o diagnóstico psicanalítico leva em consideração aspectos da particularidade de cada sujeito, sua história de vida, para tal contará com o momento das entrevistas preliminares, momento em que detectará a viabilidade ou não de uma análise, a noção de estrutura clínica e seu referente à psiquiatria clássica em neurose, psicose e perversão e de uma ética em seu trabalho clínico, que permitirá a fala do sujeito, privilegiando o sentido da escuta como ferramenta de trabalho e direcionando à cura.

Palavras-chave: diagnóstico médico; diagnóstico psicanalítico; sintoma.

Leia mais: Sobre o Diagnóstico Clínico: Diagnóstico Médico e Psicanalítico



Resumo: O presente artigo tem como objetivo evidenciar as consequências emocionais da paternidade precoce em adolescentes. O delineamento metodológico do estudo foi à pesquisa bibliográfica baseada nos aportes teóricos de Levandowski (2002), Freitas e Faustino (2009) e Luz (2010). Os resultados apontam que a paternidade precoce é um caso que merece atenção, pois os pais assim como as mães, também têm sentimentos em relação a esse filho, e muitas vezes ele não é levado em consideração, sendo sempre considerado como o culpado e incapaz de ser um bom pai. Algumas das consequências encontradas foram: a falta de apoio familiar; as obrigatoriedades do trabalho; e a responsabilidade de ser provedor de sua própria família, deixando de ocupar o lugar de filho, para torna-se pai, Desta forma, pode-se considerar que o pai adolescente necessita ser estimulado a evidenciar seus sentimentos e ir reconhecendo suas responsabilidades e participação na vida e desenvolvimento do filho.

Palavras-chave: Consequências emocionais, Paternidade precoce, adolescentes.

Leia mais: As Consequências Emocionais da Paternidade Precoce em Adolescentes

Resumo: O presente trabalho pretende apresentar os resultados de um estudo das obras de Sigmund Freud e Melanie Klein, sobre o luto e melancolia. A metodologia utilizada foi baseada em pesquisa teórica e duas entrevistas que possibilitaram a coleta de dados de uma profissional da Psicologia, especialista no tratamento das psicopatologias citadas e um individuo enlutado que descreve sua dor pelo ente perdido. Segundo os autores Entende-se que luto é uma fase transitória em que o sujeito, se depara com a perda do objeto de amor, e a superação desta fase se dá com a substituição do mesmo, e é, a libido antes investida no material perdido, será emprega em um novo objeto. Já melancolia é classificada como uma patologia descrita por Freud como psiconeurose narcísica, nesse quadro o individuo se identifica com o objeto perdido, o que proporciona o empobrecimento do ego. Freud e Melanie Klein relataram que no luto há dois aspectos o de preservação da espécie humana, ou seja, a sensação de ter perdido “o objeto” introjetado no ego desencadeia no individuo o temor de sua própria morte e um triunfo sobre o objeto perdido, ou seja, o fato de ter permanecido vivo produz inicialmente no individuo certo gozo satisfatório diante do que perdeu.

Palavras-chave: luto, melancolia, triunfo, preservação da espécie.

Leia mais: Luto e Melancolia nas Teorias de Freud e Melanie Klein

Despretensiosamente, incito-me a iniciar este artigo com uma epígrafe de Freud: ”Se eu pudesse te dizer aquilo que nunca te direi: Tu poderias entender aquilo que nem eu sei”.

Partindo dessa premissa análoga, será possível discorrer um pouco sobre o vastíssimo saber que evoluiu  através da Psicanálise, com o intuito de sobressaltar a desconstrução  do conluio entre o autoconhecimento e os avanços científicos.

Leia mais: A Psicanálise em Controvérsia nas Práticas dos Saberes

Resumo: as complexidades encontradas
quando um genitor precisa assumir as funções que normalmente seriam assumidas por ambos os genitores, quanto ao arquétipo mãe, duas funções se destacam que são o nutrir e o proteger; e ao mesmo tempo essa mãe precisará ser a introdutora de si mesma, sendo ela mesma a metáfora paterna. A relação fusional mãe-bebê no momento oportuno precisa ser castrada, para que essa mãe seja de fato suficientemente boa precisará ser também introdutora da lei, ou seja, a lei simbólica. Este artigo traz uma discussão sobre o papel materno na sociedade contemporânea no que se refere ao desafio que as mães têm em ser ao mesmo tempo, o arquétipo mãe do inconsciente coletivo de Jung e a lei simbólica, repensando o conceito winnicottiano de mãe suficientemente boa. Trata-se de uma revisão literária com pressupostos psicanalíticos onde se discute as mudanças ocorridas no papel da mulher na sociedade contemporânea, ressaltando na família monoparental.

Palavras-chave: família monoparental, arquétipo mãe, complexo de castração, mãe suficientemente boa, arquétipo materno

Leia mais: Novas Configurações Familiares e o Desafio Materno em ser Suficientemente Boa

Resumo: A menstruação é um fenômeno que pode produzir na mulher alterações psicológicas e biológicas como depressão, ansiedade, nervosismo, mastalgia, cefaleia, irritabilidade, sensibilidade, entre outros. Outro aspecto crítico para a mulher é a menarca que ocorre quando a menina entra na puberdade, momento de ambivalência entre ser criança e ter se tornado adulto. Para a psicanálise, a menstruação pode gerar reativações inconscientes que podem causar angústia na mulher por fazê-la reviver fantasias inconscientes de sua primeira infância.

Palavras–chave: Menstruação, Psicanálise, Sexualidade Feminina.

Leia mais: Um Olhar Psicanalítico Sobre a Menstruação

Resumo: A abordagem desse artigo surgiu a partir de observações em uma comunidade terapêutica religiosa, acerca de atendimentos de acolhimento individual psicológico com indivíduos que faziam uso de drogas, principalmente álcool, crack e cocaína, assim como alguns que se encontravam em situação de rua. Apresentar-se-á o tema sobre a dependência química relacionada com alguns conceitos psicanalíticos, de forma não muito minuciosa, tais como, pulsão, sendo este estimulante de carga energética na vida de qualquer pessoa, será relatado também sobre a transferência e sobre o luto relacionado à execução ou não, da função materna e paterna. Podemos dizer que o pai é o representante da lei, da regra, é o que proíbe. Sendo que, se essa função falhar o sujeito vai estar exposto aos mais variáveis conflitos psíquicos.

Palavras-chave: Dependência química, função paterna, comunidade terapêutica.

Leia mais: A Questão da Dependência Química Associada à Função Paterna e Outros Conceitos da Psicanálise