Resumo: O presente trabalho consistiu na replicação sistemática do trabalho de Miller e Kelley (1994) para avaliar os efeitos da definição de objetivos, contrato de contingências e treino de pais sobre o desempenho na tarefa de casa.  Participaram três díades pais-filho e uma tríade, as crianças tinham entre seis a onze anos, todas com dificuldades escolares. Foi realizado a linha de base múltipla e delineamento de reversão com 4 condições experimentais, utilizando os seguintes procedimentos: observação em ambiente natural e clínica, controle de estímulos, modelagem, modelação, aprendizagem sem erros, treinamento com os pais, e tarefas de casa. Os resultados salientam a necessidade de uma programação de contingências e acompanhamento parental de crianças durante a tarefa escolar para melhorias no desempenho.  

Palavras-chave: Contrato de Contingências, Definição de Objetivos, Treino de Pais, Tarefa de Casa e Análise do Comportamento.    

1. Introdução

As dificuldades no aprendizado escolar estão entre as principais demandas no atendimento psicológico nas clínicas-escolas de Psicologia e nos serviços de saúde pública, incluindo a saúde mental (BARBOSA e SILVARES, 1994; SALES, 1989; SANTOS, 1990). Nos atendimentos pediátricos em ambulatórios e consultórios tornou-se frequente as queixas referentes a dificuldades escolares, sendo estas relacionadas a escrita e leitura, habilidades precorrente à tarefa escolar. Esta queixa está entre as sete mais frequentes em cada 10 cidades brasileiras (ARAÚJO, 2002).

Carvalho e Burity (2006) mostraram o quanto é comum que os pais não tenham habilidades para educar seus filhos, e sentem-se culpados pelo fracasso escolar dos mesmos. Entre as dificuldades citadas pelos pais, se encontra a dificuldade em ajudar na lição de casa pela diferença de programa de ensino do tempo em que estudavam daquilo que é atualmente ensinado. Para ensinar comportamentos adequados aos filhos, os pais necessitam de habilidades que ainda não possuem, sendo comum o uso de controle aversivo e punição física quando seus filhos desrespeitam as regras. Os pais são responsáveis pelo desenvolvimento comportamental da criança, partilhando de tal responsabilidade com professores e outros cuidadores a medida que ela cresce e se desenvolve. 

As habilidades escolares não resultam da maturação biológica, portanto, devem ser ensinadas e aprendidas considerando as circunstâncias familiares e escolares que se encontra a criança (NUTTI, 2013). A tarefa de casa é uma importante atividade escolar presente desde a infância; realizá-la de forma adequada traz diversos benefícios ao indivíduo (PATALL, COOPER e ROBINSON, 2008).

O comportamento de estudar como qualquer outro é estabelecido e mantido pelas contingências, tendo antecedentes e consequentes e que em tal comportamento as próprias contingências de ensino podem ser as condições para que o aprender ocorra ou não (HUBNER e MARINOTTI, 2000; FERREIRA e MARTURANO, 2002).

Os eventos antecedentes (procedimentos de estudo) e consequentes (reforçadores positivos e negativos após a execução das tarefas, etc.) descrevem as variáveis das quais o comportamento de estudar é função. Dessa forma, o ensino mostra-se eficaz quando há uma seleção e uma ordenação apurada de estímulos e comportamentos a que se busca modificar, de modo a estabelecer entre eles as relações funcionais (programação de contingências).

Para a modificação de um operante são utilizados eventos contingentes ao comportamento que se pretende instalar aumentando a probabilidade de ocorrência futura do mesmo, são assim chamados de reforço positivo.  A partir do uso adequado do reforço um novo comportamento é instalado passando a fazer parte do repertório comportamental de um organismo, para tanto é preciso avaliar se o comportamento a ser ensinado é funcional (MARTIN e PEAR, 2007/2009). A partir da discriminação de estímulos o aluno passa a apresentar certas respostas na presença de determinados estímulos, situação em que o comportamento será reforçado. Após tais procedimentos, o aprendiz fica sob o controle dos estímulos emparelhados ao reforçamento, passando a ocorrer apenas na presença destes e logo generalizando suas respostas em situações semelhantes (TEIXEIRA, 2006). 

Para a programação do estudo, os responsáveis são treinados sobre os procedimentos adotados; o treino em uma área do comportamento em uma habilidade pode melhorar o desempenho em outra. Dispondo de ótimas contingências de reforço, o analista do comportamento aumenta a frequência de determinado comportamento em diversas situações. Durante o ensino de novas respostas, a presença dos pais vai sendo esvanecida em função do progresso do aluno (MARTIN e PEAR, 2009).

A Análise Experimental do Comportamento, a qual por meio de estudos em laboratórios e aplicações bem-sucedidas demonstra empiricamente técnicas eficazes para educação. Por meio do arranjo de contingências, esquemas de reforçamento no programa de ensino, discriminação, generalização e controle de estímulos, encadeamento, extinção operante e esvanecimento, há favorecimento da educação (AZEVEDO e BORGES, 2007; TEIXEIRA, 2006).

A ausência da programação de contingências, o uso do controle aversivo, o atraso na liberação do reforço e baixa densidade do mesmo, são falhas frequentes no ensino e estão relacionadas ao fracasso em atividades escolares, que podem ser modificadas com o uso de técnicas operantes. A contribuição de uma ciência do comportamento é possível por uma tecnologia de ensino em que a aplicação do conhecimento é simples e direta e por deduzir programas, esquema e métodos de instrução (TEIXEIRA, 2006). 

No estudo realizado por Miller e Kelley (1994) foi utilizado o contrato de contingências e definição de objetivos para aumentar o desempenho de crianças nas tarefas escolares.  A pesquisa foi realizada com 4 díades pais-filho, tendo como critério para a participação das crianças a aplicação de um questionário nomeado de Checklist de Problemas com a Tarefa de Casa (ANESKO, SCHOIOCK, RAMIREZ, e LEVINE, 1987).

Composto por 20 itens relacionados a problemas com as tarefas de casa. A pontuação mínima era zero e a máxima 60, com desvio padrão de 18. Miller e Kelley (1994) mesclaram na pesquisa o delineamento de reversão e delineamento de base múltipla. Tendo como variável independente a definição de objetivos e contrato de contingências, enquanto variável dependente era avaliado o desempenho na tarefa.  A definição de objetivos consiste na divisão da tarefa em pequenas etapas com poucos objetivos a serem cumpridos num tempo estabelecido, e o contrato de contingências trata-se da seleção de consequências para os comportamentos relacionados à tarefa de casa.

O presente estudo consistiu numa replicação sistemática do trabalho de Miller e Kelley (1994) objetivando: (1) verificar o efeito do contrato de contingências e definição de objetivos no comportamento de realizar a tarefa de casa em crianças entre seis e onze anos com diagnósticos de transtornos de aprendizagem e/ou de Neurodesenvolvimento e (2) verificar o efeito do treino de pais para acompanhar a criança na atividade.

2. Método

2.1 Participantes

Participaram deste estudo três díades pais-filhos e uma tríade mãe-pai e filho, as crianças cursavam o ensino fundamental, sendo três de escolas particulares e uma de escola pública, e todos com dificuldades relacionadas a tarefa de casa.

2.2 Materiais e Ambiente

Foram utilizados o Checklist de Problemas com a Tarefa de Casa (CPTC), questionário composto por 20 itens com questões sobre comportamentos-problemas relacionados com as tarefas escolares.  Além do CPTC foi utilizado o Registro de Comportamentos Relacionados e Não Relacionados à Tarefa de Casa (adaptados por Miller & Kelley, 1994).

Foram utilizados: lápis, borracha, canetas, folhas de papel A4, prontuários, folha de procedimento, computador e impressora. Os reforçadores materiais utilizados durante o treino da tarefa de casa e aprendizagem sem erro, foram: pirulitos, paçocas e balinhas. 

As sessões foram realizadas em um consultório sala-espelho (20 m²) do Centro de  Estudos, Pesquisas e Práticas Psicológicas (CEPSI) da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

2.3 Procedimento

A pesquisa ocorreu em 20 sessões, com delineamento de Reversão com quatro condições experimentais diferentes: (1) Linha de Base, onde se realizou a anamnese, avaliação funcional, observação em ambiente natural e em consultório; (2) Intervenção utilizando a Definição de Objetivos (DO) e Contrato de Contingências (CC) na quinta sessão; (3) Retorno à Linha de Base na 15ª sessão; (4) Retorno à Intervenção na 18ª sessão. Considerando que cada criança iniciou a linha de base em sessões diferentes foi também utilizado a Linha de Base Múltipla.     

Os participantes foram selecionados por meio das fichas de triagens do CEPSI, tendo como critério de inclusão a faixa etária entre seis e dez anos, ter queixa de dificuldades de aprendizagem e problemas com a tarefa escolar. A finalidade foi avaliar a definição de objetivos e contrato de contingências enquanto variável independente e o desempenho na tarefa escolar enquanto variável dependente. Fez parte do contrato, participar de duas sessões por semana de 50 minutos cada, realizada no consultório do CEPSI. Foram entregues um questionário criado pela autora sobre repertório escolar junto ao Checklist de Problemas Com a Tarefa de Casa (CPTC).

Os pais foram convidados à uma entrevista inicial, a fim de realizar a coleta de dados e uma avaliação funcional breve do participante. Em seguida foi realizado o contrato de participação, onde foram descritas as atividades e responsabilidades dos participantes durante a pesquisa, dentre elas dispor de um tempo diário para acompanhar a criança na realização da tarefa escolar.

Para um dos participantes foi programado atividades de aprendizagem sem erro para a discriminação de estímulos verbais textuais a cada duas sessões, com a presença dos pais.

Foram utilizados reforçadores positivos sociais (elogios, atenção, etc.), e materiais (balinhas e pirulitos), os quais eram utilizados em esquema de reforçamento contínuo (CRF) contingentes ao comportamento de leitura adequada do participante.   Os pais foram instruídos a uma vez por semana definir junto a criança objetivos e um contrato onde as contingências para a tarefa de casa fossem estabelecidas, dividindo a tarefa em pequenas unidades, especificando os reforços a serem utilizados em cada condição.

As condições estabelecidas incluíam: determinar um tempo para a realização da tarefa, materiais necessários, espaço adequado e consequências reforçadoras caso a criança viesse atingir mais da metade dos objetivos. Junto as crianças os pais podiam escolher várias recompensas evitando a fadiga do estímulo reforçador. As recompensas se diferiam entre as crianças, incluindo aumento do tempo numa atividade prazerosa (jogos virtuais, atividades lúdicas), revista de gibis, livros (à escolha da criança), comidas preferidas.

Na última sessão (20ª) foi reaplicado o Checklist, onde se fez necessário o retorno a intervenção com os dois participantes do sexo masculino em função de seus pares dar condições arbitrárias e não acompanhar as crianças em todas as atividades propostas.

Figura 1 - Fluxograma do delineamento utilizado.

Figura 1 - Fluxograma do delineamento utilizado.

2.4 Resultados

A medida dos comportamentos pode ser verificada na Tabela 1.  Para a medida de comportamentos-relacionados (olhos direcionados à tarefa) foi registrado a frequência a cada 30 segundos.

Comportamentos Relacionados

Participantes

LB

Intervenção 1

LB 2

Intervenção 2

P1

62

481

248

164

P2

97

1101

684

544

P3

98

799

291

102

P4

16

148

51

10

Tabela 1. Frequência de Comportamentos Relacionados nas quatro condições experimentais.

Figura 2. Frequência de comportamentos coletados durante a execução da tarefa.

Figura 2. Frequência de comportamentos coletados durante a execução da tarefa.

Foi considerado enquanto comportamentos Não-Relacionados: (1) manipular objetos; (2) prestar atenção em algo diferente; (3) levantar-se da cadeira por mais de segundos sem permissão; (4) pôr a cabeça sobre a mesa ou caderno; (5) solicitar respostas ou dica das questões (Figura 2).  

Figura 3. Registro de Comportamento das quatro condições experimentais.

Figura 3. Registro de Comportamento das quatro condições experimentais. 

Durante a Linha de Base os pais foram orientados a acompanhar a criança na tarefa da forma que estavam acostumados a fazer. Esta observação ocorreu em duas condições diferentes, em ambiente natural (na casa da criança) e outra na sala-espelho do CEPSI.

Os participantes apresentavam dificuldades relevantes na execução das tarefas, sendo comum prestar atenção em algo diferente e obter de seus pais as respostas das questões. Dentre as dificuldades observadas no ambiente natural estão: realizar a atividade em condições inapropriadas e uso indiscriminado de reforçadores pelos pais (permitir atividades reforçadoras por longo tempo independente da realização da atividade escolar).   Ainda na LB observou ser uma prática comum dos pais dispor as respostas da tarefa à criança em situações em que esta recusava responder as questões, fortalecendo assim comportamentos de fuga e/ou esquiva em atividades escolares.

Foi também observados discussões e conflitos durante a tarefa, sendo comum exigências arbitrárias (estabelecer um tempo muito longo para a atividade) e ausência de reforçadores contingentes.

Os participantes (P1) e (P4) apresentavam um desempenho escolar considerado médio por suas notas estarem dentro da média esperada pela escola, porém apresentavam dificuldades relevantes na leitura e recusa às tarefas escolares. Os participantes (P2) e (P3) apresentavam déficits no repertório de escrita, leitura e compreensão, ambos eram repetentes do ano escolar, porém P3 obteve desempenho médio após o tratamento analítico-comportamental.  No Checklist de Problemas com a Tarefa de Casa: Os participantes tiveram uma redução na pontuação em comportamentos-problemas relacionados à tarefa conforme mostra a Tabela 2:  

Tabela 2 - Comparação da pontuação dos participantes no Checklist de Problemas com a Tarefa de Casa no começo e ao término do estudo.

Participante

Pontuação inicial no CPTC

Pontuação final no CPTC

P1

33

5

P2

12

7

P3

22

7

P4

39

9

Para todos os participantes houve melhor desempenho ao utilizar-se da Definição e Objetivos e Contrato de Contingências somado ao treino de pais para acompanhar a criança durante a tarefa de casa.

3. Discussão

O presente estudo verificou os efeitos do uso combinado de definição de objetivos e contrato de contingências em crianças com dificuldades substanciais com a lição de casa e avaliou que é uma estratégia para progresso na tarefa. A melhoria é possível por permitir aos pais e crianças uma rotina estruturada e facilita ao dividir a tarefa em pequenos objetivos (MILLER e KELLEY, 1994), além de promover melhor desempenho também em sala de aula (HARRIS e SHERMAN, 1974).

Todos os participantes mostraram visível aumento na frequência de comportamentos relacionados logo na intervenção, mas somente três mantiveram aumento relevante no desempenho durante a segunda linha de base e intervenção. Embora todos tenham reduzindo a frequência dos comportamentos relacionados quando sem as condições de controle, apenas o participante quatro não conseguiu manter seu desempenho, tendo a frequência de 10 comportamentos relacionados.

O participante quatro não mostrou níveis altos de desempenho, exibindo níveis baixos, não sendo possível esclarecer com precisão as variáveis controladoras do seu comportamento de responder pouco. Os procedimentos podem não ter exercido controle necessário para os comportamentos avaliados neste estudo.

Verificou-se que participantes que apresentaram uma maior quantidade de comportamentos problemas na escola e em casa, tiveram um aumento inferior comparado às demais. Estes dados corroboram os mesmos encontrados por Miller e Kelley (1994).  O suporte parental à criança na tarefa escolar é um fator relevante no desenvolvimento infantil, ou seja, é importante que pais dediquem tempo e recursos à criança. Pais que dispõem de tempo para compartilhar com seus filhos de atividades culturais e educacionais favorecem o desempenho escolar e o desenvolvimento de habilidades sociais (BRADLEY e CORWYN, 2002). 

As crianças do presente estudo afirmavam que no início não tinham interesse em realizar a tarefa e pensavam que “não sabiam de nada”, o que mudou após obterem ganhos com a tarefa, incluindo elogios por familiares, professores e amigos de classe pelo aumento do desempenho. Esses resultados apontam para o fato de que o aprendiz no início fica sob o controle dos estímulos emparelhados ao reforçamento, passando a ocorrer apenas na presença destes e logo generalizando suas respostas em situações semelhantes (TEIXEIRA, 2006). 

As crianças relataram que após o programa de estudo passaram a ter mais facilidade em resolver os problemas da tarefa, e que a participação de seus pais colaborou no desempenho, passando de uma atividade aversiva para reforçadora pelos ganhos materiais e sociais obtidos. Os pais afirmaram que houve redução de comportamentos de birra e fuga/esquiva durante a lição de casa, assim reduzindo os conflitos familiares.

Tanto os pais quanto as crianças afirmaram que os procedimentos utilizados na pesquisa colaboraram para que ficassem mais calmos e objetivos do que era de costume, e aprenderam a controlar o próprio comportamento em função dos objetivos a serem alcançados. Enfim, fica evidente que o desempenho da tarefa escolar depende de condições de controle para ser ou não eficaz, fazendo-se necessário utilizar reforçadores contingentes ao comportamento de fazer a tarefa de casa para se instalar repertórios adequados. A tarefa de casa é importante para o desenvolvimento tanto escolar quanto social da criança por ser uma atividade de exposição a interação social. O indivíduo passa a adquirir habilidades que lhe serão vantajosas no grupo (SKINNER 1953/2003). Há uma relação direta entre aumento do desempenho escolar com aumento da autoestima e redução de comportamentos antissociais por apresentação de reforçadores positivos (PATTERSON, REID e DISHON 1992).

Portanto os objetivos propostos para este estudo foram atingidos, na medida em que os pais se dispuseram a participar ativamente do processo. Para P4 as dificuldades de participação da mãe no programa se refletiram no desempenho da criança, como pode ser observado na Figura 01. De modo geral, os dados replicam o trabalho de Miller e Kelley (1994) e demonstram como o desempenho em tarefas escolares dependem da programação de contingências com uso de definição de objetivos e contrato de contingências. 

Sobre os Autores:

Abnilsa Durães da Silva Resende - Psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), cursa mestrado em análise e evolução do comportamento na mesma instituição. Atua em na área clínica, saúde e social (grupo de dependentes químicos) utilizando os princípios da Análise do Comportament Humano.

Flávio da Silva Borges - Psicólogo analista do comportamento, Mestre em Psicologia Experimental do Comportamento, professor do curso de psicologia na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) e psicoterapeuta clínico.

Referências:

Anesko, K. M., Schoiock, G., Ramirez, R., & Levine, F. M.(1987).  The homework problem checklist: Assessing children's homework difficulties. Behavioral Assessment, 9, 179-185.

Araújo, A. P. Q. C. (2002). Avaliação e manejo da criança com dificuldade escolar distúrbio de atenção. Jornal de Pediatria, 78, S104-S110.

Azevedo, G. N., & Borges, F. S. (2007). É difícil ler? Treino de leitura por controle  estímulos. Manuscrito submetido à publicação.

Bandeira, M., Rocha, S. S., & Magalhães, T. P. (2006). Comportamentos Problemáticos em estudantes do ensino fundamental: características da ocorrência e relação com habilidades sociais e dificuldades de aprendizagem. Estudo em Psicologia, 199208.

Barbosa, J. I. & Silvares, E. F. (1994). Uma caracterização preliminar das clínicas-escolas      de Fortaleza. Estudos de Psicologia, 11, 50-56.

Bradley, R. H., & Corwyn, R. F. (2002). Socioeconomic status and child development. Annual Review of Psychology, 53, 371-399. 

Botomé, S. P. (1981). Objetivos comportamentais no ensino: a contribuição da análise experimental do comportamento. Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. São Paulo-SP. 

Carvalho, M. E. P. & Burity, M. H. (2006). Dever de casa: práticas atuais e visões de professoras, estudantes de pedagogia e mães. Olhar de professor, 9, 1, 31-46. Recuperado de: <http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/684/68490103.pdf> em fev. 2008.

Caballo, V. E. (2007). Manual de técnicas de terapia e modificação do comportamento (M. D. Claudino, trad.). São Paulo: Santos. (Trabalho original publicado em 1996). 

Coser, D. S., Cortegoso, A. L., & Gil, M. S. C.A (2011). Promoção de comportamentos de estudo em crianças: resultados de um programa de ensino para pais e responsáveis. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva13(2), 58-78.  Recuperado em 23 de junho de 2015, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452011000200006

Cortegoso, A. L. & Botomé, S. P.  (2002). Comportamentos de Agentes Educativos como Parte de Contingências de Ensino de Comportamentos ao Estudar. Psicologia: Ciência e Profissão, 22, 1, 50-65.

D´Avila-Bacarji, K. M. G., Marturano, E. M., & Elias L. C. S. (2005). Recursos e adversidades no ambiente familiar de crianças com desempenho escolar pobre. Paidéia - Cadernos de Psicologia e Educação, 15(30), 43-55.

Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (2005). Psicologia das Habilidades Sociais na Infância Teoria e Prática. Petrópolis: Vozes

Ferreira, M. C. T. & Marturano, E. M. (2002). Ambiente familiar e os problemas do comportamento apresentado por crianças com baixo desempenho escolar. Psicologia Reflexão e Crítica, 15, 1, 33-44.

Gurgueira, L. H. (2005). Avaliação de um programa de ensino para capacitar pais como agentes favorecedores do estudar. Trabalho de conclusão de curso, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos – SP.

Harris, V. W., & Sherman, J. A. (1974). Homework assignments, consequences, and classroom performance in social studies and mathematics. Journal of Applied Behavior Analysis, 7, 505-519.

Hubner, M. M. (1999). Contingências e regras familiares que minimizam problemas de estudos: a família pró-saber. In: Kerbauy, R. R.; Wielenska, R. C. (Orgs.) Sobre comportamento e cognição: Psicologia comportamental e cognitiva: da reflexão teórica à diversidade da aplicação. 1. ed, pp. 251-256. Santo André: ESETec Editores Associados.

Hubner, M. M. & Marinotti, M. (2000). Crianças com dificuldades escolares. Em E. F. M Silvares (Org.) Estudos de caso em Psicologia Clinica Comportamental Infantil, pp. 259-304. Campinas: Papirus.

Iñesta, E. R. (1970/1980). Técnicas de modificação do comportamento: aplicação ao atraso no desenvolvimento. (D. P. Soares, trad.) São Paulo: EPU.

Jenson, W. R.; Sheridan, S. M.; Olympia, D. & Andrews, D. (1994). Homework and Students with learning disabilities and behavior disorders: a pratical, parent-based approach. Journal of learning disabilities, 27, 9,  538-548.

Kahle, A. L. e Kelly, M. L. (1994). Children‟s homework problems: a comparison of goal setting and parent training. Behavior therapy, 25, 275-290.

Keller, F. S. (1968). " Good-bye, teacher...". Journal of applied behavior analysis, 1(1), 7989.

Martin, G., & Pear, J. (2009). Modificação de comportamento: o que é e como fazer. São Paulo: Roca. 

Marturano, E. M. (1999). Recursos do Ambiente Familiar e dificuldades de aprendizagem na escola. Psicologia: teoria e pesquisa, 15, 2, 135-142.

Marturano, E. M. (2006). O inventário de Recursos do Ambiente Familiar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19, 3, 498-506.

Martins N. A. R. (2001). Análise de um Trabalho de Orientação a Famílias de Crianças com Queixa de Dificuldade Escolar. Dissertação Mestrado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas - SP. 

Medeiros, P. C., Loureiro, S. R., Linhares, M. B. M., & Marturano, E. M. (2000). A autoeficácia e os aspectos comportamentais de crianças com dificuldade de aprendizagem. Psicologia Reflexão e Crítica, 13(3), 327-336. 

Miller, D. L. & Kelly, M. L. (1994). The use of goal setting and contingency contracting for improving children‟s homework performance. Journal of behavior analysis, 27, 7384.

Moreira, M. B. & Medeiros, C. A. (2007). Princípios básicos de análise do comportamento. Porto Alegre: Artmed.

Nutti, J. Z. (2011). Distúrbios, transtornos, dificuldades e problemas de aprendizagem. Manuscrito submetido à publicação.

Patall, E. A., Cooper, H. & Robinson, J. C. (2008). Parent Involvement in Homework: A Research Synthesis. Review of Educational Research78, 1039-1101.

Patterson, G., Reid, J. & Dishion, T. (1992). Antisocial boys. Eugene:   Castalia.

Parreira, V. L. C., & Marturano, E. M. (1996). Crianças com queixa de dificuldades escolares: um procedimento para sondagem de problemas de comportamento através do relato das mães. Psico, 27(1), 23-45.

Pereira, A. C. S.; Ambrózio, C. R.; Santos, C. N.; Borsato, F.; Figueira, F. F. & Riechi, T. I. J. (2005). Família e dificuldades de aprendizagem: uma reflexão sobre a relação pais e filhos. Anais 4º.Encontro de Extensão e Cultura da UFPR,  Curitiba. Recuperado de http://www.proec.ufpr.br/enec2005/links/saude.htm em: Outubro, 2008.

Pomerantz, E.M. & Eaton, M. M. (2001). Maternal intrusive support in the academic context: Tansactional socialization processes.  Developmental Psychology, 32, 174-186.

Sales, J. R. (1989).  Estudo sobre  a clientela da área de saúde mental em Varginha. Psicologia: Ciência e Profissão, 9, 22-26.

Sampaio, A. C. P.; Souza, S. R. & Costa, C. E. (2004). Treinamento de mães no auxílio à execução da tarefa de casa. Em: Brandao, M. Z. S.; Comte, F. C. S.; Brandão, F. S.; Ingbergman, Y. K.; Silva, V. L. M. & Oliani, S. M. (Orgs.). Sobre comportamento e cognição: contribuições para a construção da teoria do comportamento. p. 295 – 309. Santo André: ESETec Editores Associados.

Santos, M. A. (1990). Caracterização da clientela de uma clínica psicológica da Prefeitura de São Paulo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 42, 79-94.

Scarpelli, P. B.; Costa, C. E. & Souza, S. R. (2006). Treino de mães na interação com os filhos durante a realização da tarefa escolar. Estudos de Psicologia, 23, 1, 55-65.

Serejo, P., Hanna, E. S., Souza, D. G. & De Rose, J. C. C. (2007). Leitura e repertório recombinativo: efeito da quantidade de treino e da composição dos estímulos. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, pp. 191-215.

Silva, A. T. B. (2000) Problemas de comportamento e comportamentos socialmente adequados: sua relação com as habilidades sociais educativas de pais. Dissertação de Mestrado, Centro de educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos.  São Carlo - SP.

Skinner, B.F. (1972) Tecnologia de ensino. São Paulo; Herder.

Skinner, B. F. (2003). Ciência e comportamento humano (J. C Todorov & R. Azzi, trads.).São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1953).  

Souza, F. L. (2001). Administração de consequências atrasadas para comportamentos de estudo em crianças: papel e dificuldade de pais que trabalham fora de casa. Trabalho de conclusão de curso, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos – SP.

Sudo, C. H.; Souza, S. R. & Costa, C. E. (2006). Instrução e Modelação no treino de mães no auxilio a tarefa escolar. Revista Brasileira de Psicologia Comportamental e Cognitiva, 8, 1, 59-72.

Teixeira, A. M. S. (2006). Análise de contingências em Programação de Ensino Infantil - liberdade e efetividade na Educação. Santo André, SP.

Todorov, J. C., Moreira, M. B., & Martone, R. C. (2009). Sistema personalizado de ensino, educação a distância e aprendizagem centrada no aluno. Psicologia. Teoria e pesquisa, 25(3), 289-296.

Todorov, J. C. (2012). A psicologia como estudos de interações. Brasília: Instituto Walden4.

Watkins, T. J. (1997) Teacher communications, child achievement, and parent traits in parent involvement models. The Journal of Educational Research, 91, 3-13.

Weber, L; Salvador, A. P & Brandenburg, O. (2005). Programa de qualidade na interação familiar: Manual para aplicadores. Curitiba: Juruá.