Avalie este Artigo:

Resumo: O presente artigo vem discutir sobre as alterações cerebrais no diagnóstico do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, bem como as funções executivas e alterações do lobo frontal. O artigo traz a visão do âmbito neurológico e químico do Distúrbio e suas comorbidades, porém prioriza a discussão sobre os processos executivos e os reflexos na vida cotidiana de um individuo diagnosticado com o Distúrbio, tendo em vista suas limitações neurológicas. Cabe salientar que, as alterações neuroquímicas, psíquicas e emocionais são possivelmente tratadas, cabendo aos profissionais competentes o tratamento correto para a desmistificação do Distúrbio.

Palavras-Chave: TDAH, Funções Executivas, Alterações Neuroquímicas, Lobo Frontal.

Introdução

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é considerado um Distúrbio bastante frequente para muitos especialistas, cada vez mais crianças e adolescentes são diagnosticados e pais e educadores ainda não sabem qual o primeiro passo a ser dado. Não existe uma resolução permanente para o Distúrbio, mas há quebras de limitações e bloqueios, tendo em vista que cada caso é um caso e que há comorbidades a serem relevadas. Os tratamentos variam entre terapêuticos e farmacológicos, ou a associação de ambos, viabilizando assim o bem estar do individuo com o Distúrbio e seu progresso na vida acadêmica e social.

Ocorrem alterações importantes no lobo frontal, especificamente nas funções executivas do individuo diagnosticado, isto é, as funções executivas são comandadas pelo Executivo Central. Este componente da memória de trabalho é responsável pelo planejamento e execução de atividades complexas ou novas para o indivíduo. Toda vez que nos propomos a fazer uma nova tarefa como entrar numa aula de natação ou decidimos escrever sobre um tema novo, necessitamos do executivo central para gerenciar a execução desta atividade, para uma criança ou adolescente TDAH, são tarefas difíceis de serem executadas.

Cabe citar que o Distúrbio não é um problema de aprendizado, mas um problema que afeta a aprendizagem, tendo em vista que o individuo se desorganiza e não consegue manter atenção necessária no seu cotidiano escolar e até mesmo para sua vida social.

Conceituando o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

O TDAH é entendido modernamente como um transtorno de base neurobiológica, sendo que a suscetibilidade a ele parece ser determinada por múltiplos genes de pequeno efeito. (Castellanos e Tannock, 2002).

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade, três características marcantes do Distúrbio. É o transtorno mais comum em crianças e adolescentes encaminhados para serviços especializados. Segundo pesquisas aplicadas, ocorre em 3 a 5% das crianças, em mais da metade dos casos o transtorno acompanha o indivíduo na vida adulta, embora os sintomas de inquietude sejam mais brandos.

O TDAH na infância é associado a dificuldades na escola e no relacionamento com demais crianças, pais e professores. As crianças são consideradas como impulsivas e desatentas. Os meninos tendem a ter mais sintomas de hiperatividade e impulsividade que as meninas, mas todos são distraídos. Crianças e adolescentes com TDAH podem apresentar mais problemas de comportamento, como por exemplo, dificuldades com regras e limites.

Apesar da prevalência do TDAH variar mundialmente dependendo da amostra populacional, da idade e dos critérios de avaliação utilizados, trabalhos com metodologias adequadas, usando estratégias psicométricas associadas à metodologia clínica, documentam uma prevalência aproximada entre 3 a 7 em cada 100 crianças (Goldman et. 1998). No Brasil, em uma pesquisa com 1013 adolescentes foi encontrada uma prevalência de 5.8% (Rhode et al 1999). Em relação a gênero, o TDAH é predominante no sexo masculino em uma proporção de 9:1 na população clínica e 4:1 na população normal (DSM-IV-TR 2002). Na adolescência essas proporções são atenuadas para uma proporção 1:1 (Rhode et al 1999).

O Centro de Controle de Doenças e Prevenção dos Estados Unidos (CDC – Centers for Disease Control and Prevention) alerta que o diagnóstico do TDAH deve ser feito somente por profissionais treinados e qualificados na área da saúde mental, visto que vários sintomas presentes no TDAH também são observados em outras patologias, sistêmicas e neuropsiquiátricas.

Para o diagnóstico do TDAH é sempre necessário contextualizar os sintomas na história de vida da criança. Os sintomas de desatenção e/ou hiperatividade/impulsividade precisam ocorrer em vários ambientes da vida da criança (por exemplo, escola e casa) e manterem-se constantes ao longo do período avaliado. Sintomas que ocorrem apenas em casa ou somente na escola devem alertar o clínico para a possibilidade de que a desatenção, a hiperatividade ou a impulsividade possam ser apenas sintomas de uma situação familiar confusa ou de um sistema de ensino inadequado. É fundamental verificar se a criança não segue as instruções por não conseguir manter a atenção durante a explicação das mesmas. Em outras palavras, é necessário verificar se o sintoma supostamente presente correlaciona-se com o constructo básico do transtorno, ou seja, déficit de atenção e/ou dificuldade de controle inibitório.

A apresentação clínica pode variar de acordo com o estágio do desenvolvimento. Sintomas relacionados à hiperatividade/impulsividade são mais frequentes em pré-escolares com TDAH do que sintomas de desatenção. Como uma atividade mais intensa é característica de pré-escolares, o diagnóstico de TDAH deve ser feito com muita cautela antes dos seis anos de vida. Por isso, entre outras razões, que o conhecimento de desenvolvimento normal de crianças é fundamental para a avaliação do Distúrbio nesta faixa etária. A literatura indica que os sintomas de hiperatividade diminuem na adolescência, restando, de forma mais acentuada, os sintomas de desatenção e de impulsividade.

Alterações da Funcionalidade Cerebral no Diagnóstico TDAH

Estudos científicos mostram que portadores de TDAH apresentam alterações na região frontal e as suas conexões com o resto do cérebro. A região frontal é uma das mais desenvolvidas no ser humano em comparação com outras espécies animais e é responsável pela inibição do comportamento (isto é, controlar ou inibir comportamentos inadequados), pela capacidade de prestar atenção, memória, autocontrole, organização e planejamento.

Para Marcos Ferreira (2009), existem regiões cerebrais disfuncionantes responsáveis pelos sintomas de TDAH. A primeira região alterada é o Sistema Atencional Anterior, dependentes do neurotransmissor - dopamina. A segunda região alterada é o Sistema Atencional Posterior (composto pelo tálamo e lobo Parietal), cujo neurotransmissor relevante é anorepinefrina. Cabe salientar que tais neurotransmissores são responsáveis pela passagem de informações entre os neurônios durante as sinapses.

Para Solanto (2001) no aspecto neuroquímico, o TDAH é concebido como um transtorno no qual os neurotransmissores catecolaminérgicos funcionam em baixa atividade. Enfatizando a desregulação central dos sistemas dopaminérgicos e noradrenérgicos, controladores da atenção, organização, planejamento, motivação, cognição, atividade motora, funções executivas e também o sistema emocional de recompensa.

Sabemos que o funcionamento cerebral de uma criança portadora do TDAH é diferente de uma criança não portadora, isto é, há imaturidade do desenvolvimento cerebral. Porém, cabe salientar que, exames de neuroimagem são úteis na pesquisa das funções cerebrais de déficit de atenção e hiperatividade, mas não fornecem dados definitivos. Pesquisas recentes de neuroimagem têm avaliado em detalhes o circuito fronto-estriatal, sobretudo na região do córtex pré-frontal, caudado e globo pálido (Hendren, 2000). Outros mostram que também há alteração em córtex parietal posterior direito. Portanto, poderíamos chamar o TDAH de um transtorno fronto-subcortical (Schmitt, 2000).

O conceito básico de TDAH nos apresenta hiperatividade, impulsividade e desatenção, mas pesquisas apontam que há alterações no gene transportador e receptor de dopamina, devemos então considerar alterações neuroquímicas do Distúrbio. Entretanto, estamos dissertando sobre o TDAH puro, sem considera subtipos e comorbidades, sabemos que existe um gama de alterações psíquicas e emocionais desenvolvendo-se a partir do transtorno, podemos entender então, que há mais alterações cerebrais do que antes imaginado.

Podemos dizer que, não há um consenso científico sobre as causas do TDAH, trabalhamos com possibilidades e algumas afirmações. Considerando o fato que a patologia apresenta um fenótipo complexo e variado, pode-se entender que sua causa também seja, sendo múltiplas as causas e fatores de risco implicados.

Dentro no âmbito da psiquiatria e psicologia é possível identificar problemas no funcionamento executivo em vários quadros clínicos. Estas dificuldades estão presentes especialmente no TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção / Hiperatividade) (Brown, 2010), TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) (Lee et al., 2009), todas as classes de Dependências (Crews, 2009), nos quadros demências e até na depressão (McClintock et al., 2010).

O quadro clássico do Transtorno, principalmente em seus subtipos: Misto e Hiperativo-Impulsivo não costumam apresentar dificuldade de diagnóstico. Mas o Transtorno raramente se apresenta isolado. Com uma frequência maior que 50 % vem acompanhado de outros Distúrbios. A presença de comorbidades dá outra coloração ao quadro, dificultando muitas vezes seu reconhecimento. Também modifica o tratamento, na medida em que outras medicações são necessárias junto, antes ou depois da medicação específica para o TDAH.

Em determinadas comorbidades, como Transtorno Desafiador Opositor, Transtorno de Conduta, Distúrbios da Fala, Linguagem e Escrita, consideramos somente as alterações cerebrais clássicas do Distúrbio, porém em comorbidades que combinam o TDAH com Ansiedade, Transtorno Bipolar e Depressão, podemos afirmar que envolvemos alterações em outras regiões cerebrais. Por exemplo, no Transtorno Bipolar, afirmam-se alterações metabólicas nas células gliais, desordem cerebral. No item Ansiedade e Depressão, podemos trabalhar com hiperatividade cerebral, segundo o periódico PLos One, observa-se aumento na sincronização em todas as atividades elétricas do cérebro em indivíduos com diagnósticos de depressão, responsáveis então, por provocar sintomas como ansiedade, dificuldades de concentração, problemas de memória e Distúrbios do sono, características já assistidas no TDAH.

O TDAH e o Grande Maestro da Nossa Vida Cotidiana – O Lobo Frontal e Suas Funções Executivas

Já observamos que no conceito básico de TDAH nos apresenta hiperatividade, impulsividade e desatenção, mas pesquisas apontam que há alterações no gene transportador e receptor de dopamina, devemos então considerar alterações neuroquímicas do Distúrbio. Entretanto, estamos dissertando sobre o TDAH puro, sem considera subtipos e comorbidades, sabemos que existe um gama de alterações psíquicas e emocionais desenvolvendo-se a partir do transtorno, podemos entender então, que há mais alterações cerebrais do que antes imaginado.

Para Doutora Evelyn Vinocur, neuropsiquiatra e psicoterapeuta o TDAH ou Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade apresenta modelos neurobiológicos distintos. Afirmando assim que, o TDAH percorre para o comprometimento de áreas cerebrais responsáveis pelas funções executivas.

Especificando, a região do lobo frontal (região pré-frontal) é a responsável pelas funções executivas, que vão desde a capacidade do indivíduo planejar e desenvolver estratégias para a resolução de problemas à realização de metas de vida, o que exige, entre outras habilidades, a flexibilidade de comportamento, integração de detalhes num todo coerente e o manejo de múltiplas fontes de informação, todos coordenados com o uso de conhecimento adquirido.

Funções executivas são, na verdade, todos os comportamentos voltados para a realização de um objetivo ou de uma tarefa. Praticamente, quase tudo na vida é função executiva. Estabelecer prioridades, estar motivado para iniciar o dia, planejar-se com antecedência para o dia seguinte, ter o autocontrole e autorregulação das emoções, colocar suas ideias em uma ordem lógica para que sejam bem sucedidas, botar um plano em prática monitorizando o comportamento passo a passo, olhar à frente e ver se o seu projeto está saindo conforme o esperado ou mudar o seu rumo caso avalie ser necessário, frear comportamentos inadequados, manejar adequadamente o tempo, lidar bem com os estresses normais da vida diária, aprender com os erros, entre outros, são exemplos de função executiva. Características estas, constantemente observadas no Distúrbio.

Para Lúria, o cérebro é dividido em três zonas funcionais, e cada uma delas tem uma estrutura hierarquizada com três zonas corticais. Aqui falaremos especialmente da terceira Unidade Funcional, isto é, os lobos frontais, responsáveis por programar, regular e verificar a atividade mental.

Função executiva é um conceito neuropsicológico recentemente formulado, onde o executor recebe responsabilidades, tais como levantar informações, impor organização, formular planos, fixar objetivos, manter controle sobre circunstâncias cambiantes, e até mesmo antecipar numerosas possibilidades e modificar objetivos e planos de acordo com as mesmas. Em estudos neuropsicológicos, as funções executivas têm sido demonstradas como sendo muito diferentes da inteligência geral e memória. (Eslinger, 2000.)

Seguindo a proposta de Eslinger, a criança pequena é um executor em floração de seu próprio conhecimento, emoções e comportamento. Aquelas áreas do cérebro que possibilitam funções executivas são as últimas a amadurecer, usualmente não antes da idade adulta jovem. Durante o desenvolvimento, as funções executivas tornam-se progressivamente mais conectadas aos domínios do conhecimento para fatos, números, palavras e imagens, para o propósito de como, porque e quando utilizar tal conhecimento em comportamentos dirigidos a metas.

As funções executivas são modeladas por muitas influências educacionais e compreendem um conjunto de habilidades e de conhecimento. Podendo até mesmo ser “ensinada” de forma direta, onde os elementos mais precoces das funções executivas começam com as interações pais-filhos, expandem-se muito nas brincadeiras, e florescem em atividades acadêmicas, sociais e recreativas mais complexas. Crianças se tornam mais efetivas como executores pessoais quando são desafiadas e treinadas para tal.

De acordo com a Psicologia Cognitiva, a mente humana é um grande processador de informações. Estas informações podem ser processadas de maneira automática ou de maneira controlada. Segundo Oliveira (2006), aquilo que se torna supra-aprendido, por ter sido repetido diversas vezes, é entendido pelo nosso cérebro como um processo automático. Um exemplo seria andar de bicicleta ou amarrar os sapatos aos 20 anos de idade, tendo aprendido na infância. Já as atividades mais complexas, como resolver uma equação matemática ou aprender a dirigir, exigem um processamento controlado. Nestes casos, é necessário planejar os próximos passos e monitorar a sua execução até que se chegue ao resultado final. Existe uma região do nosso cérebro exercendo especificamente esta função de gerenciar o processamento das informações, ou seja, exercendo uma função executiva. As funções executivas são comandadas pelo Executivo Central. Este componente da memória de trabalho é responsável pelo planejamento, monitorizando e executando as atividades complexas ou novas para o indivíduo. Toda vez que nos propomos a fazer uma nova tarefa como entrar numa aula de natação ou decidimos escrever sobre um tema novo, necessitamos do executivo central para gerenciar a execução desta atividade.

O TDAH afeta diretamente todas as funções até aqui dissertadas, tais falhas cotidianas são observadas com frequência no Distúrbio e nos diagnósticos do mesmo. Entre outras características, podemos afirmas que embora a criança hiperativa tenha muitas vezes uma inteligência normal ou acima da média, o Distúrbio aqui referido é caracterizado por problemas de aprendizado e comportamento. Os professores e pais da criança hiperativa devem saber lidar com a falta de atenção, impulsividade, instabilidade emocional e hiperativa incontrolável da criança. A criança com Déficit de Atenção muitas vezes se sente isolada e excluída dos colegas, mas não entende por que é tão diferente. Perturba-se com suas próprias incapacidades. Sem conseguir concluir as tarefas normais de uma criança na escola, em casa e até mesmo na sociedade formal, a criança pode sofrer de estresse, tristeza e baixa autoestima, retomando assim, as comorbidades relativas ao transtorno, onde o diagnóstico preciso se faz primordial para o sucesso do tratamento.

Retomando, o executivo central se localiza nas regiões pré-frontais dos lobos frontais. “Lesões ou disfunções nesta região resultam em perturbação das funções executivas e afetam indiretamente todos os processos cognitivos (Oliveira, 2006)”.

Estas funções incluem raciocínio, lógica, estratégias e tomada de decisões, além de manter ações permanentes de controle mental. Este conjunto de funções tem um papel central na organização e no planejamento de todas as nossas ações, pois auxiliam na manutenção de iniciativa, estabelecimento de objetivos, monitorizando as tarefas por meio do autocontrole, sempre repensando as estratégias de acordo com o plano original, sendo chamadas de funções executivas. De acordo com Goldberg (2001), o cérebro humano é o sistema natural de maior complexidade dentro de todo o universo e assim como qualquer corporação, exército ou uma grande orquestra, o cérebro possui diferentes áreas, responsáveis por diferentes funções. Toda grande organização necessita de um diretor, chefe, maestro.

As funções executivas são aquelas que mais nos diferenciam dos animais já que compreendem o processo cognitivo orientado a uma determinada meta. Para tanto, nós seres humanos, temos a habilidade de processar atividades com atenção sustentada, memória operacional, inibição dos impulsos, fluência verbal e especialmente pensamento abstrato, um individuo diagnosticado com TDAH, simplesmente não executa tais processos.

Considerações Finais

Sabemos que o amadurecimento das regiões cerebrais responsáveis pelas funções executivas só se completa por volta dos 20 anos de idade (Shaffer, 2005). Crianças em idade pré-escolar e escolar (portadoras ou não de TDAH) usam as funções executivas de seus pais, professores, babás, que funcionam todo o tempo como função auxiliar ou lobo frontal acessório dessas crianças, como já havia citado anteriormente. Acredita-se assim que crianças pequenas não terão tantos problemas em termos de função executiva, uma vez que algum adulto sempre estará por perto para suprir tais funções, supervisionando-as todo o tempo, por exemplo, lembrando-as da hora do banho, de estudar para a prova, enfim, organizando sua vida e suas ações cotidianas.

Entretanto, é de suma importância o olhar atento dos pais e educadores, não só nos anos iniciais, bem como durante toda vida escolar das crianças e adolescentes, para que o Distúrbio não seja visto apenas como desinteresse ou agitação do aluno.

As alterações neuroquímicas, psíquicas e emocionais são possivelmente tratadas, fazendo com que o TDAH seja desmistificado, porém devemos incluir cuidados para evitar a distração, é recomendado que a pessoa com TDAH tenha um ambiente silencioso e sem distrações para estudar. Na escola, pode se concentrar melhor sentando na primeira fileira e longe das janelas. Aulas de apoio são bem vindas, recebendo assim, atenção e apoio com maior foco podendo ajudar na melhorar do seu desempenho. É importante que os pais e professores se focalizem em recompensar onde seu desempenho é bom, valorizando suas qualidades, mais do que punindo suas falhas. Cabe salientar que, a punição nunca deverá ser violenta, pois isso torna a criança e/ou adolescente mais agressivo, levando a sentir rancor, medo, raiva da pessoa que o puniu. Isso vale para qualquer pessoa de qualquer idade mesmo sem hiperatividade, mas deve ser considerado com maior cuidado nos casos de TDAH.

É incontestável a importância das funções executivas na vida cotidiana e na vida acadêmica do ser humano, os atuais tratamentos oscilam entre utilização de fármacos, terapias diversas e a união de medicamentos e terapias, o tratamento a ser escolhido depende exclusivamente do diagnóstico e da individualidade de cada caso do transtorno.

Como podemos observar durante o documento, o TDAH não é um problema de aprendizado, mas as dificuldades em manter a atenção, de manter a ordem, é a inquietude afetando o rendimento dos estudos. É necessário que os educadores conheçam técnicas que auxiliem os alunos com TDAH a ter melhor desempenho, em alguns casos é necessário ensinar ao aluno técnicas específicas para minimizar as suas dificuldades, técnicas estas que serão utilizadas durante toda a vida do individuo diagnosticado, estas técnicas são desenvolvidas por profissionais aptos para o tratamento do Distúrbio, podemos citar aqui a importância do apoio familiar, conjuntamente com o psicólogo, neuropsicólogo, professor, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, neuropsicopedagogo entre outros profissionais da área, para que o TDAH deixe de ser um problema sem resolução e passe a ser apenas um obstáculo no processo de ensino e aprendizagem.

Sobre os Autores:

Fernanda Freitas Barbosa - Pedagoga, Orientadora Educacional, pós-graduanda em Neuropsicopedagogia e Desenvolvimento Humano. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Fernanda Garcia Perez - Psicologa, Especialista em Neuropsicologia, Mestre em Docência, Doutoranda em Psicologia Clínica. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Referêncial:

BROWN TE (2008) ADD/ADHD and Impaired Executive Function in Clinical Practice. Curr Psychiatry Rep. Oct;10(5):407-11. Review.

CASTELLANOS, F.X.; TANNOCK, R.(2002) - Neuroscience of Attention-deficit/ Hyperactivity Disorder: the Search for Endophenotypes. Nat Rev Neurosci 3: 617-28.

CREWS FT, Boettiger CA (2009) Impulsivity, frontal lobes and risk for addiction. Pharmacol Biochem Behav. Sep;93(3):237-47. Epub 2009 May 3. Review.

DSM-IV-TR (2002) – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (Trad. Cláudia Dornelles; 4 e.d. rev. – Porto Alegre: Artmed.

ESLINGER, Paul. (2003) Desenvolvimento do cérebro e aprendizagem. Disponível em: http://www.cerebromente.org.br.

FERREIRA. Marcos. (2006). Alterações nas funções executivas.

GOLDBERG, E. (2001). The executive brain. Oxford University Press.

GOLDMAN LS, Genel M, Bezman RJ, Slanetz PJ (1998) Diagnosis and treatment of attention-deficit/hyperactivity disorder in children and adolescents. Jama 279:1100-1107.

LEE MJ, SHIN YB, SUNWOO YK, JUNG SH, KIM WH, KANG MH, LEE JS, BAE JN, KIM CE (2009) Comparative Analysis of Cognitive Function in Schizophrenia with and without Obsessive Compulsive Disorder. Psychiatry Investig. Dec;6(4):286-93.

LURIA, A.R. (1981) Fundamentos da Neuropsicologia. São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo.

MATTOS, P. (2008). No mundo da lua. Casa da leitura médica.

McCLINTOCK SM, HUSAIN MM, GREER TL, CULLUM CM (2010) Association between depression severity and neurocognitive function in major depressive disorder: a review and synthesis. Neuropsychology.

OLIVEIRA, R. M.(2006). Funções Executivas. In: Renato Veras; Roberto Lourenço. (org). Formação Humana em geriatria e gerontologia 1 ed. Rio de Janeiro: UNATI/UERJ.

ROHDE, Luis. A.; BIEDERMAN, J.; BUSNELLO, Ellis A.; et al. (1999) ADHD in a school sampleof brazilian adolescents: a study of prevalence, comorbid, and impairments.Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry, Chicago, v.38, n.6, p.716-722, jun.

ROHDE, Luis A. e BENCZIK, Edyleine B.P. (1999). Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade.O que é? Como ajudar?. Porto Alegre: ArtMed Editora .

SILVA, A. B. B., (2005). Mentes Inquietas: Compreender o Distúrbio do Déficit de Atenção, 1a ed., Ed. Pergaminho.

SHAFFER, D. R. (2005). Psicologia do Desenvolvimento. São Paulo: Thomson Pioneira.

SOLANTO, MV, Arnsten AFT, Castellanos, FX (2001). Stimulant drugs and ADHD: Basic and Clinical Neuroscience. New York: Oxford University Press.

VINOCUR. E. TDAH- Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Disponível em: http://www.evelynvinocur.com.br.