4.7777777777778                     Avalie este Artigo:

Resumo: O presente artigo tem como objetivo evidenciar quais são os principais fatores que desencadeiam a depressão na terceira idade. O delineamento metodológico do estudo foi a pesquisa bibliográfica, que mostrou que a depressão na terceira idade é um caso que merece bastante atenção, pois, embora todo ser humano em qualquer fase de sua vida pode experimentar sintomas depressivos, nos idosos a probabilidade de padecer desta doença é ainda maior (ZIMERMAN, 2000). Desta forma, podemos considerar que os idosos merecem atenção e cuidado e que embora em qualquer fase da vida a depressão seja uma doença preocupante na terceira idade os cuidados devem ser maiores.

Palavras-Chave: Depressão, Terceira idade, Tratamento.

1. Introdução

A depressão na terceira idade é um tema que merece atenção e um estudo aprofundado a respeito, pois este é um grupo que necessita de cuidados e ajuda de terceiros.

O processo de envelhecimento embora difícil para muitos, é algo que acontece naturalmente, trazendo junto consigo algumas mudanças.

De acordo com MENDES (2005) et al., a Organização Mundial de Saúde – OMS define o indivíduo como idoso á partir dos 65 anos nos países desenvolvidos e dos 60 anos nos países subdesenvolvidos.

Segundo pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizada em 2003, no Brasil, em 2020, os idosos chegarão a 25 milhões de pessoas, numa população de 219,1 milhões representando 11,4% da população.

Segundo STELLA (2003) et al., junto com o aumento da população idosa, vêm o aumento também de doenças crônico-degenerativas, dentre elas aquelas que comprometem o funcionamento do sistema nervoso central, como as enfermidades neuropsiquiátricas, particularmente a depressão.

De acordo com Oliveira et al.  (2006 apud LAWTON, 2001) para se ter uma boa qualidade de vida no envelhecer é necessário o desenvolvimento de pesquisas que enfatizem não aspectos físicos e sociais, mas principalmente aqueles relacionado a saúde emocional.

Desta forma este estudo tem como objetivo identificar e evidenciar, por meio da pesquisa bibliográfica, quais são os principais fatores que desencadeiam a depressão na terceira idade e a melhor forma de tratamento.

2. Revisão de Literatura

2.1 Terceira idade

O envelhecimento é um processo natural e dá-se por mudanças físicas, psicológicas e sociais. É uma fase em que após uma análise, normalmente o indivíduo idoso conclui que alcançou muitos objetivos, mas também sofreu muitas perdas, das quais se destaca a saúde com um dos aspectos mais afetados. (MENDES et al., 2005)

A teoria do desenvolvimento psicossocial desenvolvida por Erik Erikson propõe uma concepção de desenvolvimento em oito estágios psicossociais, perspectivados por sua vez em oito idades que decorrem desde o nascimento até a morte. O último estágio chamado de Integridade X Desesperança, ocorre na velhice e segundo Erikson, se o envelhecimento ocorre com sentimento de produtividade e valorização do que foi vivido, sem arrependimentos e lamentações sobre oportunidades perdidas ou erros cometidos haverá integridade e ganhos, do contrário, um sentimento de tempo perdido e a impossibilidade de começar de novo trará tristeza e desesperança(RABELLO; PASSOS 2007).

A velhice é o último período da evolução da vida. É natural, indiscutível e inevitável. Implica um conjunto de mudanças biológicas, fisiológicas, psicológicas, sociais, econômicas e políticas que compõem o cotidiano das pessoas que vivem nessa fase em que os idosos avaliam como foi sua vida, bem como suas perdas e ganhos. (BEZERRA et al, 2010).

Neste momento da vida o indivíduo começa a rever a sua vida, fazendo uma reflexão de tudo o que fez ou deixou de fazer. Pensa nas suas realizações e seus significados. Cada um vivencia essa fase de forma diferente. Uns podem entrar em desespero, pois pode surgir um sentimento que o tempo acabou, que a morte esta se aproximando. Essas pessoas vivem numa tristeza por sua velhice. Por outro lado, existem pessoas que encaram isso da maneira positiva, experimentando a sensação de dever cumprido e gosta de dividir sua experiência e sabedoria com outras pessoas. (RABELLO; PASSOS 2007).

Segundo Morris; Maisto (2004), em um processo que se inicia na metade da idade adulta e continua na terceira idade, a aparência física e o funcionamento de todos os órgãos passam por várias alterações. O cabelo fica mais fino e muda de cor, a pele enruga, os ossos se tornam mais frágeis, os músculos perdem as forças e as juntas ficam enrijecidas ou desgastadas, a circulação se torna mais lenta, a pressão sangüínea se eleva e, pelo fato de os pulmões terem menos oxigênio, o idoso tem menos energia. Dificuldade para dormir e continuar dormindo se tornam mais comuns, e o tempo de reação fica mais lento. Visão, audição e olfato ficam menos apurados. No início, a maioria das pessoas não percebe essas mudanças, uma vez que elas ocorrem de maneira gradual, mas chega o momento em que as alterações provocadas pela degeneração se tornam inegáveis.

O ambiente familiar pode determinar as características e o comportamento do idoso. Na família onde se predomina uma atmosfera saudável e harmoniosa entre as pessoas, todos possuem funções, papéis, lugares e posições e as diferenças de cada um são respeitadas e levadas em consideração e isso ajuda para o bem estar do idoso. Em famílias onde há desarmonia, o relacionamento é carregado de frustrações, com indivíduos deprimidos e agressivos. O idoso torna-se isolado socialmente e com medo de cometer erros e ser punidos. (MENDES et al., 2005).

Segundo Kübler-Ross (2004, apud MORRIS; MAISTO) ás vezes, os parentes não são capazes de oferecer muito apoio aos idosos à medida que esses envelhecem, seja por viverem muito distantes, por serem incapazes de lidar com a dor de ver outra pessoa querida envelhecer/morrer ou pelo medo que eles próprios têm.

Por isso, é importante a família ter paciência com os idosos e conhecimento sobre as doenças que atingem a terceira idade, bem como a depressão.

2.2 Depressão

A depressão tem alto impacto na vida do paciente e de seus familiares, com significativo comprometimento nos aspectos sociais, ocupacionais e em outras áreas de funcionamento. (POWELL, et al 2008).

Conforme o Catálogo Internacional de doenças, 10ª edição, CID-10 (OMS, 1999) que apresenta a classificação nosológica de episódios depressivos em F32, o número e a gravidade dos sintomas permitem determinar três graus de um episódio depressivo: leve, moderado e grave e em ambos os graus, o paciente apresenta um rebaixamento do humor, redução da energia e diminuição da atividade. Existe alteração da capacidade de experimentar o prazer, perda de interesse, diminuição da capacidade de concentração, associadas em geral à fadiga importante, mesmo após um esforço mínimo. Observam-se em geral problemas do sono e diminuição do apetite. Existe quase sempre uma diminuição da auto-estima e da autoconfiança e frequentemente ideias de culpabilidade e ou de indignidade, mesmo nas formas leves. O humor depressivo varia pouco de dia para dia ou segundo as circunstâncias e pode se acompanhar de sintomas ditos somáticos, por exemplo, perda de interesse ou prazer, despertar matinal precoce, várias horas antes da hora habitual de despertar, agravamento matinal da depressão, lentidão psicomotora importante, agitação, perda de apetite, perda de peso e perda da libido.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicado em 2009, só no Brasil existem cerca de 13 milhões de depressivos e que em todo o mundo existem cerca de 340 milhões. Por conta da doença 850 mil suicídios são cometidos anualmente em todo o mundo. Atualmente, a depressão é apontada como a quinta maior questão de saúde pública pela OMS, sendo que até 2020 deverá estar em segundo lugar.

Existem estudos que abordam aspectos psicológicos, ambientais e bioquímicos que tentam explicar o número significativo de casos de depressão. Mas ainda não existe um consenso sobre o que realmente causa a depressão. O depressivo não aceita que o mundo e as pessoas a sua volta não sejam como ele quer e por não conseguir mudá-los, adoece. (DEUS, 2011).

Mckenzie (1999) comenta que o meio em que o indivíduo vive também é um fator importante no risco de se desenvolver uma depressão.

A depressão é uma doença complexa, principalmente pela dificuldade do doente em entender e aceitar a enfermidade. Diante dessa complexidade, a melhor forma de não adoecer é a prevenção. (DEUS, 2011).

2.3 Depressão na Terceira Idade

Todo ser humano em qualquer fase de sua vida pode experimentar sintomas depressivos. Nos idosos a probabilidade de padecer desta doença é ainda maior, pois apresentam inúmeras limitações e perdas, tendo como conseqüências sentimentos de autodepreciação (ZIMERMAN, 2000).

Segundo Oliveira (2006), é importante destacar a respeito da depressão, que ela tem sido considerada como um dos transtornos que mais afetam o idoso.

Os fatores etiológicos da depressão no idoso podem ser divididos em biológicos e psicossociais. O primeiro refere-se à perda neuronal e diminuição de neurotransmissores; o genético; a doença física e as medicações. Já os fatores psicossociais caracterizam-se pela diminuição de renda, as modificações no papel social, o luto/perdas e a doença física incapacitante e ou/dolorosa.

Frequentemente são atribuídos os acontecimentos estressantes e negativos, como por exemplo, a morte de uma pessoa querida ou doenças e efeitos colaterais de medicações, as principais causas da depressão na velhice. Doenças e efeitos colaterais também podem causar ou exacerbar a depressão.  (HAMILTON, 2002).

Segundo Morris; Maisto (2004), a incidência de depressão aumenta significativamente após a morte de um cônjuge, tornando desafio mais difícil que as pessoas enfrentam na terceira idade. Para Mckenzie (1999), este é um dos dez acontecimentos mais estressantes na vida que podem levar a depressão.

As particularidades da depressão do idoso são queixas somáticas como, dores crônicas, distúrbios do sono e apetite. Dentre os sintomas psicológicos, o mais freqüente é a anedonia, que é a perda da capacidade de sentir prazer e déficits cognitivos, particularmente de memória. A depressão em idosos é um importante fator para piora da qualidade de vida destes indivíduos, especialmente para os que permanecem não diagnosticados e sem tratamento (MICHELAN, 2011).

Motti, (s/d) comenta que a depressão desencadeia ou mesmo agrava as doenças preexistentes. Segundo, Stella et al (2003), em idosos deprimidos o risco de suicídio é duas vezes maior do que os não deprimidos. Diante de toda essa complexidade.

Embora as limitações causadas pela idade, as quais podem prejudicar a independência e autonomia do idoso para desenvolver determinadas atividades, é preciso estimular este idoso a organizar seu tempo fazendo projetos de vida com criatividade, energia e iniciativa, isto é, dando significados a vida para que não caia no vazio. (PENNA; SANTO 2006, apud LIMA 2000).

Segundo Lobo (s/d), nos idosos, a depressão pode estar associada a algum problema físico, doença ou incapacitação, o que dificulta o seu diagnóstico menos e faz com que alguns médicos afirmem que a depressão é menos comum na terceira idade. Por isso é importante que tanto familiares quanto médicos estejam atentos à depressão nos idosos, que apresentam entre os principais sintomas a falta de disposição e tristeza, entre outros sintomas físicos e psicológicos.

2.4 Sintomas da depressão

Alem do humor triste, a depressão apresenta inúmeros sintomas cognitivos, comportamentais, físicos e emocionais. (GREENBERGER; PADESKY, 1999).

Mckenzie (1999), descreve alguns sintomas psicológicos e físicos mais freqüentes em pessoas depressivas, descrevendo os psicológicos em: Baixo-astral, definido como um sentimento persistente de tristeza, vazio, perda e apreensão, acompanhado de uma tendência a chorar mais freqüentemente por qualquer aborrecimento ou até mesmo sem se ter um motivo. Na depressão grave ou moderada, muitas vezes é mais acentuado pela manhã, melhorando um pouco ao longo do dia, embora ainda esteja presente, o que é chamado de variação diurna. Nos casos menos graves pode ser pior a noite do que pela manhã, podendo o depressivo passar bem o dia.

Ansiedade, pode tornar-se o maior sintoma da depressão.  Nas pessoas deprimidas, essa sensação pode durar meses. Algumas pessoas acordam de manhã num estado de grande ansiedade, porque temem o decorrer do dia.

Embotamento Emocional, este é um dos mais cruciais sintomas da depressão. As pessoas gravemente deprimidas, freqüentemente sentem-se como se tivessem perdido seus sentimentos, não conseguindo nem chorar. Sentem-se às vezes distante e indiferente em relação às pessoas mais próximas.

Pensamento depressivo, a pessoa depressiva enxerga o mundo sempre por um lado negativo. Sente muita culpa por tudo, esquece-se das coisas boas que já fizeram, relembrando e intensificando as coisas más. Estes tipos de pensamentos negativos destroem a pessoa aos poucos, deixando-a mais deprimida ou ansiosa, formando-se um círculo vicioso.

Concentração e problemas de memória, a pessoa sente dificuldade em se concentrar, se consome por preocupações e pensamentos depressivos tornando-se difícil pensar em qualquer outra coisa. Os problemas com a concentração podem levar á indecisão e falta de atenção, deixando a pessoa confusa e desorganizada.

Delírios e alucinações, a pessoa deprimida tem um pensamento distorcido que se perde da realidade. Os delírios ou convicção falsa, considerada inabalável pela pessoa que o tem, podem ocorrer na depressão grave, refletindo e reforçando o humor depressivo.

Muitas pessoas deprimidas pensam no suicídio, mesmo que seja um pensamento passageiro. Quando a pessoa se encontra num estágio profundo de depressão, o passado lhe parece horrível e cheios de erros, o presente terrível e temem o futuro chega à conclusão de que não vela a pena continuar vivendo, que todos ficariam melhores sem ela, e sendo assim, devem tirar suas próprias vidas.

A pessoa deprimida pode apresentar também alguns sintomas físicos como problemas de sono, lentidão mental e física, perda de apetite. Algumas pessoas no lugar dos sintomas comuns a depressão desenvolvem sintomas físicos reversos como dormirem demais, ter um apetite maior e ganhar peso.

Uma pessoa deprimida tem alterações em cinco aspectos de sua vida, que devem ser avaliados antes de um diagnóstico, são os pensamentos, estados de humor, comportamentos, reações físicas e ambiente. Estas cinco áreas estão interligadas e cada aspecto diferente da vida de uma pessoa influencia todos os outros. (GEENNBERGER; PADESKY, 1999).

Segundo Beck et al (1997) os pacientes depressivos apresentam sintomas afetivos, como tristeza, e alguns experimentam períodos oscilantes de melancolia, enquanto outros são incapacitados pela severidade do afeto, além de raiva, distração, humor deprimido, disforia,  crises de choro, sentimentos de culpa, vergonha, ansiedade. Sintomas motivacionais como perda de motivação positiva e aumento de desejos de evitação, aumento de dependência. Sintomas cognitivos como a indecisão, visão dos problemas como avassaladores, autocrítica, pensamento absolutista (tudo-ou-nada), dificuldades de concentração e memória. Sintomas comportamentais como passividade, evitação e inércia, déficits em habilidades sociais e sintomas fisiológicos como distúrbio do sono e distúrbios do apetite e sexuais.

2.5 O luto e a depressão

Carreteiro (2003) afirma que não existe luto sem depressão, porém, esse estado de depressão pode agravar-se em certas pessoas. Um sinal deste agravamento pode ser quando a comida e a bebida são recusadas, assim como quando pensamentos de suicídio aparecem. Noites insones podem continuar por muito tempo e tornar-se um problema sério. Se a depressão continua por muito tempo, fugindo à norma da fisiologia do luto normal, pode haver necessidade de tratamento médico à base de antidepressivos e psicoterapia por algum tempo. (BALLONE, 2010).

Segundo Bowlby (2004), existem quatro fases do luto, que são a fase de entorpecimento, que geralmente dura de algumas horas a uma semana e pode ser interrompida por explosões de aflição e/ou raiva extremamente intensas. A reação imediata a notícia da morte de um cônjuge, pode variar muito. Mas, no geral, todos sentem-se chocados e não querem aceitar a notícia.

A fase de anseio e busca da figura perdida, que duram meses e por vezes anos. Alguns dias após a perda a viúva (o), começa a compreender a realidade e isso leva a crises de desanimo intenso com grande inquietação, insônia entre outros sintomas.

A fase de desorganização e desespero, para que o luto tenha um resultado favorável, é necessário que a pessoa enlutada suporte essas oscilações de emoção. Sendo necessário superar velhos padrões de pensamento, sentimento e ação para poder modelar outros novos.

E por último a fase de reorganização, onde a viúva (o) reorganiza sua vida de acordo com sua nova realidade. Pode ser que tenha que fazer coisas que antes não fazia, como, cozinhar, limpar casa, pode-se avaliar a hipótese de um novo casamento, embora a maioria rejeite essa idéia.

O luto é uma coisa natural, mas que varia de pessoa para pessoa, e se não for trabalhado, pode converter-se em depressão.

Capitão; Santos (2009) afirmam que quando o processo de luto se complica, temos um sofrer depressivo, que necessita de cuidados médicos, psicológicos e apoio social. 

3. Tratamento

A depressão quase sempre pode ser curada. Algumas abordagens terapêuticas que se mostram eficazes na redução da depressão são: a reestruturação cognitiva, a medicação, a melhora das relações interpessoais e o planejamento de atividades. (GREENBERGER; PADESKY 1997).

Na década de 60 do século passado, Albert Ellis e Aaron Beck chegaram à importante conclusão de que a depressão resulta de hábitos de pensamentos extremamente enraizados. (POWELL et al. 2008).

A pessoa depressiva apresenta uma tríade cognitiva de pensamentos negativos. O primeiro componente da tríade gira em torno da visão negativa que o paciente tem de si mesmo. Ele se vê como defeituoso e inadequado acreditando que devido aos seus supostos defeitos ele é indesejável e sem valor. O segundo componente da tríade cognitiva consiste na tendência da pessoa deprimida interpretar suas experiências atuais de forma negativa. Ele vê o mundo de forma negativa, fazendo exigências exorbitantes sobre ele e apresentando-lhes obstáculos insuperáveis para tingir suas metas. O terceiro componente da tríade cognitiva consiste em uma visão negativa em relação ao futuro. Quando a pessoa deprimida faz projeções a longo prazo, ela antecipa que seu sofrimento ou dificuldades atuais continuarão. (BECK et al. 1997).

Os pensamentos ajudam a definir os estados de humor que experimentamos e influenciam o modo como nos comportamos, o que escolhemos fazer e não fazer e a qualidade de nosso desempenho. Os pensamentos e as crenças afetam nossas respostas biológicas. Enquanto as mudanças no pensamento são, na maioria das vezes fundamentais, muitos problemas também exigem mudanças no comportamento, no funcionamento físico e no meio.

Segundo Powell et al. (2008), Beck, observou que humor e comportamentos negativos eram usualmente resultados de pensamentos e crenças distorcidas.

A Terapia Cognitivo-Comportamental da depressão é um processo de tratamento que ajuda os pacientes a modificarem crenças e comportamentos que produzem certos estados de humor. As estratégias terapêuticas da abordagem cognitivo-comportamental da depressão envolvem trabalhar três fases, a primeira é o foco nos pensamentos automático, a segunda fase é o foco no estilo da pessoa relacionar-se com os outros e a terceira e última fase foca na mudança de comportamentos a fim de obter melhor enfrentamento da situação problema. (POWELL et al. 2008).

Pode-se dizer que no que diz respeito a segunda fase das estratégias terapêuticas citadas por Powell et al. (2008), Greenberger; Padesky (1999), discorre da importância da melhora de relacionamentos íntimos. Pois isso pode ajudar o indivíduo a obter apoio enquanto se recupera da depressão.

Como o alívio dos sintomas é o objetivo inicial do tratamento, o comportamento é importante nesta abordagem. Uma das bases teóricas dos procedimentos do tratamento para a depressão na Terapia Cognitiva vem da teoria de Lewinsohn que afirma que os pacientes sentem depressão porque estão experimentando redução no reforço geral do mundo externo – decorrente da redução do reforço positivo e/ou excesso de experiências aversivas. A depressão é conceituada nesse modelo como um círculo vicioso de retraimento gradual do paciente ante as atividades positivas e a perda do reforçamento. Assim, o terapeuta precisa trabalhar de modo incisivo para aumentar o envolvimento do paciente deprimido em atividades de reforço e interações sociais. (POWELL et al. 2008).

As sessões iniciais são também dirigidas à definição dos problemas dos pacientes, elaborando-se a conceituação cognitiva ou formulação do caso. (POWELL et al. 2008). Segundo Greenberger; Padesky (1999), as pessoas deprimidas tendem a notar e a lembrar os aspectos positivos ou neutros, interpretando suas vidas com uma tendência negativa. Por isso, o objetivo central da terapia cognitiva para a depressão é ensinar às pessoas a como testar os pensamentos negativos através da revisão de todas as informações em suas vidas, tanto as positivas, neutras, e as negativas. Esse processo é chamado de reestruturação cognitiva.

As sessões finais são destinadas à avaliação dos ganhos na terapia e à prevenção de recaída. A melhora do paciente pode ser fornecida como recurso para o enfrentamento de novas situações que incluam perdas e adaptações a novas situações-problema. (POWELL et al. 2008).

Normalmente a terapia prioriza o atendimento em curto-prazo, com um número de sessões variando de 6 a 20. Porém, existem pacientes que necessitam de um número maior de sessões para o tratamento com terapia cognitiva.  (POWELL et al. 2008).

Quando o indivíduo apresenta uma depressão intensa ou duradoura, com sintomas fisiológicos, pode ser que seja indicado o uso de medicação, para isso, é necessário que procure um médico psiquiatra. Aproximadamente a cada três pessoas deprimidas, duas podem ser ajudadas, por medicação antidepressiva. (GREENBERGER; PADESKY, 1999).

Uma pessoa depressiva tem a produção cerebral de serotonina e/ou noradrenalina, substâncias químicas naturais do cérebro que afetam o pensamento e o humor, encontram-se diminuídas. As medicações antidepressivas ajudam a aumentar os níveis dessas substâncias, restabelecendo ao cérebro um estado mais saudável, não deprimido, de equilíbrio da serotonina e noradrenalina. (GREENBERGER; PADESKY, 1999).

4. Materiais e Métodos

4.1 Tipo de pesquisa

Trata-se de uma pesquisa do tipo bibliográfica, que conforme Baruffi (2004) a pesquisa bibliográfica busca explicações a partir de referências teóricas publicadas anteriormente. Este tipo de pesquisa permite que o pesquisador entre em contato com o que já foi publicado sobre o assunto e exige dele uma atitude mais crítica diante dos documentos, artigos e demais documentos, na perspectiva de melhor selecionar o que deve compor seu referencial teórico.

4.2 Local de pesquisa

Os materiais utilizados foram disponibilizados pela biblioteca do Centro Universitário da Grande Dourados – UNIGRAN, vias eletrônicas e aquisição de livros próprios. Entre os materiais utilizados haviam publicações impressas e digitais de artigos científicos, livros, periódicos, e resenhas.

5. Resultados e Discussões

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), publicado em 2009, só no Brasil existem cerca de 13 milhões de depressivos. O que indica a importância das pessoas entenderem esta doença e terem conhecimento das causas e sintomas.

Os resultados apresentados neste estudo indicam que a depressão tem sido considerada com um dos transtornos que mais afetam os idosos (OLIVEIRA 2006). Zimerman (2000), afirma que neste grupo a probabilidade de sofrer de depressão é maior, pois apresentam inúmeras limitações e perdas.

Embora existam estudos que tentam explicar o número significativo de casos de depressão, ainda não existe um consenso sobre o que realmente causa a depressão (DEUS, 2011). Porém, alguns estudiosos descrevem acerca de prováveis causas da depressão. Para Lobo (s/d), nos idosos, a depressão pode estar associada a algum problema físico, doença ou incapacitação. O ambiente onde o indivíduo está inserido também é um fator importante que pode desencadear uma depressão (Mckenzie, 1999). Morris; Maisto (2004), defendem que a incidência da depressão aumenta significativamente após a morte de um dos cônjuges.

Na maioria das vezes a depressão pode ser curada, sendo que várias são as formas de tratamento, uma delas que têm se mostrado eficaz é a Terapia Cognitiva da Depressão, vários autores como Greenberger; Padesky (1999), Petroff (s/d) e Kley (2010), explicam sobre este tratamento. O objetivo é a reestruturação cognitiva, visto que Beck acreditava que a depressão é um transtorno de pensamento e não emocional (PETROFF, s/d; KLEY, 2010).

6. Considerações Finais

A presente revisão de literatura aponta que, a depressão é um dos transtornos que mais afetam o idoso, sendo preocupante em qualquer momento da vida, mas apresenta na terceira idade, maiores riscos, pois o idoso com depressão tem uma piora significativa na qualidade de vida, o que aumenta o risco de um suicídio.

Segundo Mckenzie (1999), antes dos 65 anos de idade, a depressão acomete mais mulheres, porém a partir desta idade ambos os sexos são afetados igualmente.

Várias são as causas da depressão na terceira idade, entre elas o luto, as mudanças que ocorrem nessa fase, físicas e sociais podem desencadear a doença.

É muito importante para o idoso que ele esteja inserido em um ambiente saudável. É fundamental que o idoso com depressão tenha cuidados de familiares e pessoas próximas, o que muitas vezes não acontece, pois essas pessoas não sabem como lidar com o doente ou então até mesmo para evitar a dor que sentem ao ver o sofrimento de uma pessoa querida.

Essa falta de apoio dos familiares prejudica ainda mais o idoso depressivo, visto que este já tende a se isolar e apresentar rebaixamento de humor. Quando as pessoas com as quais ele convive, aparenta não se preocupar, o idoso tende a se isolar mais.

A depressão é uma doença complexa e seu diagnóstico tardio dificulta ainda mais o tratamento. Por isso, é importante que as pessoas que convivem com este idoso estejam atento aos sintomas, pois dificilmente o idoso depressivo irá procurar um tratamento por conta própria.

A depressão pode ser tratada e quase sempre têm cura, por isso a importância de se conhecerem os sintomas, pois quanto mais cedo se procurar ajuda mais rápido e eficaz é o tratamento.

Aaron Beck na década de 60 postulou o modelo de Terapia Cognitiva da depressão, segundo Beck, a depressão não é um transtorno emocional, mas sim, um transtorno de pensamento (PETROFF, s/d).

No modelo de Beck, o tratamento tem como objetivo a reestruturação cognitiva, que se entende como a retomada de flexibilidade cognitiva, obtida através da substituição de esquemas disfuncionais por outros mais funcionais e a resolução de problemas, que consiste no desenvolvimento da habilidade de lidar de forma prática com as dificuldades e desafios do dia-a-dia (KLEY, 2010).

Por fim, cabe ressaltar que a depressão em qualquer momento da vida é algo que merece atenção e cuidados, mas que nos idosos precisa além do desempenho da pessoa doente, interesses e cuidados de todos que estão envolvidos com esta pessoa.

Sobre os Autores:

Larissa Sarate Melo - Acadêmica/ pesquisadora do curso de Psicologia da UNIGRAN. email:

Aletéia Henklain Ferruzzi - Graduada em Psicologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e mestre em Psicologia pela Universidade São Francisco. Docente do curso de Psicologia da UNIGRAN e orientadora da pesquisa. email:

Referências:

BALLONE, G. J. Lidando com o luto. 2010. Disponível em: <http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=176>. Acesso em: 16/11/2011.

BARUFFI, H. Metodologia de Pesquisa- Orientações Metodológicas para a Elaboração da Monografia. 4. ed. Dourados: HBedit, 2004.

BECK, A. T. et al. Terapia Cognitiva da Depressão. 1.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

bezerra, p. b. s. et al. Dinâmica de grupo e sua contribuição para a qualidade de vida na terceira idade. 2010. Disponível em: <http://artigos.psicologado.com/psicologia-geral/desenvolvimento-humano/dinamica-de-grupo-e-sua-contribuicao-para-a-qualidade-de-vida-na-terceira-idade>. Acesso em: 10/jun/2012.

BOWLBY, J. Apego e Perda – Tristeza e Depressão. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CAPITÃO, C. G.; SANTOS, E. S. Luto e depressão: perdas e danos. 2009. Disponível em: <http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=1128>. Acesso em: 16/11/2012

CARRETEITO, M. R. A morte e o Luto – Quando chega a hora da partida. 2003. Disponível em: <http://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?codigo=A0158>. Acesso em: 16/11/2012.

Depressão será 2ª maior questão de saúde pública em 2020. 2012. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/saude/noticias/depressao-sera-2a-maior-questao-de-saude-publica-em-2020>. Acesso em: 11/11/2011.

DEUS, G. Mente Saudável. Viver CASSEMS. ed 7, p. 24-29, 2011.

GREENBERGER, D.; PADESKY, C. A. A Mente Vencendo o Humor. 1ed. Porto Alegre: Artmed, 1999.

HAMILTON, I. S. A Psicologia do envelhecimento. 3.ed. São Paulo: Artmed, 2002.

IBGE. Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=%20132&id_%20pagina=1>. Acesso em: 11/11/2012.

KLEY, A. C. D. Aplicação da Terapia Cognitiva na Depressão: análise de caso clínico. 2010. Disponível em: <http://opbauru.blogspot.com.br/2010/11/aplicacao-da-terapia-cognitiva-na.html>. Disponível em: 02/12/2012.

LEITE, F. H. C.; BIN, M. C.; SCHMITZ, W. O.  Produção do Artigo científico. 2.ed. Dourados: Siriema, 2011.

LOBO, I. Depressão é parceira indesejável de 10% dos idosos. Disponível em: < http://portal.saude.gov.br/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=19108>. Acesso em: 11/11/2012.

MCKENZIE, Kwame.  Depressão. Editora Três, 1999. (Coleção Guia da Saúde Familiar, 8)

MENDES, M. R. S. S. B. et al. A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enferm. v.18, n. 4, p. 422-426, 2005. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ape/v18n4/a11v18n4.pdf>. Acesso: 01/out/2011.

MORRIS, C, G.; MAISTO, A. A. Introdução a Psicologia. 6.ed. São Paulo: Pearson Brasil, 2004.

MOTTI, M. C. J. Depressão presente na vida do idoso. Disponível em: < http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/depressao/index.php> Acesso em 12/jun/2012.

OLIVEIRA, K. L. et al. Relação entre ansiedade, depressão e desesperança entre grupos de idosos. Psicologia em Estudo: Maringá, v. 11, n. 2, p. 351-359, 2006. Disponível em <http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/08n3/Stela.pdf>. Acesso em: 09/jun/2012.

OMS: Depressão será doença mais comum do mundo em 2030. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/geral,oms-depressao-sera-doenca-mais-comum-do-mundo-em-2030,428526,0.htm>. Acesso em: 11/11/2011.

Organização Mundial da Saúde. CID-10: classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10.ed. v. 3. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1999.

PENNA, F. B.; SANTO, F. H. E. O movimento das emoções na vida dos idosos: um estudo com um grupo da terceira idade. Revista Eletrônica de Enfermagem. v. 08, n. 01, p 17.24, 2006. Disponível em: < http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/948/1162> Acesso em 11/jun/2012.

PETROFF, T. TCC- Terapia Cognitivo Comportamental. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/vyaestelar/tcc_pensamento.htm>. Acesso em 02/12/2012.

POWELL et al. Terapia cognitivo-comportamental da depressão. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-44462008000600004&script=sci_arttext>. Acesso em: 16/11/2012.

RABELLO, E.T.; PASSOS, J. S. Erikson e a teoria psicossocial do desenvolvimento. 2001. Disponível em: <http://www.josesilveira.com/artigos/erikson.pdf>. Acesso em 01/out/2011.

STELLA, F. et al. Depressão no Idoso: Diagnóstico, Tratamento e Benefícios da Atividade Física. Motriz: Rio Claro. v. 8, n. 3, p. 91-98. Disponível em: <http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/08n3/Stela.pdf>. Acesso em 09/jun/2012.

ZIMERMAN, G. I. Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.