Artigos com o tema:

Psicologia Comunitária

4.5                     Avalie este Artigo:

Resumo: Este estudo teve como objetivo desvelar a percepção de familiares de doadores sobre o processo de doação de órgãos. Propõe conhecer a experiência vivida pelos familiares nesse momento tão desgastante, no que se refere aos quesitos informação sobre o procedimento, aos fatores que favoreceram e dificultaram na decisão e o processo de captação de órgãos. A amostra constituiu-se de duas famílias que concordaram com a doação dos órgãos de seu familiar. Metodologicamente, utilizou como vertente, uma pesquisa qualitativa com análise de conteúdo, tendo como instrumento para coleta de dados uma entrevista com perguntas semi-estruturadas, onde possibilitou a criação de três categorias de análises: O conhecimento sobre Doação e Morte Encefálica; a segunda, A decisão: um gesto que pode transformar a dor da morte em continuidade da vida; e a terceira, A família vivendo a doação: na contramão do egoísmo. O estudo possibilitou a compressão do procedimento de doação de órgãos sob a ótica dos familiares envolvidos nesse processo, onde a situação vivenciada é sofrida, burocrática e demorada, mas não há arrependimento quanto à aceitação. Embora a dor da perda seja inexplicável e sem fim, a atitude de doar é um gesto que pode transformar a dor da morte em continuidade da vida, além de trazer conforto para a família.

Palavras-chave: Doação de Órgãos, Família, Percepção.

Leia mais: Na Contramão do Egoísmo: a Percepção Acerca da Doação de Órgãos pela Família Doadora

3.7777777777778                     Avalie este Artigo:

Resumo: O artigo em questão desenvolveu-se a partir da inserção no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), com os objetivos voltados as Doenças Crônicas não Transmissíveis no município de Arapiraca-Al, precisamente na Unidade Básica de Saúde Francisco Pereira (IV Centro). Através de um olhar da Psicologia e do Serviço Social, por meio de seu acumulo de conhecimento e leituras sobre a temática. Trazendo resultados tanto no âmbito acadêmico e profissional, como para os usuários. Assim, o estudo busca o conhecimento da realidade local, para o envolvimento no mesmo, com ações interdisciplinares e uma educação em saúde tanto na prevenção como no controle das DCNT.

 
Palavras-chave: PET-Saúde, DCNT, Educação em Saúde.

Leia mais: Estratégias do PET-Saúde Doenças Crônicas não Transmissíveis: um Olhar da Psicologia e do Serviço Social


3.9821428571429                     Avalie este Artigo:

Resumo: Diante da importação de conhecimentos, e da não contextualização de nossa prática, surgiu à necessidade de uma psicologia própria do Brasil e podemos citar como maior expoente da psicologia social critica brasileira, Silvia Lane. Brasileira, Paulista e filósofa, afirmava que a psicologia teria de ser mais política e que isso não faria com que a psicologia fosse menos científica. E que toda psicologia é social, porque cada sujeito emerge de um coletivo, de uma família e de várias instituições. Então, esse artigo tem como objetivo falar a respeito das bases epistemológica da psicologia comunitária. Mostrando que a psicologia deve ser para todos, deve ser desmistificada, deixando de ser uma prática elitista para ser uma prática divulgada e de direito de todo cidadão.      

Palavras-chave: Psicologia Comunitária, Psicologia da Libertação, Psicologia das Maiorias, Epistemologia.

Leia mais: Bases Epistemológicas da Psicologia Comunitária no Ceará

4.0333333333333                     Avalie este Artigo:

A dependência química, uso abusivo de substancias psicoativas é um fenômeno que está presente em toda história da humanidade nas mais diversas culturas, épocas e contextos. Antigas civilizações já faziam uso de produtos naturais em busca de prazeres efêmeros ou alterações no estado de consciência.

Leia mais: Dependência Química

4                     Avalie este Artigo:

Com o advento da Psicologia Social em 1950 e seu desdobramento até os dias de hoje a atuação do psicólogo se estende para os conflitos comunitários, em áreas que apresentam vulnerabilidades, na medida em que incorpora, de certo modo, além do papel de psicólogo, o de “agente social”. Assim, a psicologia social e comunitária:

Leia mais: Introdução à Psicologia Comunitária: em busca da consolidação de seus referenciais teóricos e práticos

4.125                     Avalie este Artigo:

Resumo: O presente artigo visa relatar uma experiência que focaliza os limites e possibilidades de reconhecimento das especificidades culturais e sócio-históricas de remanescentes de quilombolas, cujo recolhimento da história se deu exclusivamente por entrevista com os sujeitos, não havendo consulta à rigor de documentos. Objetivou-se identificar os elementos constitutivos do processo de formação identitária calcada na perpetuação da tradição dessa comunidade. De modo a verificar se a tradição quilombola é mantida pelos remanescentes ou se esta sofre atravessamentos por parte de políticas públicas universais no contexto da cultura local. Foi utilizado o método qualitativo em uma pesquisa participante, tendo como instrumentos de coleta de dados uma observação participante e o registro dos contos, “causos”, lendas e estórias locais. A relevância social da intervenção justifica-se pela importância de investigar a forma com que a cultura quilombola é perpetuada e/ou resgatada, para que a partir desse conhecimento seja possível se pensar em estratégias que possam reavivar ou resguardar os aspectos inerentes a essa cultura. No contexto científico essa produção garante um espaço de reflexão e dá subsídio para pensar em formas de manutenção da tradição nessa localidade, uma vez que foram percebidos atravessamentos de políticas públicas universalizantes, que por vezes desconsidera especificidades histórico-culturais, influenciando negativamente a transmissão e/ou perpetuação da cultura quilombola na comunidade.

Palavras-Chave: Cultura, remanescentes quilombolas, identidade, perpetuação.

Leia mais: Vozes do Quilombo: um relato de experiência vivenciada na Comunidade Quilombola de Palmeirinha – MG

4.1129032258065                     Avalie este Artigo:

Resumo: O presente trabalho tem por objetivo identificar os principais desafios enfrentados pelos psicólogos no CRAS. Criado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, o CRAS tem como finalidade prestar serviços assistenciais às famílias a indivíduos que se encontram em situação de vulnerabilidade social, e constitui uma ferramenta do Estado para a promoção de uma política de assistência social voltada à formação de sujeitos autônomos. Para a discussão dos desafios enfrentados pelos psicólogos, será apresentada uma revisão histórica sobre a inserção do psicólogo no campo social, assim como uma revisão conceitual sobre os significados da psicologia social e comunitária. A partir da análise de depoimentos expostos por psicólogos atuantes no CRAS, em um blog, foi possível identificar desafios constantes enfrentados pela Psicologia e afirmar que se tem muito a conhecer sobre essa atuação. A pesquisa poderá contribuir para uma reflexão, por parte de todos os envolvidos nas políticas sociais, sobre as atividades desenvolvidas por estes profissionais, assim como favorecer o aprimoramento da atuação no âmbito social.

Palavras-chave: Psicologia Social Comunitária SUAS / CRAS. Atuação do psicólogo.

Leia mais: Os Principais Desafios Enfrentados pelos Psicólogos no CRAS

3.8333333333333                     Avalie este Artigo:

A constatação de que a morte é inevitável está encoberta pelo empenho em adiá-la cada vez mais e, levando-se em conta a ajuda dinâmica da sociedade capitalista, que entende o morto como um ser improdutivo pretende-se a partir deste movimento visualizar nesta comunidade a significação da morte a partir de depoimentos considerados relevantes dos moradores e funcionários do cemitério local. A intensão de analisar como esta comunidade lida com esta representação da morte é uma hipótese cogitada por nós, pois estes moradores assistem aos velórios realizados quase que diariamente, uma vez que o necrotério fica anexo ao cemitério e ainda verificar como os mesmos trabalham a perda, pois as pessoas veladas não estarão mais fazendo parte da comunidade. O cemitério é a terra dos antepassados, local este onde o passado e presente se chocam, onde as memórias afloram e as lágrimas caem, sendo também um lugar de oração, de reflexão, e também um local de comunicação, pois é através das lápides que o morto, através dos vivos tem sua história seja contada.

Leia mais: A Representação da Morte e o Mito do Cemitério em Comunidade do Município de Biguaçu-SC: Relato de Experiência